Alter Bridge: entregando aos fãs mais uma épica viagem musical

Resenha - Last Hero - Alter Bridge

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por João Victor Oliveira
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Após se consolidar de vez como uma das melhores bandas da nova cena do Hard Rock/Metal com o épico "Fortress", o Alter Bridge tinha a dura missão de se reinventar novamente mantendo a excelência em seu 5º álbum de estúdio, "The Last Hero", lançado em 07 de outubro. E o resultado não poderia ser diferente do que já estávamos acostumados: canções cativantes e únicas, a mescla perfeita do peso do Metal com a melodia do Hard Rock, e mais uma vez um show a parte protagonizado por uma das melhores duplas da atualidade: Myles Kennedy e Mark Tremonti, que juntos à Scott Phillips e Brian Marshall definitivamente tornaram "The Last Hero" um álbum único e memorável.

5000 acessosMyles Kennedy: para ele, GNR prova que o rock não está morto5000 acessosListas: 10 melhores bandas da era pós-Nirvana

O Alter Bridge novamente optou por sair da zona de conforto mudando sua sonoridade, e desta vez a banda resgatou um pouco da essência de álbuns anteriores introduzindo novos elementos à sua sonoridade. Porém, os fãs dos dois primeiros discos da banda podem se decepcionar um pouco, pois esses álbuns anteriores citados são "AB III" e "Fortress". Ainda que hajam, são pouquíssimos os momentos em "The Last Hero" que lembram "One Day Remains" e "Blackbrid".

Logo no começo temos "Show Me A Leader", que abre o álbum de forma épica e destruidora. Isso porque a banda novamente optou por colocar a introdução do álbum na primeira música, ao invés de ser numa faixa separada. A intro inicia-se sombria com um dedilhado de Myles que se estende à um inacreditável solo marcando de cara o primeiro momento do álbum como um dos melhores. Após a intro temos de fato o começo de "Show Me A Leader", que causa surpresa pela vibe mais cativante vista nos três primeiros álbuns da banda, e deixada um pouco de lado no "Fortress" - que possuía músicas mais sérias.

"The Writiing On the Wall" segue a linha da anterior, porém com versos mais bem trabalhados e um refrão menos simples e mais grudento. Destaque para o vocal de Myles Kennedy, que se mostra em total sintonia com o restante da banda.

"The Other Side" é o primeiro grande destaque do álbum. É basicamente uma mistura do instrumental sombrio e pesado do "Fortress" com a vibe do "AB III" no refrão. Uma música que deixará qualquer fã de Alter Bridge com um sorriso no rosto. Inicia-se com um riff obscuro e se arrasta com um instrumental pesado e versos lentos, que lembram Alice in Chains. Mas a surpresa vem quando chega o pré-refrão e consequentemente o refrão, que elevam a música à outro patamar e a torna uma das melhores do álbum. E ainda tem mais: a ausência de um solo praticamente não faz falta, pois no lugar disso temos um breakdown tão incrível quanto o refrão, que mantém a música em altíssimo nível.

"My Champion" é a primeira balada do álbum e um dos principais singles. Uma música que vai aumentando o ritmo aos poucos até chegar em um dos melhores refrões do álbum. Se tivesse que resumi-la em uma única palavra, eu usaria a palavra "marcante".

"Poision In Your Vains" não empolga por ser um pouco genérica e não fazer jus a qualidade das quatro primeiras faixas. Não chega a ser uma música ruim, até possui harmonias criativas e um solo competente, mas devido à alta qualidade das quatro primeiras, poderia ter sido melhor.

"Cradle to the Grave" é um dos ápices do álbum. Essa sim faz jus a qualidade das quatro primeiras, e melhor, supera qualquer uma delas. É uma música surpreendente e incrivelmente marcante, que incorpora elementos totalmente novos no som do Alter Bridge. Começa com uma introdução meio sinfônica e acústica que se estende a um riff inicial que causa arrepios, por conseguir ser pesado e épico ao mesmo tempo. A virada de ritmo após o riff inicial é incrível, com uma linha acústica ótima. Os versos, o refrão, o solo e todo o resto da música são impecáveis, e Mark Tremonti definitivamente consegue se destacar de forma surpreendente. Até aqui, é a melhor música do álbum.

"Losing Patience" segue mantendo o ritmo do álbum em altíssimo nível. Tem uma estrutura parecida com "The Writing On the Wall", sendo um pouco mais séria, e com riffs melhores. O refrão é inspirador, e o vocal de Myles mais uma vez se sobressai.

Em seguida temos "This Side of Fate", que explora o lado progressivo da banda adotado em "Fortress". Uma verdadeira viagem musical, com várias mudanças de ritmo, um dos melhores solos de Tremonti no álbum e o inacreditável vocal de Myles deixando as partes progressivas memoráveis. E o que dizer da parte calma onde o vocal de Myles se isola na música com o violão? Um dos momentos mais incríveis do álbum, mostrando perfeitamente a versatilidade do Alter Bridge como banda, o único erro foi ser uma parte tão curta. Ainda que o refrão tenha deixado a desejar por ser previsível demais, "This Side of Fate" consegue facilmente entrar no Top 5 das melhores do álbum.

