Dir en grey: Uma continuação mais leve de Dum Spiro Spero

Resenha - Arche - Dir en grey

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Quem acompanha a trajetória dos japoneses do Dir en grey sabe que eles fogem de rótulos como o diabo foge da cruz. Não apenas porque sua música sempre foi extremamente particular, mas também porque eles nunca se contentaram com um estilo - foram pulando de galho em galho, sem nunca sair do universo do rock/metal.
5000 acessosNirvana: divulgadas novas fotos da cena da morte de Kurt Cobain5000 acessosLGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuais

A única coisa que pode ser dita sem sombra de dúvidas é que, em um gráfico tempo x peso, os álbuns da banda descrevem uma reta ascendente. Partindo de uma espécie de rock alternativo no álbum de estreia Gauze, a banda chegou ao metal mais extremo em Dum Spiro Spero, e parece ter encontrado um denominador comum aí.

Porque Arche, nono álbum de inéditas do Dir en grey, soa como uma continuação de Dum Spiro Spero. A passagem do oitavo para o nono álbum mostra-se uma das menos impactantes da inconstante discografia do quinteto. É verdade que Dum Spiro Spero é uma verdadeira obra prima do metal extremo, e este disco não chega ao mesmo nível. Mas está quase lá. Como o Dir en grey fez nos últimos dez anos, consegue-se aqui combinar vocais guturais escarrados com cantorios serenos, além de riffs agressivos e rápidos com solos melódicos. Só que o lado sereno está muito mais proeminente aqui.

Lembrando, é claro, que leveza não significa necessariamente positividade. Aquele clima pesado, tenso e sombrio da banda está mais vivo do que nunca aqui - talvez por influência de Immortalis, disco de estreia de sukekiyo, projeto solo do vocalista Kyo. Na verdade, é este clima geral que se sobressai, mais até do que o trabalho instrumental isolado dos integrantes.

Como o Helloween fez com 7 Sinners e Straight Out of Hell; como o Ayreon fez em Universal Migrator: The Dream Sequencer e Flight of the Migrator; e como o The Gentle Storm fará com The Diary; o Dir en grey parece ter lançado um álbum duplo com dois climas distintos. Dum Spiro Spero é o álbum pesado, agressivo, gutural. Arche é o álbum lento e melancólico.

Mas assim como seu antecessor tinha momentos mais leves, Arche também apresenta passagens mais agressivas, daquelas que gerarão rodas punk em shows. "Cause of Fickleness", "Midwife", "Behind a Vacant Image" e "The Inferno", por exemplo.

Arche parece até um álbum conceitual, tão nítida é a sua coesão. Não atinge a maturidade e a energia de seu antecessor, é verdade, mas a alta qualidade média está garantida. Agora, mais do que nunca, está difícil classificar o que é o Dir en grey. Mas desde quando isso é essencial? O que interessa é que o quinteto segue sendo um dos nomes mais relevante do metal japonês atualmente, e merecidamente.

Abaixo, o vídeo de "Sustain the Untruth":

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Track-list:
1. "Un Deux"
2. "咀嚼" (Soshaku)
3. "鱗" (Uroko)
4. "Phenomenon"
5. "Cause of Fickleness"
6. "濤声" (Tousei)
7. "輪郭" (Rinkaku)
8. "Chain Repulsion"
9. "Midwife"
10. "禍夜想" (Magayasou)
11. "懐春" (Kaishun)
12. "Behind a Vacant Image"
13. "Sustain the Untruth"
14. "空谷の跫音" (Kukoku no Kyouon)
15. "The Inferno"
16. "Revelation of Mankind"

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dir En Grey"

KerrangKerrang
Os 10 clipes mais ofensivos de todos os tempos

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Dir En Grey"

NirvanaNirvana
Divulgadas novas fotos da cena da morte Cobain

LGBTLGBT
Confira alguns músicos que não são heterossexuais

MetallicaMetallica
Rock In Rio explica pane que ocorreu durante o show

5000 acessosCradle of Filth: Chimbinha, do Calypso, usando camiseta?5000 acessosNoisecreep: os 10 clipes mais assustadores do heavy metal5000 acessosMetal: adolescentes que ouvem o gênero fazem mais sexo?5000 acessosGuns N' Roses: Adler diz que reunião traria álbum melhor que a estreia5000 acessosMalmsteen: Satriani e Jeff Beck desafinam nos bends?5000 acessosLinkin Park: "O rock perdeu seu propósito", diz Mike Shinoda

Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 0077507/SP) formado pela PUC-SP e membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil. Paulistano e morador de Carapicuíba (Granja Viana), tem um blog de resenhas musicais e outros assuntos chamado Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cinema, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados. Além de ouvir, também toca piano e teclado, compondo algumas bobagens de vez em quando.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online