Matérias Mais Lidas

Marcelo Barbosa diz que seu curso online de guitarra dá mais dinheiro que o AngraMarcelo Barbosa diz que seu curso online de guitarra dá mais dinheiro que o Angra

A divergência de Roger Waters e David Gilmour sobre clássico Comfortably NumbA divergência de Roger Waters e David Gilmour sobre clássico "Comfortably Numb"

Eric Clapton: o que ele acha de ter tirado esposa de George Harrison?Eric Clapton: o que ele acha de ter tirado esposa de George Harrison?

Slash: a mudança que aconteceu com Axl que tornou tudo diferente no Guns N' RosesSlash: a mudança que aconteceu com Axl que tornou tudo diferente no Guns N' Roses

A opinião de Diva Satanica, da Nervosa, sobre Tatiana Shmailyuk do JinjerA opinião de Diva Satanica, da Nervosa, sobre Tatiana Shmailyuk do Jinjer

Mãe de Cazuza conta invertida que tomou do filho ao perguntar sobre sua sexualidadeMãe de Cazuza conta invertida que tomou do filho ao perguntar sobre sua sexualidade

A sincera opinião de Lemmy Kilmister sobre Christina AguileraA sincera opinião de Lemmy Kilmister sobre Christina Aguilera

Kiko Loureiro: o que o guitarrista do Megadeth pensa de quem o chama de arroganteKiko Loureiro: o que o guitarrista do Megadeth pensa de quem o chama de arrogante

Frank Bello rasga elogios ao Metallica; Eles são, sem dúvida, a maior banda do mundoFrank Bello rasga elogios ao Metallica; "Eles são, sem dúvida, a maior banda do mundo"

Iron Maiden: banda vai tocar no Morumbi em 2022, segundo diretor do São PauloIron Maiden: banda vai tocar no Morumbi em 2022, segundo diretor do São Paulo

Nirvana: o dia que Cobain se enrolou todo para explicar significado do nome da bandaNirvana: o dia que Cobain se enrolou todo para explicar significado do nome da banda

Marcelo D2 voltou a ouvir thrash metal por conta de Fernanda Lira, da banda CryptaMarcelo D2 voltou a ouvir thrash metal por conta de Fernanda Lira, da banda Crypta

A sincera opinião de Regis Tadeu sobre Lemmy Kilmister (Motörhead)A sincera opinião de Regis Tadeu sobre Lemmy Kilmister (Motörhead)

O dia que Jimi Hendrix abriu show com música dos Beatles e Paul McCartney assistiuO dia que Jimi Hendrix abriu show com música dos Beatles e Paul McCartney assistiu

Tico Santta Cruz: Vamos tirar todos os Bolsominions do BBBTico Santta Cruz: "Vamos tirar todos os Bolsominions do BBB"


Cain's Offering: Mantendo bem vivas as raízes do power metal

Resenha - Stormcrow - Cain's Offering

Por Gustavo Maiato
Em 27/05/15

Enquanto o Sonata Arctica lança um álbum diferente do outro muitas vezes fugindo do power metal e o último disco do Stratovarius opta por um direcionamento mais lento e cadenciado, o Cains's Offering rema contra a corrente e surge como uma ovelha negra da família levantando a bandeira do power metal grudento, veloz e virtuoso que estava em alta 15 anos atrás. O idealizador do projeto é o finlandês Jani Liimatainen, guitarrista original do Sonata. Ele consegue soar interessante mesmo repetindo a mesma fórmula que muitos dizem estar saturada e prova que a criatividade é a alma do negócio.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Jani criou o Cain’s Offering para dar vazão a uma proposta musical que havia se perdido no último disco dele com o Sonata (Unia) e que é justamente o estilo de música que ele mais sabe fazer. Stormcrow mantém a pegada rápida e melódica de seu antecessor Gather the Faithfull (2009) e seis anos depois chega colocando o guitarrista de novo entre os grandes do gênero. Seu inseparável companheiro Timo Kotipelto (Stratovarius) foi mais uma vez o vocalista escolhido para dar vida às suas letras. O disco começa com a faixa homônima que inicia com um coro e depois segue uma introdução ao melhor estilo My Selence, música do Sonata Arctica composta por Jani. A música já ganha o ouvinte de cara com riffs bem feitos e melodias marcantes.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Apesar de ter uma proposta de resgate, Jani fez muito bem ao optar por pequenas pitadas de elementos mais modernos durante o disco, como na próxima música Best of times que a julgar pela introdução poderia ter sido tirada de um disco dos suecos do Amaranthe. A música tem uma vibe eletrônica e a voz de Kotipelto entra abafada e cheia de efeitos. O tema dessa música é aparentemente o pai de Jani ou uma figura importante em sua vida que ele lamenta não estar mais presente. O refrão é um dos melhores do álbum e tem passagens realmente inspiradas de guitarra e um solo intercalando com o teclado de Jens Johansson (também Stratovarius).