"You Will Be Remembered" vem pra acalmar os ânimos sendo a segunda balada do álbum, com mais um refrão inspirador e partes memoráveis. Chega a lembrar o "Blackbird" em diversos momentos.

"Crows on a Wire" mantém a vibe pesada do álbum com uma bateria potente e Tremonti se destacando novamente com mais um ótimo solo. Possui um dos refrões mais grudentos do álbum.

E não poderia faltar uma música pesada com grande presença do acústico, característica marcante do Alter Bridge. "Twilight" não passa em branco e lembra o "AB III" em praticamente todos os momentos.

Chegando quase no final, temos "Island of Fools", que define bem a identidade de "The Last Hero": um Alter Bridge mais pesado e mais cativante do que nunca. Começa com uma introdução que já deixa o ouvinte surpreso logo de cara, e se estende a um dos riffs mais pesados do álbum, totalmente imprevisível. Os versos e refrão são surpreendentes, e o riff que antecede o solo vai deixar qualquer um de boca aberta, totalmente inimaginável, épico, e claro, pesado. O solo principal e o de encerramento só comprovam o que todos já devem saber: Mark Tremonti é um dos melhores guitarristas da atualidade. "Island of Fools" surpreende pelo peso e a melodia, e também é Top 5 do álbum.

Dizem que o melhor de qualquer coisa é deixado pro final, e pelo menos no novo álbum do Alter Bridge isso se comprova. A faixa-título de "The Last Hero" não é só a melhor do álbum, mas também uma das melhores músicas, se não a melhor, que o Alter Bridge já fez. Eu definitivamente passaria meses tentando descrever a perfeição dessa música e ainda não conseguiria por completo. "The Last Hero" é épica, marcante, pesada, e ÚNICA. Faltam palavras pra tentar explicar como diabos eles conseguiram fazer essa música. Tudo, absolutamente tudo nessa música, é PERFEITO. E olha que eu sou muito, mas muito rigoroso com a palavra "perfeição". A introdução lenta, a insanidade do riff principal, o vocal de Myles Kennedy, o refrão, os solos de Tremonti, é tudo absolutamente épico e inacreditável. É aquele tipo de música que não dá pra explicar, apenas sentir. Melhor riff do álbum, melhor solo, melhor performance vocal, melhor refrão, melhor melodia. E assim, "The Last Hero" se encerra da melhor forma possível, com uma verdadeira obra-prima em forma de canção.

E ainda temos a faixa-bônus "Last of Our Kind", que injustamente foi colocada como bônus, pois é uma das melhores do álbum. Mesmo com um refrão meia-boca, a música possui riffs incríveis e um dos melhores solos do álbum. Uma verdadeira aula de guitarra com feeling por Mark Tremonti (certamente não só nessa música, mas como no álbum inteiro).

Pelos singles divulgados antes do lançamento, "The Last Hero" tinha tudo pra não ser um dos melhores álbuns do Alter Bridge. Mas depois de ouvir o álbum por completo diversas vezes e me surpreender a cada audição, chego a conclusão de que sim, é um dos melhores álbuns da banda, se não o melhor. "The Last Hero" é uma épica viagem musical (mais uma). Tem momentos pesados, calmos, emocionantes, e tudo isso sem perder a essência do Alter Bridge. É tudo o que se espera de uma das melhores bandas do século. 2016 já tem um candidato a melhor álbum do ano.

1 - Show Me a Leader
2 - The Writing On the Wall
3 - The Other Side
4 - My Champion
5 - Poison In Your Vains
6 - Cradle to the Grave
7 - Losing Patience
8 - This Side of Fate
9 - You Will Be Remembered
10 - Crows on a Wire
11 - Twilight
12 - Island of Fools
13 - The Last Hero
14 - Last of Our Kind (faixa-bônus)

Comente: O que você achou do novo álbum do Alter Bridge?

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Last Hero - Alter Bridge

1372 acessosAlter Bridge: Um dos melhores discos de 20162885 acessosAlter Bridge: Álbum eleva o nível musical da aclamada banda3651 acessosAlter Bridge: Mais melódico e surpreendente em "The Last Hero"

Myles KennedyMyles Kennedy
Para ele, Guns N' Roses prova que Gene Simmons está errado

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Alter Bridge"

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Kevin Bacon e Myles Kennedy

Myles KennedyMyles Kennedy
Sem esperanças do Rock voltar a topo das paradas

Alter BridgeAlter Bridge
Myles Kennedy compara Tremonti e Slash

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 23 de outubro de 2016

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Alter Bridge"

ListasListas
As 10 melhores bandas da era pós-Nirvana

Duff McKaganDuff McKagan
Pelado com a esposa em foto para a PETA

Bandas jovensBandas jovens
Conheça 5 que estão a fim de quebrar as barreiras do rock

5000 acessosMetal: as oito maiores tretas entre músicos do gênero5000 acessosMetallica: se encontrar James Hetfield, não peça para bater uma foto5000 acessosVocalista: dez razões pelas quais os demais integrantes o odeiam5000 acessosDarkthrone: Fenriz fala sobre Sepultura, Sarcófago, Gal Costa e Caetano Veloso5000 acessosNapalm Death: o vídeo-clipe mais curto do mundo5000 acessosParamore: o que acontece quando você ouve uma música a 33rpm?

Sobre João Victor Oliveira

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online