RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemEx-guitarrista do Megadeth não liga para Mustaine e diz que está "fazendo dinheiro para ele"

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemSlash se sente feliz por não existir internet nos primórdios do Guns N' Roses

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemOs 4 fatores determinantes que levaram Renato Russo a dependência química

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso


Stamp

Ayreon: "The Source" é para ser escutado do começo ao fim

Resenha - Source - Ayreon

Por Tarcisio Lucas Hernandes Pereira
Postado em 19 de abril de 2017

Nota: 10

Eis que o incansável músico holandês Arjen Lucassen nos apresenta mais um álbum do seu principal projeto musical, o Ayreon. Como sempre, trata-se de uma ópera metal calcada em harmonias complexas, instrumentação variada, com a utilização de vários instrumentos clássicos, melodias épicas e letras que contam uma história de ficção científica absurdamente interessante e bem construída.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Quem der uma olhada na lista de participações especiais do álbum certamente ficará intrigado: Paul Gilbert, Guthrie Govan, Tobias Sammet, Hansi Kurschi, Floor Jansen, Simone Simons, James Labrie, Russel Allen... entre outros igualmente competentes.

E quem apostou que um time desse porte seria incapaz de fazer algo menos que maravilhoso acertou em cheio. O que temos aqui é prog metal da melhor qualidade. Aliás, abro aqui um adendo para falar a respeito da mente criativa de Arjen Lucassen. O cara possui uns 3 ou 4 projetos totalmente diferentes uns dos outros ( Star One, Gentle Storm, Ambeon, Guilty Machine...), e todos, sem exceção são extremamente bem feitos. O homem é uma verdadeira máquina de compor. Isso sem falar nas muitas participações que ele faz, incluindo a banda brazuca Soulspell, em mais de uma ocasião.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Outro fator interessantíssimo do álbum e que deve ser citado aqui é a história que é contada; todos os álbuns do Ayreon, em menor ou maior grau, se passam dentro do mesmo universo ficcional, e ao longo dos anos Arjen foi criando uma história absurdamente interessante e interconectada e que não fica a dever em nada ás grandes sagas de ficção científica que temos nos livros ou nos cinemas. Para o pessoal afiado no inglês, vale muito a pena olhar a letras, e para quem não está, procurem boas traduções na internet.

Trata-se de um álbum duplo, dividido em 4 "Crônicas", da seguinte maneira:

Disco 1
Chronicle 1: The Frame
1. The Day That The World Breaks Down (12:32)
2. Sea Of Machines (5:08)
3. Everybody Dies (4:42)

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Chronicle 2: The Aligning Of The Ten
4. Star Of Sirrah (7:03)
5. All That Was (3:36)
6. Run! Apocalypse! Run! (4:52)
7. Condemned To Live (6:14)

Disco 2
Chronicle 3: The Transmigration
1. Aquatic Race (6:46)
2. The Dream Dissolves (6:11)
3. Deathcry Of A Race (4:43)
4. Into The Ocean (4:53)

Chronicle 4: The Rebirth
5. Bay Of Dreams (4:24)
6. Planet Y Is Alive! (6:02)
7. The Source Will Flow" (4:13)
8. Journey To Forever (3:19)
9. The Human Compulsion (2:15)
10. March Of The Machines (1:40)

Eis aqui alguns destaques:

The day that the World Breaks Down – Aqui temos todos os elementos que fizeram do Ayreon um marco n história do prog metal e das metal operas: passagens viajantes, aliadas à peso, harmonias complexas, melodias épicas, mudanças constantes de ritmos, instrumentação clássica em muitos momentos. Destaque para as vozes de Tobias Sammet e Hansi Kurschi. A parte musical e lirica faz muitas referências à álbuns anteriores. Para quem é fã de carteirinha, fica a divertida tarefa de encontrar todos os "easter eggs" presentes.

Sea of Machines - Música que puxa mais pro folk metal, com um trabalho de vozes simplesmente maravilhoso. Música delicada e pesada ao mesmo tempo.

Star of Sirrah - quem sentir falta de peso, venha aqui; uma paulada, com riffs completamente matadores;

Deathcry of a Race – O casamento perfeito entre o clássico, o rock, o metal, o melódico, o folk, e o que mais você conseguir pensar quando o assunto for misturar estilos diferentes;

Into the Ocean – aqui Arjen deixa a influência de Deep Purple e Rainbow falar mais alto, criando um verdadeiro tributo ao rock n' roll!

Enfim, um álbum para ser escutado do começo ao fim, sem pausas e interrupções.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Line Up:

Arjen Lucassen – Guitars, Bass, Keyboards, Songwriting
Ed Warby – Drums
Joost van den Broek – Piano
Ben Mathot – Violin
Maaike Peterse – Cello
Jeroen Goossens – Wind Instruments


Outras resenhas de Source - Ayreon

Resenha - Source - Ayreon

Resenha - Source - Ayreon

Resenha - Source - Ayreon

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps



Ayreon: a origem da magnifica história do projeto

Ayreon: a terceira parte da magnifica história


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Tarcisio Lucas Hernandes Pereira

Tarcisio Lucas é formado em música-licenciatura pela UNICAMP. Fã de praticamente todos os subgêneros do Rock e do Metal, não dispensa também um bom Jazz ou erudito! Entre suas bandas favoritas estão: YES, Sepultura, Marillion, Mythological Cold Towers, Amorphis e Misfits.
Mais matérias de Tarcisio Lucas Hernandes Pereira.