Matérias Mais Lidas

imagemO hit da Legião Urbana cuja letra fala sobre esperança de Renato em se curar da AIDS

imagem"Babá de Artista" do Rock in Rio diz que Iron Maiden não dá trabalho e são "gentleman"

imagemTom Morello explica por que o RATM se reúne, mas não lança novas músicas

imagemMax e Iggor convidam Jairo, detonam no Rio e alfinetam: "Verdadeiro Sepultura"

imagemA lenda do Rock que se arrepende de nunca ter dormido com Jimi Hendrix

imagemMetallica e as duas músicas do "Black Album" que retratam traumas de James Hetfield

imagemNando Reis e a enigmática música que ele queria usar para seduzir Marisa Monte

imagemDinho lembra quando entrevistou Robert Plant sem poder falar sobre Led Zeppelin

imagemQuando Slash tentou entrar pro Kiss mas foi rejeitado por um motivo cruel

imagemPearl Jam: guitarrista se empolga e destrói equipamento e site faz conta do prejuízo

imagemPodcast diz que prática comum no black metal hoje seria "coisa de esquerdomacho"

imagemO hit dos Engenheiros do Hawaii com citação de canção soviética sobre defender a pátria

imagemPink Floyd: Roger Waters relembra a última vez que viu Syd Barrett

imagemRoger Waters defende Rússia e China e ataca EUA em entrevista

imagemPrika explica critérios para entrar na Nervosa: "Fascista na minha banda não toca!"


Dream Theater 2022

Frente Niilista: 11 faixas em 28 minutos, uma verdadeira explosão

Resenha - FN - Frente Niilista

Por D. Boon
Em 01/10/16

Nota: 7

Quando falamos de música punk, rapidamente nos conectamos com aquelas pauleiras de menos de um minuto, sem nada de solos e com letras bobas e, às vezes, até um pouco mal elaboradas. Nesse sentido, esta banda foge um pouco desse convencional. Embora o punk seja feito para ser simples, não necessariamente precisa ser mal feito.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

A Frente Niilista é uma banda formada em 2012, na cidade de Piracicaba, interior do Estado de São Paulo, por três jovens: Rafael (baixo/voz), Vinicius (guitarra/voz) e Esgalha (batera/voz). Logo de cara, não damos muita atenção ao álbum... porém, à medida em que o CD avança, a gente se surpreende. A maioria das letras é bem escrita e nos instrumentais também foi feito um trabalho legal.

Track-list:
1. Eu Não Quero Mais (2:32)
2. Ei, Humanidade (2:34)
3. Brian Deneke (2:24)
4. Henrike, o Punk (2:55)
5. Fim Da Estrada (2:32)
6. De Cabeça Pra Baixo (3:54)
7. Once de Septiembre (1:35)
8. Mais Bebida (1:21)
9. Se Eu Morresse Por Um Dia (2:40)
10. A Sua Salvação (2:54)
11. Qual o seu Medo? (2:34)

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

"Eu Não Quero Mais" soa mais como um grito de fúria adolescente contra algum padrão estabelecido.

"Ei, Humanidade" (que conta com um solo até um pouco engraçado) abre espaço para uma reflexão um pouco polêmica, de que, talvez, ainda nos encontremos sob uma ditadura -- não uma ditadura opressora nos moldes tradicionais tal como conhecemos, mas uma ditadura no sentido de que a sociedade está modelada em uma forma da qual dificilmente iremos sair; ou seja, a ditadura do pré-estabelecido.

"Brian Deneke" é um grito de justiça contra o preconceito, mais precisamente o preconceito contra os punks, os alternativos. Para quem não sabe, Brian Deneke era um jovem punk que foi assassinado aos 19 anos de idade. Isso ocorreu no Texas, EUA. Como a justiça na época mostrou-se falha, com um jovem punk assassinado e um bully solto pela justiça, ergueu-se não apenas nos EUA, mas em todo mundo, uma discussão em torno da impunidade. Nesta música da Frente Niilista, a banda grita: "um jovem garoto foi assassinado sem motivo nenhum, mas ele era muito mais do que um simples punk, ele era um ser humano."

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

"Henrike, o Punk" é uma letra que conta a história de um jovem punk que, para ganhar a vida, tem que abaixar o moicano, adotar roupas convencionais e procurar um trabalho. É um dos pontos fortes do álbum. Com apenas 4 acordes, este som é tocado no mais puro punk 77.

"Fim da Estrada" é uma música cantada pelo guitarrista. O instrumental é ao estilo de Ramones, mas a letra, marcada por um ar bem negativo, tem muita influência do grunge de Nirvana e Alice in Chains.

"De Cabeça Para Baixo" é, sem dúvida, uma crítica política. Mostra a revolta dos brasileiros que estão cansados não só do descaso que vem por parte de políticos corruptos, mas também da violência desenfreada que corre pelas cidades brasileiras. A música faz também uma crítica aos políticos que usam a violência para se auto promover. É a faixa mais longa do álbum, com quase 4 minutos. Nesta som, a banda mixou um discurso de Geraldo Alckmin, feito lá por volta dos anos 2000. Muito legal! Outro ponto forte do álbum.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

"Once de Septiembre" é uma música muito boa também. Embora muitas pessoas pensem que o 11 de setembro se refira ao atentado em NY, nas torres gêmeas do World Trade Center, na verdade o 11 de setembro da música se refere ao golpe militar no Chile, durante o governo de Salvador Allende, no começo da década de 70.

"Mais Bebida" é uma das músicas que trazem aquele humor sarcástico do punk. É a música mais curta do álbum, com apenas 1:20 minuto. De tão simples que é, acabou tornando-se um dos clássicos da banda piracicabana.

Até aqui, o álbum se mantém forte. Daqui pra frente, o álbum entra numa certa decadência artística. As três últimas faixas do álbum são: "Se Eu Morresse Por Um Dia", "A Sua Salvação" e "Qual o Seu Medo", e definitivamente essas três últimas faixas não são tão empolgantes como as outras -- mas ainda assim são legais.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

São 11 faixas em 28 minutos... uma verdadeira explosão.

Atualmente a banda está com uma nova formação (apenas o baixista e vocal continua).

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O Suprassumo do Superestimado: os 11 mais (ou menos) nacionais

Iron Maiden: o vocal que quase substituiu Bruce Dickinson em 93