Matérias Mais Lidas

imagemO hit da Legião Urbana cuja letra fala sobre esperança de Renato em se curar da AIDS

imagemMax e Iggor convidam Jairo, detonam no Rio e alfinetam: "Verdadeiro Sepultura"

imagemA lenda do Rock que se arrepende de nunca ter dormido com Jimi Hendrix

imagemTom Morello explica por que o RATM se reúne, mas não lança novas músicas

imagemNando Reis e a enigmática música que ele queria usar para seduzir Marisa Monte

imagemPodcast diz que prática comum no black metal hoje seria "coisa de esquerdomacho"

imagemPink Floyd: Roger Waters relembra a última vez que viu Syd Barrett

imagemQuando Slash tentou entrar pro Kiss mas foi rejeitado por um motivo cruel

imagemO hit dos Engenheiros do Hawaii que faz uma dura crítica à panelinha do rock nacional

imagemA sincera resposta de João Gordo para quem o acusa de ser "traidor do movimento"

imagemLulu Santos diz que "a hora é agora" para manifestações no Rock in Rio

imagemPrika explica critérios para entrar na Nervosa: "Fascista na minha banda não toca!"

imagemO sensato conselho que Lulu Santos deu para o novato Herbert Vianna

imagemDez clássicos do rock e do heavy metal que não têm bateria

imagemBittencourt começou a fazer tai chi chuan no camarim após beque de Mariutti bater forte


Stamp

Nervosa: Consolidando nome dentre grandes do thrash contemporâneo

Resenha - Agony - Nervosa

Por Junior Frascá
Em 16/06/16

Nota: 9

Agora já com uma carreira estabilizada no underground nacional e internacional, a NERVOSA retorna com tudo em seu segundo trabalho, calando a boca de quem achava que se tratava de um grupo sem talento e que ficaria apenas no debut "Victim of Yourself", e colocando de vez o nome da banda dentre as melhores do thrash metal contemporâneo.

Com um thrash metal vigoroso e brutal, na linha de bandas como SLAYER, EXODUS, KREATOR e DESTRUCTION, e trazendo cada vez mais influências de death metal, as meninas mostram um poder de fogo inquestionável. E dessa vez contando com a produção de Brendan Duffey, e mixagem e masterização de Andy Classen, conseguiram superar o debut, e lançarem um dos grandes discos do estilo em 2016.

A formação da banda foi mantida, com Prika Amaral nas guitarras, Fernanda Lira no baixo e vocais, e Pitchu Ferraz na bateria, e mostrando que o tempo de estrada fez bem, pois o nível técnico e de composição aqui apresentado é de tirar o chapéu.

Embora diretas e sem concessões, as composições são todas muito trabalhadas, com arranjos diversificados e trazendo latentes influências variadas, mas encaixadas de forma que não soe forçado ou fora de contexto, e mantendo uma identidade sonora, que é o mais importante.

Todas as faixas são ótimas, mas vou citar aqui minhas preferidas: "Deception", com várias mudanças de andamento, e que mostra toda o alto nível técnico das composições que mencionei acima; "Intolerance Means War", a primeira música de trabalho, com uma ótima letra; "Cyberwar", com um toque de metal tradicional e uma levada bem interessantes; e "Guerra Santa", um verdadeiro caos em forma de música, com a letra em português, criticando a intolerância religiosa.

Assim, pode preparar o pescoço, pois o negócio aqui é da melhor qualidade, sendo mais um claro exemplo de uma banda que orgulha nosso país pela luta em prol de um estilo tão marginalizado, colhendo ótimos frutos graças à determinação e ao talento, nada mais.

Agony - Nervosa
(2016 – Shinigami Records - Nacional)

Formação:
Prika Amaral - Guitars, Vocals
Fernanda Lira - Vocals, Bass
Pitchu Ferraz - Drums

Track List:

1. Arrogance
2. Theory of Conspiracy
3. Deception
4. Intolerance Means War
5. Guerra Santa
6. Failed System
7. Hostages
8. Surrounded by Serpents
9. Cyber War
10. Hypocrisy
11. Devastation

Bonus Track:
12. Wayfarer


Outras resenhas de Agony - Nervosa

Resenha - Agony - Nervosa

Resenha - Agony - Nervosa

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Iron Maiden, Nervosa e Megadeth estarão na edição de 2023 do Wacken Open Air

Prika explica critérios para entrar na Nervosa: "Fascista na minha banda não toca!"

Baterista Nanu Villalba vai substituir Eleni Nota nas próximas turnês da banda Nervosa

Sepultura: em playlist, as bandas brasileiras que eles recomendam que você ouça

O nobre motivo que fez Fernanda Lira mudar de opinião sobre termo "banda de mulheres"

Nervosa: o detalhe que fez a banda decolar no início, na visão de Marcello Pompeu

Metallica: a letra que fez Hammett e Hetfield chorarem

Slash: por que ele usa óculos escuros o tempo todo?


Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá.