Dimmu Borgir: Adentrando as Dimensões Espirituais Negras

Resenha - Spiritual Black Dimensions - Dimmu Borgir

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Vitor Sobreira
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Com um nome que gera dúvidas sobre como é pronunciado, e cuja a tradução é algo relacionado a "Castelo/Fortaleza Negra", esses noruegueses marcaram para sempre a história do Black Metal, ajudando a aperfeiçoar e disseminar uma face Sinfônica e melodiosa do estilo. É verdade que em cada disco apresentaram uma evolução inacreditável e sonoridades diferentes, contudo, sempre continuou a ser o mesmo Dimmu Borgir.

5000 acessosRock/Metal: 7 nomes de bandas que você pronuncia errado, parte 25000 acessosPink Floyd: a história por trás de "Animals"

Com o final da década de 90, e o início dos "misteriosos" anos 2000 bem próximos, nada melhor para ter comemorado este marco com um álbum tão inesquecível quanto este, e, nesta época, a banda já contava com 3 álbuns oficiais e 1 EP no currículo, além de um nome sempre em constante acensão.

Comparado com o antecessor, o magnifico Enthrone Darkness Triumphant (97), aqui optaram por um Black Metal mais agressivo, frio e sombrio, com um uso mais calculado e diversificado dos teclados e melodias, além de explorar experimentações, como os vocais limpos e profundos do convidado especial Vortex (que mais tarde integraria de vez o grupo), a guitarra (solo) com um apelo mais Tradicional e os teclados comandados aqui pelo novato Mustis (que basicamente continuou o que Stian Aarstad fez, só que empregando seu próprio estilo assombroso) que se encaixaram e deram um toque extra muito bem vindo as músicas, além de momentos mais trabalhados e bem executados. Os vocais de Shagrath não ficam para trás, e sendo sempre um enigma, pois sempre tendem a acompanhar as evoluções da banda, e aqui, apostou em um estilo gutural ora um pouco mais rasgado, ora um pouco mais 'fechado', vomitando letras arcanas. O restante de uma formação que (talvez) nunca devesse ser mudada também é digna de elogios, desde as bases nada gentis de Silenoz e Nagash, até a bateria maligna de Tjodalv, todos deram seu melhor.

Será que preciso elogiar a capa? SIM! O anjo torturado e aprisionado em (quem sabe) uma 'Dimensão Espiritual Negra', serviu perfeitamente para estampar o disco... E como combinou!

'Reptile' abre o trabalho já exibindo o que de melhor a horda tinha a nos oferecer, com velocidade inicial, teclados mórbidos e um refrão de arrepiar. 'Dreamside Dominions' pode ser descrita como a mais 'melódica', desde climas pomposos até um solo muito bem executado no final. 'Grotesquery Conceiled' possui momentos bem profundos e tensos, e como todas as faixas, aposta na diversidade de partes rápidas e mais cadenciadas, enquanto que 'Arcane Lifeforce Mysteria' encerra as atividades de forma grandiosa e com momentos bem viajantes, e quase "progressivos". Citei estas apenas para você ter uma breve noção da riqueza contida aqui, e o melhor mesmo é ouvir este álbum (caso tenha interesse e curiosidade), pois esses caras criaram em um lúgubre laboratório de Alquimia e Magia Negra uma obra oculta, soberba e cheia de detalhes, sendo que a cada faixa uma surpresa nos aguarda como uma emboscada, com climas sombrios e densos quase sufocantes, que faz com que nos percamos em sombras, apreciando este 'play'.

Como curiosidades, o disco foi produzido pelo renomado e incansável Peter Tägtgren (Hypocrisy), e, segundo entrevista a uma revista de Metal da Noruega, a banda afirmou que para os vocais limpos, originalmente chamaria o vocalista Carl McCoy (Fields of the Nephilim, ex-Nefilim), mas que por uma limitação de tempo, infelizmente não foi possível firmar esta parceria.

Não há dúvidas que o melhor do Symphonic Black você encontra aqui, mesmo que os vindouros lançamentos, que apostariam mais em orquestrações, de certa forma o 'soterraram' na discografia junto com os outros primeiros. Mas quem gosta, dá valor, e isso é o que importa. Se tiver coragem, ouça preferencialmente no escuro!!

Faixas:

1. Reptile (05:17)
2. Behind the Curtains of Night-Phantasmagoria (03:20)
3. Dreamside Dominions (05:13)
4. United in Unhallowed Grace (04:22)
5. The Promised Future Aeons (06:51)
6. The Blazing Monoliths of Defiance (04:37)
7. The Insight and the Catharsis (07:17)
8. Grotesquery Conceiled (Within Measureless Magic) (05:10)
9. Arcane Lifeforce Mysteria (07:03)

(Tempo Total - 49:10)

Formação:
Shagrath - Vocals
Erkekjetter Silenoz - Guitars (Rhythm)
Astennu - Guitars (Lead)
Tjodalv - Drums & Percussion
Mustis - Keyboards
Nagash - Bassguitar

Lançamento: Março de 1999 - Nuclear Blast

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Spiritual Black Dimensions - Dimmu Borgir

5000 acessosTradução - Spiritual Black Dimensions - Dimmu Borgir

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 03 de janeiro de 2016

Rock e MetalRock e Metal
7 nomes de bandas que você pronuncia errado, parte 2

852 acessosDimmu Borgir: Ainda soando atual após 16 anos652 acessosDimmu Borgir: ao vivo com orquestra e coral de vozes497 acessosEm 30/05/1997: Dimmu Borgir lança o álbum Enthrone Darkness Triumphant0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dimmu Borgir"

Dimmu BorgirDimmu Borgir
Silenoz explica a origem do seu nome

Dimmu BorgirDimmu Borgir
Silenoz escolhe músicas para o Halloween

Igreja UniversalIgreja Universal
"Curando" fã do Dimmu Borgir?

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Dimmu Borgir"

Pink FloydPink Floyd
A história por trás do clássico "Animals"

A Vida Pós-bilauA Vida Pós-bilau
Vocalista do Life of Agony abre o jogo

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1990

5000 acessosMetallica: as 10 melhores músicas segundo a Loudwire5000 acessosAs regras do Death Metal5000 acessosCuriosidades: 40 fatos inacreditáveis do rock5000 acessosRolling Stone: revista elege melhores faixas de álbuns ruins5000 acessosGuns N' Roses: conheça as tattoos de Steven Adler5000 acessosSeparados no nascimento: Eddie e Seu Madruga

Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.

Mais matérias de Vitor Sobreira no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online