Black Sabbath: EP marca o fim de uma era

Resenha - End - Black Sabbath

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Pagliaro Thomaz
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O Black Sabbath acabou. É com grande pesar que eu escrevo estas palavras. Ninguém morreu, nem nada, mas a banda acabou, resolveu encerrar as atividades após décadas na estrada e um enorme hiato que terminou com o último CD do grupo, 13.

Black Sabbath: "The Wizard" na trilha sonora da série Peaky BlindersSuzi Quatro: a importância da linda baixista para o rock

Para presentear os fãs que foram prestigiar a derradeira turnê da banda, eles distribuíram este EP de encerramento com sobras de 13, intitulado apropriadamente de The End.

Eu jamais imaginei que veria este dia chegar. Estamos ficando sem nossas referências musicais. O Sabbath é uma banda que fez escola no gênero Heavy Metal, um grupo que, sem ele, muita banda atual não existiria. Eu sempre preferi a fase Dio do Sabbath, mas mesmo assim me dói ver que esses caras estão dispostos a terminar tudo. Te dá um tremendo vazio, especialmente se você pensar que nenhuma outra banda mais atual terá um caráter tão revolucionário na música mundial quanto eles. Raríssimas bandas mais atuais terão tanto apelo, aquele tipo de atitude que te deixa em êxtase, dizendo "nossa, o Sabbath vai tocar aqui, puts, preciso ir!"

O EP, lançado em 20 de Janeiro, traz quatro faixas inéditas que não entraram em 13, e mais quatro performances ao vivo, totalizando oito faixas. Das faixas de estúdio, as que eu mais curti são a primeira, "Season of the Dead", que tem bem aquela levada rítmica característica do Sabbath e os riffs sempre criativos de Iommi, e a segunda, "Cry All Night", que soa como uma típica música solo do Ozzy. As outras duas tem momentos bons, como o refrãozinho de "Isolated Man", mas soam mais como sobras mesmo.

Das faixas ao vivo, a única mais antiga que temos é "Under The Sun", faixa do álbum Vol. 4, o restante, são todas versões ao vivo de faixas do álbum 13, destacando-se especialmente "End Of The Beginning". Ou seja, no fim das contas, este EP é bacana de se adquirir, especialmente para o fã, mas representa somente uma lembrança, um souvenir; um troféu para quem pôde comparecer à última turnê do grupo e também para quem é fã mesmo. O EP foi primeiramente distribuido só nos shows da turnê The End, mas depois passou a ser comercializado em sites como Amazon.com, e ainda não está a venda no Brasil.

Pois é. Este EP marca a saída de cena do Sabbath, o apagar das luzes, o afastamento dos holofotes, dos amps, dos palcos. O fim de uma era. Quem viu, viu. Quem não viu, não verá mais. Ainda dá tempo, existem datas de shows marcados para até o início do ano que vem, mas depois disso, eles saem de cena mesmo. Triste. Mas eu agradeço à banda, por anos de música pesada e enérgica, pela inspiração e pelas emoções. Em meio a um ano ingrato, onde vemos diversas de nossas referências artísticas indo embora, seja pelas mais diversas razões, eu fico muito contente que o Sabbath esteja apenas terminando as atividades, e não nos deixando por motivos mais trágicos.

Valeu Ozzy Osbourne, Tonny Iommi, Geezer Butler! E também a todos os outros ex-membros da banda, Bill Ward, Ronnie Dio, Ian Gillan, Glenn Hughes, Cozy Powell, e até mesmo ao criticado Tony Martin, que teve uma longeva fase. São, e sempre serão uma das bandas de hard rock e heavy metal mais importantes da história, aliás, a mais icônica de todas e a mais essencial, pois sem eles, nada teria existido posteriormente em termos de música pesada, e entrarão para a história como os artistas inovadores que sempre procuraram ser.

