Ayreon: "The Source" é para ser escutado do começo ao fim

Resenha - Source - Ayreon

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Tarcisio Lucas Hernandes Pereira
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Eis que o incansável músico holandês Arjen Lucassen nos apresenta mais um álbum do seu principal projeto musical, o Ayreon. Como sempre, trata-se de uma ópera metal calcada em harmonias complexas, instrumentação variada, com a utilização de vários instrumentos clássicos, melodias épicas e letras que contam uma história de ficção científica absurdamente interessante e bem construída.

743 acessosAyreon: Um brasileiro no Ayreon Universe5000 acessosElvis Presley: De que ele morreu?

Quem der uma olhada na lista de participações especiais do álbum certamente ficará intrigado: Paul Gilbert, Guthrie Govan, Tobias Sammet, Hansi Kurschi, Floor Jansen, Simone Simons, James Labrie, Russel Allen... entre outros igualmente competentes.

E quem apostou que um time desse porte seria incapaz de fazer algo menos que maravilhoso acertou em cheio. O que temos aqui é prog metal da melhor qualidade. Aliás, abro aqui um adendo para falar a respeito da mente criativa de Arjen Lucassen. O cara possui uns 3 ou 4 projetos totalmente diferentes uns dos outros ( Star One, Gentle Storm, Ambeon, Guilty Machine...), e todos, sem exceção são extremamente bem feitos. O homem é uma verdadeira máquina de compor. Isso sem falar nas muitas participações que ele faz, incluindo a banda brazuca Soulspell, em mais de uma ocasião.

Outro fator interessantíssimo do álbum e que deve ser citado aqui é a história que é contada; todos os álbuns do Ayreon, em menor ou maior grau, se passam dentro do mesmo universo ficcional, e ao longo dos anos Arjen foi criando uma história absurdamente interessante e interconectada e que não fica a dever em nada ás grandes sagas de ficção científica que temos nos livros ou nos cinemas. Para o pessoal afiado no inglês, vale muito a pena olhar a letras, e para quem não está, procurem boas traduções na internet.

Trata-se de um álbum duplo, dividido em 4 “Crônicas”, da seguinte maneira:

Disco 1
Chronicle 1: The Frame
1. The Day That The World Breaks Down (12:32)
2. Sea Of Machines (5:08)
3. Everybody Dies (4:42)

Chronicle 2: The Aligning Of The Ten
4. Star Of Sirrah (7:03)
5. All That Was (3:36)
6. Run! Apocalypse! Run! (4:52)
7. Condemned To Live (6:14)

Disco 2
Chronicle 3: The Transmigration
1. Aquatic Race (6:46)
2. The Dream Dissolves (6:11)
3. Deathcry Of A Race (4:43)
4. Into The Ocean (4:53)

Chronicle 4: The Rebirth
5. Bay Of Dreams (4:24)
6. Planet Y Is Alive! (6:02)
7. The Source Will Flow" (4:13)
8. Journey To Forever (3:19)
9. The Human Compulsion (2:15)
10. March Of The Machines (1:40)

Eis aqui alguns destaques:

The day that the World Breaks Down – Aqui temos todos os elementos que fizeram do Ayreon um marco n história do prog metal e das metal operas: passagens viajantes, aliadas à peso, harmonias complexas, melodias épicas, mudanças constantes de ritmos, instrumentação clássica em muitos momentos. Destaque para as vozes de Tobias Sammet e Hansi Kurschi. A parte musical e lirica faz muitas referências à álbuns anteriores. Para quem é fã de carteirinha, fica a divertida tarefa de encontrar todos os “easter eggs” presentes.

Sea of Machines - Música que puxa mais pro folk metal, com um trabalho de vozes simplesmente maravilhoso. Música delicada e pesada ao mesmo tempo.

Star of Sirrah - quem sentir falta de peso, venha aqui; uma paulada, com riffs completamente matadores;

Deathcry of a Race – O casamento perfeito entre o clássico, o rock, o metal, o melódico, o folk, e o que mais você conseguir pensar quando o assunto for misturar estilos diferentes;

Into the Ocean – aqui Arjen deixa a influência de Deep Purple e Rainbow falar mais alto, criando um verdadeiro tributo ao rock n' roll!

Enfim, um álbum para ser escutado do começo ao fim, sem pausas e interrupções.

Line Up:

Arjen Lucassen – Guitars, Bass, Keyboards, Songwriting
Ed Warby – Drums
Joost van den Broek – Piano
Ben Mathot – Violin
Maaike Peterse – Cello
Jeroen Goossens – Wind Instruments

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Source - Ayreon

1011 acessosAyreon: mais uma obra ousada de Arjen Lucassen1227 acessosAyreon: Mais uma joia desta fábrica de obras-primas1189 acessosAyreon: Um dos melhores trabalhos do projeto de Arjen Lucassen


Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 26 de abril de 2017


Gigantes do Rock e MetalGigantes do Rock e Metal
Alguns músicos muito, muito altos

743 acessosAyreon: Um brasileiro no Ayreon Universe0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Ayreon"

Top 10Top 10
Álbuns conceituais

Gigantes do Rock e MetalGigantes do Rock e Metal
Alguns músicos muito, muito altos

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Ayreon"


Elvis PresleyElvis Presley
De que ele morreu?

GóticasGóticas
10 grandes bandas do gênero dos anos 80

Blind MelonBlind Melon
"Dream Theater? Desliga essa porra!"

5000 acessosMegadeth: Mustaine fala sobre satanistas, gays e gatos5000 acessosRoger Moreira: resposta bem humorada a "crítica" no Agora é Tarde5000 acessosNicko McBrain: pedal duplo é pra caras como Aquiles Priester5000 acessosLzzy Hale: a honestidade salvou seu relacionamento5000 acessosThe Voice: candidato faz power metal cantado em português5000 acessosArch Enemy: Doyle chorou quando Alissa foi chamada para a banda

Sobre Tarcisio Lucas Hernandes Pereira

Tarcisio Lucas é formado em música-licenciatura pela UNICAMP. Fã de praticamente todos os subgêneros do Rock e do Metal, não dispensa também um bom Jazz ou erudito! Entre suas bandas favoritas estão: YES, Sepultura, Marillion, Mythological Cold Towers, Amorphis e Misfits.

Mais matérias de Tarcisio Lucas Hernandes Pereira no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online