Lizz Wright: Covers sensacionais de Nick Drake e Bee Gees

Resenha - Freedom & Surender - Lizz Wright

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Roberto Rillo Bíscaro
ENVIAR CORREÇÕES  

Nota: 8

Como tantas cantoras negras norte-americanas, Lizz Wright começou cantando na congregação onde seu pai era pastor e diretor musical, no sulista estado da Georgia. Sua estreia fonográfica foi em 2003 e desde então lança álbuns regularmente misturando gospel, jazz e pop. No começo de setembro saiu Freedom & Surrender, quinto trabalho que traz uma dúzia de canções envolventes, sem qualquer grito e com instrumentação "tradicional", i.e., sem electronica, influências de qualquer tipo de dub ou hop. Nada contra, o leitor assíduo sabe, mas experimente ouvir F&S no escuro e verá que experiência telúrica.

Donald Trump: os roqueiros que apoiam o presidente eleitoFrases de bandas: o que eles realmente querem dizer?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A voz quente de Wright é o destaque; a instrumentação sempre acompanha essa preciosidade aveludada ao invés de soterrá-la, mesmo nos momentos mais incisivos da faixa-título e de The New Game, que mostra bem porque o rock’n’roll tem matriz metade negra.

Forte no Urban Soul, Quiet Storm e pop jazz, F&S transforma a orquestração violonada de River Man, do trágico Nick Drake, em esparso jazz com pistão e tudo, cujo arranjo é fluido e poroso como um rio encoberto por neblina. To Love Somebody, dos Bee Gees pega o blue eyed soul dos irmãos Gibb e converte-o em gospel tão poderoso que se você não souber que é cover jurará que é clássico do gênero lá dos anos 50/60. Mississippi desaguando na Austrália.

A ausência de elementos contemporâneos de electronica e de rappers fazendo "uh hu uh hu" pode elevar a idade de quem mais apreciará Freedom & Surrender. Quem viveu os 70’s adorará a baladice de The Game e a valsa-pop Right Where You Are teve congêneres nos 80’s. Quem conhece os duetos de Roberta Flack ou Peabo Bryson adorará o de Wright com Gregory Porter e seu vozeirão. Mas, não se trata de álbum "pra velho": a malemolência sensual de Lean In assanhará muitas idades.

Freedom & Surrender é sensível e manda bem ao juntar tantos sub-gêneros de black music ao mesmo tempo que os acessibiliza.

Tracklist
Freedom
The Game
The New Game
Lean In
Right Where You Are
River Man
Somewhere Down The Mystic
Real Life Painting
To Love Somebody
Here And Now
You
Blessed The Brave
Surrender




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Corey Taylor: faxina dançando ao som de Bee GeesCorey Taylor
Faxina dançando ao som de Bee Gees


Donald Trump: os roqueiros que apoiam o presidente eleitoDonald Trump
Os roqueiros que apoiam o presidente eleito

Frases de bandas: o que eles realmente querem dizer?Frases de bandas
O que eles realmente querem dizer?


Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário e edita o Blog do Albino Incoerente desde 2009.

Mais matérias de Roberto Rillo Bíscaro no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor