Matérias Mais Lidas

imagemAs faixas do "Black Album" que James Hetfield e Lars Ulrich não curtem

imagemAs seis músicas do Metallica que Dave Mustaine ajudou a escrever

imagemRaul Seixas: o clássico que presta homenagem ao brega e foi feito com Paulo Coelho

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemAnitta é a maior roqueira que existe hoje no Brasil, diz integrante do Titãs

imagemJanis Joplin: última gravação dela em vida foi feita para um Beatle

imagemAs 10 melhores versões metal de músicas pop dos anos 1980, em lista da Metal Hammer

imagemEdu Falaschi comenta produção "nível banda europeia" da nova turnê e agradece fãs

imagemJoão Gordo relembra proposta de fazer propaganda de calmante com Dado Dolabella

imagemSérgio Moro elege banda clássica de Rock como sua favorita

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemA reação de Jimi Hendrix ao assistir King Crimson ao vivo

imagemMax e Iggor Cavalera: setlists, fotos e vídeos de shows na Audio, em São Paulo

imagemAmy Lee escolhe a melhor música do Evanescence para apresentar a banda

imagemRage Against The Machine cancela turnê europeia por conta de contusão do vocalista


Dream Theater 2022

Pain of Salvation: Como fazer uma obra prima ainda melhor e maior

Resenha - Remedy Lane - Re: visited - Pain of Salvation

Por Marcio Machado
Em 07/01/17

Nota: 10

Não se mexe em time que está ganhando? Uma obra prima é tão perfeita que não se pode melhorar? É exatamente o contrário que Daniel Gildenlow nos mostra, ao lapidar a masterpiece de sua banda, o álbum "Remedy Lane" de 2002 é a obra suprema do Pain of Salvation, tanto que em 2014, sem material novo, Daniel decidiu cair na estrada tocando o disco de cabo a rabo, inclusive passando pelo Brasil no ano seguinte, tocando boa parte do mesmo, ocasião em que fui agraciado em poder conferir de perto o poder dos caras, e que poder eles tem em mãos, Deus! Mas a ideia rendeu tanto, que Gildelow resolveu voltar aos estúdios e regravar o disco da forma que realmente o imaginava, talvez por falta de recursos/dinheiro na época, o álbum não tem o peso e mixagem desejada pelo capitão do barco, agora, anos depois, o vocalista/guitarrista/compositor do PoS se juntou ao produtor Jens Brogen, que já havia sido responsável por "Scarsick" e "Be", entraram no estúdio Fascination Street, estúdio por onde já passaram grandes do Metal Progressivo como, Opeth e Symphony X, e o resultado é a obra prima dos caras colocada em um nível colossal, gigantesco, de se aplaudir de pé até as mãos arderem e ainda será pouco.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Não ache que a elevação das coisas aqui faça com que o feeling todo da versão original se perca, muito longe disso, desde o início em "Of a Two Beginnings" ao final com "Beyond the Pale", toda a amargura, ressentimento, corações partidos, melancolia da história contada ali pode ser sentida, apalpada na verdade, graças a interpretação de nosso carismático frontman, e logo em seus primeiros acordes já notamos a diferença da nova versão, com realce nos teclados, um baixo presente, e peso, quanto peso desfila por aqui, fato esse que pode ser palpável nos primeiros acordes de "Ending Theme" e na quebrada "Fandango", que final é esse hein?! E peso continua de sobra por aqui, em "A Trace of Blood" e "Rope Ends", essa última inclusive sendo a primeira a ser divulgada da nova versão do disco, e que corpo ela ganhou, esse baixo...

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas não só na parte pesada do disco notamos a diferença, nas partes mais lentas, as melhoras estão presentes também, "Undertown", "Chains Sling" e "Second Love" ganharam realces em cada dedilhado, que soam cristalinos, sendo possível notar cada uma das palhetadas nas cordas e cada mudança de acorde, que coisa linda de se ouvir!

Há de se falar também da mudança na capa, que ganhou um tom mais escuro, mais a caráter do conteúdo proposto e também da mudança na formação entre as duas versões, que inclusive contava com o irmão de Daniel, Kristoffer Gildenlow no baixo, e como a atual reproduziu milimetricamante a obra original, soando como o álbum de 2002 e captando todo aquele sentimento da época de composição.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E o pacote ainda conta um disco ao vivo, gravado em um show no festival PowerProg, em 2014 e nos mostra como a banda consegue soar tão bem ao vivo como no estúdio, sem dever nada e retrata um pouco do poder que citei no começo do texto.

Um aperitivo para o novo trabalho que vem chegando no próximo dia 13 e já deixa ansioso com as duas músicas lançadas do mesmo. Um belo presente para os fãs, um ótima oportunidade para quem quer se familiarizar com a banda, ou simplesmente para quem seja adorador da boa música, e aqui a encontramos em sua melhor forma. Simplesmente, espetacular!

A regravação de "Remedy Lane" contou com a atual formação do Pain of Salvation, que conta com:

Daniel Gildenlöw – Vocals, Guitarras
Ragnar Zolberg – Guitarras, Vocals
Daniel "D2" Karlsson – Teclados
Gustaf Hielm – Baixo, Vocals
Léo Margarit – Bateria, Vocals

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Prog Metal: os 10 discos essenciais segundo o TeamRock

Metal Progressivo: os dez melhores álbuns do estilo

Pra ouvir e discutir: os melhores discos lançados em 2002

Gibson: os 50 melhores covers da história do rock

Nirvana: Dave Grohl comenta sobre o funeral de Kurt Cobain


Sobre Marcio Machado

Estudante de história, apaixonado por cinema e o bom rock, fã de Korn, Dream Theater e Alice in Chains. Metido a escritor e crítico.

Mais matérias de Marcio Machado.