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

A night to forget começa direto com o verso e o baixo do desconhecido Jonas Kuhlberg (MyGrain) marcando a pulsação da música. Trata-se de uma faixa mais cadenciada e com a temática de "dor de cotovelo" que é quase uma regra nas músicas do Cain’s. As letras em geral são bem extensas e carregadas de uma ingenuidade amorosa misturada com o pesar de um coração partido. A música consegue emocionar com uma bonita melodia e um solo com mais feeling. No final, o refrão é tocado acompanhado de um violão antes de voltar com mais peso. I will build you a Rome é a síntese do estilo Jani de composição, com aquela bateria veloz e uma melodia central na guitarra sucedida de um verso mais limpo com letra romântica. Como de praxe, o finlandês se joga aos pés de sua amada nos versos: "My love, my soul, my heart / Are yours if you just want".

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Nessa altura do disco o ouvinte já se dá conta de que o trabalho é consistente e não apenas focado em um ou dois singles. Todas as músicas mereciam realmente estar no disco e foram pensadas em todos os detalhes. O perfeccionismo do guitarrista é evidente nos vídeos de bastidores da gravação que mostram Kotipelto se esforçando para cantar do jeitinho que ele queria. Os violinos e pianos de Too tired to run anunciam uma típica balada e mais uma vez a temática saudosista entra no ar nos dizendo como a vida era melhor no passado e os problemas e desilusões do presente: "Now days are growing dark / And we are too tired to run". No final, uma bonita massa de orquestra junto com um coro faz a música ganhar contornos épicos bem no estilo Nightwish. Esse disco prova que os clichês, se bem utilizados, podem se reinventar e ficar atraentes.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Constelation of tears começa com uma pequena virada da bateria sempre poderosa do robusto Jani Hurula (Silent Voices) e depois a música começa extremamente veloz aos moldes de Dawn of solace, do disco anterior. É uma canção para apreciar a técnica dos músicos, que precisam suar a camisa para acompanhar a velocidade proposta por Jani. No geral, ela fica um pouco abaixo do nível das outras, mas não chega a ser uma bola fora. O guitarrista ruivo não tem medo de abusar das passagens instrumentais e usa também muitos versos com melodias diferentes, tornando as músicas mais dinâmicas e com vários momentos. Antemortem tem uma introdução que pode ser considerada plágio de Storytime do Nightwish. Dessa vez vemos a banda mais pesada e baseada em um riff menos melódico. Durante o verso surgem uns floreios de piano muito interessantes. É uma música de mid tempo, sem tanta velocidade e com uma parede de orquestra que deixa a música sempre com muita informação sonora. Ao mesmo tempo, existem partes que a orquestra cessa e é possível ouvir mais os pianos de Jens e a voz de Kotipelto.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

My hearts beats for no one entra com um teclado meio eletrônico de novo e uns vocalizes de Kotipelto. Mais uma vez a opção pelo verso mais limpo e com o baixo em destaque. O fato das letras serem praticamente monotemáticas incomoda um pouco. Se você substituir uma por outra não vai notar a diferença. O que se vê no álbum são sempre desilusões amorosas e tratados sobre a passagem do tempo. I am legion é um impressionante instrumental, uma apoteose sinfônica que poderia ser tirada de uma trilha sonora de John Williams. Dá um banho em muita banda de metal sinfônico e cai muito bem no disco. Rising sun é uma música boa, mas nessa altura do disco ela soa repetitiva. O diferencial é uma guitarra mais pesada nos versos. O mérito de Jani é fazer um trabalho de qualidade indo contra a tendência de algumas bandas do gênero que diminuíram os solos, desaceleraram e aumentaram o peso. A última é On the shore, que destoa um pouco do resto do disco. Quase como uma calmaria depois da tempestade. É interessante, pois sai um pouco da sonoridade que vinha sendo praticada até então.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Jani Liimatainen faz valer a espera de longos seis anos por um novo trabalho de sua banda carro-chefe. É bem verdade que ele estava engajado no projeto acústico Blackoustic também com Timo Kotipelto, mas os fãs do guitarrista estavam ávidos por mais composições no estilo que o consagrou. Agora resta esperar por uma improvável turnê de divulgação para ver o mestre ao vivo. Stormcrow eleva o padrão do power metal atual e mantém viva a tradição da escola Helloween que tanto sucesso fez e continua fazendo.


Outras resenhas de Stormcrow - Cain's Offering

Cain's Offering: Um trabalho a ser louvado

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Metallica: por que 9 entre 10 fãs odeiam Load e Reload?Metallica
Por que 9 entre 10 fãs odeiam "Load" e "Reload"?

Out: os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revistaOut
Os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revista


Sobre Gustavo Maiato

Jornalista, músico e fã. O heavy metal entrou na sua vida há 10 anos e nunca mais saiu. Gosta de estudar o tema e compreender o metal como manifestação cultural.

Mais matérias de Gustavo Maiato.