Bon Jovi: Os 30 anos do radiofônico "Slippery When Wet"

Resenha - Slippery When Wet - Bon Jovi

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Igor Miranda
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Antes de "Slippery When Wet", o Bon Jovi era uma boa banda de hard rock. Tinha seus momentos, mas, no geral, o grupo fazia um tipo de som não tão comercial. Por vezes melódico demais, o quinteto apostou, em seus dois primeiros discos, em passagens manjadas e produções oitentistas demais, com teclado na linha de frente e músicas de trabalho indefinidas.

2247 acessosGNR: até agora, a banda que mais faturou com shows em 20175000 acessosCâncer na língua: entenda a doença de Bruce Dickinson

O diferencial do Bon Jovi só veio em "Slippery When Wet", lançado em 18 de agosto de 1986. E não foi apenas em função dos músicos envolvidos: o produtor Bruce Fairbairn e o compositor Desmond Child fizeram a diferença em todo o processo. Ambos os profissionais deram a orientação pop que o grupo precisava para atingir o objetivo de estourar mundialmente.

Conscientes de que a medida poderia transformar a banda em uma potência do rock, os músicos do Bon Jovi não economizaram em empenho. Com Desmond Child, o grupo compôs 30 músicas e as tocou para adolescentes de Nova Jersey e Nova York. A ideia era ter a opinião deles, que, até então, formavam a base de fãs.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Com um norte mais definido, a banda intensificou os trabalhos e chegou ao resultado final, com 10 hits em potencial. Parece exagero, mas não é: em "Slippery When Wet", todas as canções poderiam ser lançadas como single.

A evolução do Bon Jovi em "Slippery When Wet" não acontece só no repertório, como também na execução. Jon Bon Jovi usa melhor a própria voz, Richie Sambora passa a desenvolver ganchos e riffs de guitarra como ninguém - além de aparecer mais como backing vocal principal -, David Bryan parece aprender os momentos ideais para que seu teclado apareça e tanto o baixista Alec John Such quanto o baterista Tico Torres fazem o que uma cozinha deve fazer: dar sustentação.

Após uma introdução climática de quase um minuto, com guitarra e teclados, a pesada "Let It Rock" abre o disco. A faixa não resume a proposta de "Slippery When Wet", justamente por ser a mais densa da tracklist em pegada, performance e tonalidade. Boa música.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Na sequência, o hino arena rock "You Give Love A Bad Name" mostra o diferencial da presença de Desmond Child. A canção, feita por ele originalmente para Bonnie Tyler, chegou a ser lançada com versos diferentes e o título "If You Were a Woman (And I Was a Man)". Não fez sucesso. Nas mãos do Bon Jovi, a música parece ter se encontrado - e o próprio Bon Jovi, aqui, encontrou a sua fórmula ideal, que é trabalhar o hard rock no limite aceitável do pop.

O mega-hit "Livin" On A Prayer", que vem a seguir, quase não entrou no disco. Jon Bon Jovi não estava convencido de que a música era boa o suficiente, mas Richie Sambora insistiu que a canção deveria entrar. Entrou e fez história, pois é o single de maior sucesso da história do grupo.

As duas próximas faixas destacam Richie Sambora. Enquanto a boba/divertida "Social Disease" evidencia a pegada de Sambora na guitarra, a climática "Wanted Dead Or Alive" mostra como o músico é preciso no violão. Apesar de ter se tornado um dos momentos de Sambora nos palcos, a canção foi feita em boa parte por Jon Bon Jovi, que admitiu, durante um show em 2008, que se inspirou bastante em "Turn The Page", de Bob Seger, durante o processo de composição.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

"Raise Your Hands" reúne todos os clichês possíveis em sua letra e, ainda assim, é divertida. O riff principal, o refrão pegajoso e o instrumental do solo de guitarra se destacam por aqui. Guiada pelos teclados de David Bryan, a semi-balada "Without Love" poderia ter um refrão melhor, mas é uma boa canção.

Arena rock de primeira, "I"d Die For You" é o momento que mais remete aos dois primeiros discos do Bon Jovi, especialmente por ser comandada pelos acordes cheios de David Bryan. Na sequência, a arrastadíssima balada "Never Say Goodbye" e a grudenta "Wild In The Streets" dão um fim tipicamente oitentista a "Slippery When Wet" - são duas músicas claramente datadas, mas ainda assim atraentes.

"Slippery When Wet" foi um disco planejado para seu fim: fazer muito sucesso. O trabalho chegou ao topo das paradas de sete países, incluindo os Estados Unidos, onde mais de 12 milhões de cópias foram vendidas até os dias de hoje. Estima-se que o número mundial de comercializações gire em torno de 30 milhões. Foi o início da construção de uma potência no rock.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Em uma década de excessos, o Bon Jovi mostrou, com "Slippery When Wet", que a fórmula do sucesso não muda - e ela não aborda os virtuosismos instrumentais/vocais que algumas bandas de hard rock daquela época apresentavam. Por mais que este álbum reproduza clichês à exaustão, basta saber como fazer boas músicas. Será difícil não agradar dessa forma.

Bon Jovi - "Slippery When Wet"
Lançado em 18 de agosto de 1986

Jon Bon Jovi (vocal, guitarra, violão)
Richie Sambora (guitarra, violão)
Alec John Such (baixo)
Tico Torres (bateria)
David Bryan (teclados)

1. Let It Rock
2. You Give Love A Bad Name
3. Livin" On A Prayer
4. Social Disease
5. Wanted Dead Or Alive
6. Raise Your Hands
7. Without Love
8. I"d Die For You
9. Never Say Goodbye
10. Wild In The Streets

Comente: Este álbum é o ponto alto do Bon Jovi ou é pop demais?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Slippery When Wet - Bon Jovi

4793 acessosBon Jovi: Quando faziam músicas decentes5000 acessosTradução - Slippery When Wet - Bon Jovi

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 20 de agosto de 2016

Guns N RosesGuns N' Roses
Até agora, a banda que mais faturou com shows em 2017

809 acessosJon Bon Jovi: ele receberá prêmio por suas ações filantrópicas0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Bon Jovi"

Jon Bon JoviJon Bon Jovi
Convencendo George Lucas a autorizar nome

RosieRosie
A saga do nome, quase sempre ligado à putaria no Rock

Golpe BaixoGolpe Baixo
Bon Jovi no ritmo do "Camaro Amarelo"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Bon Jovi"

Câncer na línguaCâncer na língua
Entenda a doença de Bruce Dickinson

CinemaCinema
O melhor e o pior dos rockstars em filmes

QueenQueen
10 coisas que você não sabe sobre Bohemian Rhapsody

5000 acessosHistória do rock: Sexo bizarro, drogas, mortes e outros boatos5000 acessosRock Brasileiro da Década de 705000 acessosO Clube dos 27: 17 roqueiros que sucumbiram à idade fatídica5000 acessosDisco Novo Pra Quê?: Catálogo do Metallica explodiu em 20155000 acessosDrogas: 10 músicos que surpreendentemente sobreviveram aos abusos5000 acessosOzzy Osbourne: como seria se ele regravasse "Highway to Hell"?

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013 – apesar de ainda manter por lá uma coluna semanal, chamada Cabeçote.

Mais informações sobre Igor Miranda

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online