Dimmu Borgir: Adentrando as Dimensões Espirituais Negras

Resenha - Spiritual Black Dimensions - Dimmu Borgir

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Sobreira
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Com um nome que gera dúvidas sobre como é pronunciado, e cuja a tradução é algo relacionado a "Castelo/Fortaleza Negra", esses noruegueses marcaram para sempre a história do Black Metal, ajudando a aperfeiçoar e disseminar uma face Sinfônica e melodiosa do estilo. É verdade que em cada disco apresentaram uma evolução inacreditável e sonoridades diferentes, contudo, sempre continuou a ser o mesmo Dimmu Borgir.

Dimmu Borgir: veja drumcam de música no Rockstadt Extreme FestivalSeparados no nascimento: Phil Lynott e Tiririca

Com o final da década de 90, e o início dos "misteriosos" anos 2000 bem próximos, nada melhor para ter comemorado este marco com um álbum tão inesquecível quanto este, e, nesta época, a banda já contava com 3 álbuns oficiais e 1 EP no currículo, além de um nome sempre em constante acensão.

Comparado com o antecessor, o magnifico Enthrone Darkness Triumphant (97), aqui optaram por um Black Metal mais agressivo, frio e sombrio, com um uso mais calculado e diversificado dos teclados e melodias, além de explorar experimentações, como os vocais limpos e profundos do convidado especial Vortex (que mais tarde integraria de vez o grupo), a guitarra (solo) com um apelo mais Tradicional e os teclados comandados aqui pelo novato Mustis (que basicamente continuou o que Stian Aarstad fez, só que empregando seu próprio estilo assombroso) que se encaixaram e deram um toque extra muito bem vindo as músicas, além de momentos mais trabalhados e bem executados. Os vocais de Shagrath não ficam para trás, e sendo sempre um enigma, pois sempre tendem a acompanhar as evoluções da banda, e aqui, apostou em um estilo gutural ora um pouco mais rasgado, ora um pouco mais 'fechado', vomitando letras arcanas. O restante de uma formação que (talvez) nunca devesse ser mudada também é digna de elogios, desde as bases nada gentis de Silenoz e Nagash, até a bateria maligna de Tjodalv, todos deram seu melhor.

Será que preciso elogiar a capa? SIM! O anjo torturado e aprisionado em (quem sabe) uma 'Dimensão Espiritual Negra', serviu perfeitamente para estampar o disco... E como combinou!

'Reptile' abre o trabalho já exibindo o que de melhor a horda tinha a nos oferecer, com velocidade inicial, teclados mórbidos e um refrão de arrepiar. 'Dreamside Dominions' pode ser descrita como a mais 'melódica', desde climas pomposos até um solo muito bem executado no final. 'Grotesquery Conceiled' possui momentos bem profundos e tensos, e como todas as faixas, aposta na diversidade de partes rápidas e mais cadenciadas, enquanto que 'Arcane Lifeforce Mysteria' encerra as atividades de forma grandiosa e com momentos bem viajantes, e quase "progressivos". Citei estas apenas para você ter uma breve noção da riqueza contida aqui, e o melhor mesmo é ouvir este álbum (caso tenha interesse e curiosidade), pois esses caras criaram em um lúgubre laboratório de Alquimia e Magia Negra uma obra oculta, soberba e cheia de detalhes, sendo que a cada faixa uma surpresa nos aguarda como uma emboscada, com climas sombrios e densos quase sufocantes, que faz com que nos percamos em sombras, apreciando este 'play'.

Como curiosidades, o disco foi produzido pelo renomado e incansável Peter Tägtgren (Hypocrisy), e, segundo entrevista a uma revista de Metal da Noruega, a banda afirmou que para os vocais limpos, originalmente chamaria o vocalista Carl McCoy (Fields of the Nephilim, ex-Nefilim), mas que por uma limitação de tempo, infelizmente não foi possível firmar esta parceria.

Não há dúvidas que o melhor do Symphonic Black você encontra aqui, mesmo que os vindouros lançamentos, que apostariam mais em orquestrações, de certa forma o 'soterraram' na discografia junto com os outros primeiros. Mas quem gosta, dá valor, e isso é o que importa. Se tiver coragem, ouça preferencialmente no escuro!!

Faixas:

1. Reptile (05:17)
2. Behind the Curtains of Night-Phantasmagoria (03:20)
3. Dreamside Dominions (05:13)
4. United in Unhallowed Grace (04:22)
5. The Promised Future Aeons (06:51)
6. The Blazing Monoliths of Defiance (04:37)
7. The Insight and the Catharsis (07:17)
8. Grotesquery Conceiled (Within Measureless Magic) (05:10)
9. Arcane Lifeforce Mysteria (07:03)

(Tempo Total - 49:10)

Formação:
Shagrath - Vocals
Erkekjetter Silenoz - Guitars (Rhythm)
Astennu - Guitars (Lead)
Tjodalv - Drums & Percussion
Mustis - Keyboards
Nagash - Bassguitar

Lançamento: Março de 1999 - Nuclear Blast



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dimmu Borgir"


Dimmu Borgir: veja drumcam de música no Rockstadt Extreme FestivalDimmu Borgir e Amorphis: anunciada tour conjunta pela Europa

Dimmu BorgirDimmu Borgir
Cancelada apresentação no festival Bloodstock

Dimmu Borgir: Death Cult Armageddon é apocalipse na forma de músicaDimmu Borgir: A banda no auge de sua criação...

Pra ouvir e discutirPra ouvir e discutir
Os melhores discos lançados em 2003

Dimmu BorgirDimmu Borgir
Silenoz fala sobre religião e individualidade

Dimmu BorgirDimmu Borgir
Silenoz explica a origem do seu nome

NoisecreepNoisecreep
Os 10 clipes mais assustadores do Heavy Metal


Separados no nascimentoSeparados no nascimento
A bizarra semelhança de Phil Lynott e Tiririca

SlipknotSlipknot
Corey explica desvantagens das máscaras

Lars UlrichLars Ulrich
Fãs pediam que eles transassem com suas namoradas?

Iron Maiden: o que os grandes músicos acham da banda?Heavy Metal: 25 bandas que fizeram o gênero ser o que éMetal Heavy: 10 clássicos para entender o Thrash MetalSom ruim, fezes e urina: Um brinde à farsa de Woodstock

Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.

Mais matérias de Vitor Sobreira no Whiplash.Net.