David Bowie: A ressignificação de "Blackstar"

Resenha - Blackstar - David Bowie

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por André Espínola
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Depois da trágica notícia de sua morte, a excentricidade de David Bowie é tanta que, além de fazer da própria morte uma obra de arte, conseguiu também criar dois sentidos, duas leituras, duas significações para o seu último álbum, lançado há poucos dias, "Blackstar". Diante do segredo de sua doença e iminente morte, todos acreditavam que Bowie tinha todo fôlego criativo que necessitava, principalmente logo após uma nova ruptura, um novo "ponto zero" que "Blackstar" representava. Com a sua morte, no entanto, há uma completa ressignificação de "Blackstar" e que se faz necessária uma nova resenha, apontando as mensagens que ele deixou secretamente nas músicas para quando o momento realmente chegasse. Infelizmente, ele chegou bastante rápido.

David Bowie: divulgada primeira imagem de ator que faz o músico em filmeFotos de Infância: Pantera

Na resenha publicada no site no último dia 8 (bem como por todas as revistas especializadas do mundo da música), Blackstar foi aclamado como um ponto de partida, um recomeço. No entanto, agora fica claro que na verdade ele é o fim da linha, o ponto final, o fechar das cortinas da carreira - e vida - de David Bowie.

Já na faixa de abertura, "Blackstar", aparecem imagens que remetem a uma ascensão, uma passagem, uma elevação de um plano para outro, cheio de simbologias dramáticas e metafísicas, enquanto Bowie fica reafirmando que é uma Blackstar, e não uma estrela do pop, um super herói da Marvel ou a Estrela das estrelas (apenas algumas das inúmeras definições por negação cheias de simbolismos). "Something happened on the day he died / Spirit rose a metre and stepped aside / Somebody else took his place, and bravely cried / (I'm a blackstar, I'm a blackstar)".

Numa das músicas mais claras após a "ressignificação", "Lazarus" pode ser considerada a despedida de David Bowie. O que parecia se tratar de apenas um personagem como outro qualquer, o Lazarus da música é o próprio Bowie. E a união da letra da música com o clipe é simplesmente de arrepiar. Nessa passagem Bowie fala do paraíso e quase se justificando pela grande encenação de sua morte. Ele possui o drama, afinal, ele é a dramaticidade em pessoa, o que não lhe pode ser furtado nem mesmo no momento de sua morte. O "todos me conhecem agora" pode se remeter ao fato aclamação geral diante de uma celebridade morta. Bowie sabia do que estava falando. A NME noticiou ontem que nunca as músicas de Bowie no Spotify foram tão ouvidas como depois de sua morte. A letra continua como uma libertação, utilizando a imagem de um pássaro. No clipe, tanto de "Lazarus" quanto de "Blackstar", os botões no lugar dos olhos da faixa que Bowie usa pode ser uma referência a Caronte, o barqueiro do Hades que carrega os recém-mortos que tinham moedas nos olhos.

"Look up here, I'm in heaven
I've got scars that can't be seen
I've got drama, can't be stolen
Everybody knows me now

Look up here, man, I'm in danger
I've got nothing left to lose
I'm so high, it makes my brain whirl
Dropped my cell phone down below
Ain't that just like me?

By the time I got to New York
I was living like a king
Then I used up all my money
I was looking for your ass

This way or no way
You know I'll be free
Just like that bluebird
Now, ain't that just like me?

Oh, I'll be free
Just like that bluebird
Oh, I'll be free
Ain't that just like me?"

Por fim, as duas últimas músicas, "Dollar Days" e "I Can't Give Everything Away" também passam por ressignificações. A saudade de nunca mais ver os campos sempre verdes da Inglaterra é a máxima aceitação da morte. Afinal, se não puder mais vê-los, tudo bem por ele. Diante da sua morte, a fragilidade expressa no refrão mostra o conflito entre querer muito fazer algo ("I'm dying to") e ao mesmo tempo estar morrendo rapidamente ("I'm dying too") e lutando diariamente contra a inevitabilidade da morte ("i'm trying to"). Ao mesmo tempo, Bowie manda mensagens de amor possivelmente para as suas pessoas queridas ("don't believe for just one second i'm forgetting you / i'm trying to / i'm dying to"). A música já era incrivelmente bela antes de sua morte (e o solo de sax continua de arrepiar) e agora fica de despedaçar o coração. O mesmo acontece com "I Cant Give Everything Away". Impossível ouvir agora essa música e não imaginar o quão difícil foi para David Bowie segurar a barra de saber da morte iminente ao mesmo tempo em que tem se a consciência do que se deseja fazer dela. Encontrando-se em uma posição na qual todos se dobram, impotentes, diante da morte, David Bowie simplesmente fez com que ela (a morte e a própria inevitabilidade da morte) se dobrasse diante dele. Não foi fácil. As imagens presentes na letra são fortes e sinceras. "I know something is very wrong / The pulse returns the prodigal sons / The blackout hearts, the flowered news / With skull designs upon my shoes". Além de deixar claro o legado de sua arte, a sua mensagem final: "Seeing more and feeling less / Saying no but meaning yes / This is all I ever meant / That's the message that I sent".

Como Tony Visconti afirmou na mensagem do seu Facebook, comentando sobre a morte do amigo e colaborador, "Blackstar" é o presente de partida de David Bowie. Doloroso, apoteótico, épico, dramático, artístico, performático, ousado, ou seja, tudo o que David Bowie foi em vida e continuará sendo na morte na forma de uma Estrela Negra.


Outras resenhas de Blackstar - David Bowie

Resenha - Blackstar - David BowieDavid Bowie: "Blackstar" é uma despedida muito forteDavid Bowie: Um daqueles álbuns que marcam uma geração




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "David Bowie"


David Bowie: divulgada primeira imagem de ator que faz o músico em filme

TarantinoTarantino
Diretor faz playlist com melhores músicas de seus filmes

David Bowie: "Space Oddity" ganha novo vídeo para comemorar 50 anosDavid Bowie: Barbie presta homenagem a 50 anos de "Space Oddity"Rodz Online: Dia Mundial do Rock, o Live Aid 1985 (vídeo)

OutOut
Os 100 álbuns mais gays segundo a revista

EsquireEsquire
Os setenta e cinco discos que todo homem deve ter

Lou ReedLou Reed
Cinco parcerias do vocalista no Rock' N' Roll


Fotos de InfânciaFotos de Infância
Phil Anselmo, Dimebag, Rex Brow e Vinnie Paul

Corey TaylorCorey Taylor
"Não comprem a playboy da Lindsay Lohan"

Heavy MetalHeavy Metal
Os 10 melhores solos de guitarra de todos os tempos

"Cê tá de brincadeira, né?": quando grandes nomes vacilamOzzy Osbourne: 25 coisas que você não sabe sobre eleMax Cavalera: Ele cortou o cabelo pra ganhar o Ride The Lightning, do MetallicaMetallica: Lars comenta as baixas vendas de Hardwired...

Sobre André Espínola

André Espínola, recifense, estudante de História e apaixonado por música, quer levar um pouco de sua paixão para os outros, resenhando sobre novos lançamentos e pagando tributo aos clássicos e às nossas raízes musicais, sobretudo o Blues, Rock e Jazz, cuja missão básica é dizer aos quatro cantos: "a boa música nunca morrerá!". Possui o blog Filho do Blues, onde escreve e edita textos sobre as novidades musicais do mundo do rock, indie e blues.

Mais matérias de André Espínola no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336