The End (2016)
(Black Sabbath)

Tracklist:
01. Season Of The Dead
02. Cry All Night
03. Take Me Home
04. Isolated Man
05. God Is Dead (Live Sydney, Australia 4/27/13)
06. Under The Sun (Live Auckland, New Zealand 4/20/13)
07. End Of The Beginning (Live Hamilton, ON Canada 4/11/14)
08. Age Of Reason (Live Hamilton, ON Canada 4/11/14)

Selo: BS Productions Limited

Black Sabbath é:
Ozzy Osbourne: voz
Tony Iommi: guitarra, violão
Geezer Butler: baixo

Músicos adicionais:
Brad Wilk: bateria
Adam Wakeman: teclados (faixas 5-8)
Tommy Clufetos: bateria (faixas 5-8)

Discografia anterior:
- 13 (2013)
- Forbidden (1995)
- Cross Purposes (1994)
- Dehumanizer (1992)
- Tyr (1990)
- Headless Cross (1989)
- The Eternal Idol (1987)
- Seventh Star (1986)
- Born Again (1983)
- Mob Rules (1981)
- Heaven and Hell (1980)
- Never Say Die! (1978)
- Technical Ecstasy (1976)
- Sabotage (1975)
- Sabbath Bloody Sabbath (1973)
- Vol. 4 (1972)
- Master of Reality (1971)
- Paranoid (1970)
- Black Sabbath (1970)

Site oficial: www.blacksabbath.com

Para mais informações sobre música, filmes, HQs, livros, games e um monte de tralhas, acesse também meu blog:
http://acienciadaopiniao.blogspot.com.br

Comente: Foi a hora correta para o Sabbath encerrar as atividades ou deveriam seguir em frente?


Outras resenhas de End - Black Sabbath

Black Sabbath: EP "The End" traz boas sobras passadas




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Black Sabbath"


Black Sabbath: "The Wizard" na trilha sonora da série Peaky Blinders

Black SabbathBlack Sabbath
Divulgada suposta primeira aparição do mascote da banda

Heaven & HellHeaven & Hell
Divulgado vídeo raro de última sessão de autógrafos de Dio

Black Sabbath: em 1990, Tony Martin mostra todo seu potencial

Solos de guitarra estendidosSolos de guitarra estendidos
Os melhores feitos em shows ao vivo

Black SabbathBlack Sabbath
Banda na trilha sonora da nova temporada de Peaky Blinders

Black SabbathBlack Sabbath
25 anos de um álbum subestimado

Black SabbathBlack Sabbath
Cena em Ultimato com "Iron Man" fica épica

Bill McClintock: Metallica + Black Sabbath + Dokken + Herb Alpert

Black SabbathBlack Sabbath
Os crucifixos surgiram por causa de uma maldição

Black Sabbath: Gastão Moreira analisa o Master of Reality

SpotifySpotify
As bandas de hard rock e metal mais ouvidas no último mês

Black SabbathBlack Sabbath
Box-set com 9 discos sai em setembro

Collectors Room: os discos que marcaram a carreira de Dio (vídeo)

Black SabbathBlack Sabbath
Tony Martin fala de Iommi em trecho de autobiografia

Metal RulesMetal Rules
Site lista os 5 melhores álbuns de reestréia

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
"Pessoas morreram fazendo a metade do que eu fiz!"

Heavy MetalHeavy Metal
Fãs sofrem mais de ansiedade e depressão?


Suzi QuatroSuzi Quatro
A importância da linda baixista para o rock

KissKiss
Sobre Secos e Molhados: "Há quem acredite em OVNIs!"

Corey TaylorCorey Taylor
Sonhando com sexo grupal com Lita Ford e Doro Pesch

As regras do Punk RockAxl Rose: Afinal de contas, o que houve com sua voz?Greta Van Fleet: o conselho musical que Elton John deu à bandaSepultura: Paródia da música "Ratamahatta" com Hermes e Renato

Sobre Ricardo Pagliaro Thomaz

Roqueiro e apreciador da boa música desde os 9 anos de idade, quando mamãe me dizia para "parar de miar que nem gato" quando tentava cantarolar "Sweet Child O'Mine" ou "Paradise City". Primeiro disco de rock que ganhei: RPM - Rádio Pirata ao Vivo, e por mais que isso possa soar galhofa hoje em dia, escolhi o disco justamente por causa da caveira da capa e sim, hoje me envergonho disso! Sou também grande apreciador do hardão dos anos 70 e de rock progressivo, com algumas incursões na música pop de qualidade. Também aprecio o bom metal, embora minhas raízes roqueiras sejam mais calcadas no blues. Considero Freddie Mercury o cantor supremo que habita o cosmos do universo e não acredito que há a mínima possibilidade de alguém superá-lo um dia, pelo menos até o dia em que o Planeta Terra derreter e virar uma massa cinzenta sem vida.

Mais matérias de Ricardo Pagliaro Thomaz no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336