Dir en grey: Uma continuação mais leve de Dum Spiro Spero

Resenha - Arche - Dir en grey

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Quem acompanha a trajetória dos japoneses do Dir en grey sabe que eles fogem de rótulos como o diabo foge da cruz. Não apenas porque sua música sempre foi extremamente particular, mas também porque eles nunca se contentaram com um estilo - foram pulando de galho em galho, sem nunca sair do universo do rock/metal.

Rob Zombie: sua lista dos 5 Melhores Filmes de ZumbiChris Cornell: a emocionante despedida de Tom Morello

A única coisa que pode ser dita sem sombra de dúvidas é que, em um gráfico tempo x peso, os álbuns da banda descrevem uma reta ascendente. Partindo de uma espécie de rock alternativo no álbum de estreia Gauze, a banda chegou ao metal mais extremo em Dum Spiro Spero, e parece ter encontrado um denominador comum aí.

Porque Arche, nono álbum de inéditas do Dir en grey, soa como uma continuação de Dum Spiro Spero. A passagem do oitavo para o nono álbum mostra-se uma das menos impactantes da inconstante discografia do quinteto. É verdade que Dum Spiro Spero é uma verdadeira obra prima do metal extremo, e este disco não chega ao mesmo nível. Mas está quase lá. Como o Dir en grey fez nos últimos dez anos, consegue-se aqui combinar vocais guturais escarrados com cantorios serenos, além de riffs agressivos e rápidos com solos melódicos. Só que o lado sereno está muito mais proeminente aqui.

Lembrando, é claro, que leveza não significa necessariamente positividade. Aquele clima pesado, tenso e sombrio da banda está mais vivo do que nunca aqui - talvez por influência de Immortalis, disco de estreia de sukekiyo, projeto solo do vocalista Kyo. Na verdade, é este clima geral que se sobressai, mais até do que o trabalho instrumental isolado dos integrantes.

Como o Helloween fez com 7 Sinners e Straight Out of Hell; como o Ayreon fez em Universal Migrator: The Dream Sequencer e Flight of the Migrator; e como o The Gentle Storm fará com The Diary; o Dir en grey parece ter lançado um álbum duplo com dois climas distintos. Dum Spiro Spero é o álbum pesado, agressivo, gutural. Arche é o álbum lento e melancólico.

Mas assim como seu antecessor tinha momentos mais leves, Arche também apresenta passagens mais agressivas, daquelas que gerarão rodas punk em shows. "Cause of Fickleness", "Midwife", "Behind a Vacant Image" e "The Inferno", por exemplo.

Arche parece até um álbum conceitual, tão nítida é a sua coesão. Não atinge a maturidade e a energia de seu antecessor, é verdade, mas a alta qualidade média está garantida. Agora, mais do que nunca, está difícil classificar o que é o Dir en grey. Mas desde quando isso é essencial? O que interessa é que o quinteto segue sendo um dos nomes mais relevante do metal japonês atualmente, e merecidamente.

Abaixo, o vídeo de "Sustain the Untruth":

Track-list:
1. "Un Deux"
2. "咀嚼" (Soshaku)
3. "鱗" (Uroko)
4. "Phenomenon"
5. "Cause of Fickleness"
6. "濤声" (Tousei)
7. "輪郭" (Rinkaku)
8. "Chain Repulsion"
9. "Midwife"
10. "禍夜想" (Magayasou)
11. "懐春" (Kaishun)
12. "Behind a Vacant Image"
13. "Sustain the Untruth"
14. "空谷の跫音" (Kukoku no Kyouon)
15. "The Inferno"
16. "Revelation of Mankind"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dir En Grey"


Kerrang: os 10 clipes mais ofensivos de todos os temposKerrang
Os 10 clipes mais ofensivos de todos os tempos


Rob Zombie: sua lista dos 5 Melhores Filmes de ZumbiRob Zombie
Sua lista dos 5 Melhores Filmes de Zumbi

Chris Cornell: a emocionante despedida de Tom MorelloChris Cornell
A emocionante despedida de Tom Morello

Iron Maiden: Fã em cadeira de rodas emociona Bruce em Belo HorizonteIron Maiden
Fã em cadeira de rodas emociona Bruce em Belo Horizonte

Renato Russo: a história do maior nome do rock nacionalFilhas de Rockstars: conheça algumas das mais bonitasRhapsody Of Fire: curiosidades a respeito da bandaPhil Anselmo: Habilidade vocal ainda em dia? O vocalista responde

Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336