Korzus: Ainda melhorando a sonoridade após tantos anos

Resenha - Legion - Korzus

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Júlio César Tortoro Ribeiro, Fonte: Blog Its Electric
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Korzus é um dos patrimônios do Heavy Metal brazuca, na ativa desde o a metade dos 80's a banda de São Paulo já passou por todas as experiências possíveis dentro de um cenário totalmente adverso para quem se aventura no universo da música pesada, sobrevivendo e construindo uma carreira sólida, eles chegaram a um dos pontos mais altos de sua jornada com o excelente Legion.

Motorhead: a gafe nazista de Lemmy em Nuremberg50 a menos: Cientistas descobrem que o Número da Besta é 616

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os memoráveis Ties Of Blood (2004) e Discipline Of Hate (2010) foram sucedidos por um grande registro, Legion é um petardo, uma aula de vigor e profissionalismo, a produção assinada pelo guitarrista Heros Trench é crua mas cuidadosamente bem acabada nos timbres potentes, a mixagem de Marcelo Pompeu coloca tudo no devido lugar.

Musicalmente as coisas fluem com naturalidade, sim aquele Thrashão com a boa e velha influência de Slayer continua sendo a orientação principal, mas notamos momentos mais melódicos combinados com muito peso e intensidade.

A banda mostra que a experiência faz diferença, Marcelo Pompeu vocifera com fúria e emoção, a dupla Heros Trench e Antonio Araújo dão uma aula de guitarras, paredes de riffs, duetos e solos enlouquecidos, Dick Sibert segura as pontas com seu baixo pulsante e Rodrigo Oliveira é um baterista técnico que não pensa duas vezes ao espancar sua bateria.

Toda brutalidade habitual de seu Thrash Metal estão presentes,as massas sonoras de Lifeline, Lamb e Vampiro (esta última cantada em português) são demonstrações da mais pura forma de agressividade sonora, fazendo a alegria dos fãs que sempre esperam um recado direto.

Entretanto, um dos maiores destaques da nova empreitada do Korzus é a adição muito bem sacada das melodias como em Broken e Self Hate, ambas contém solos memoráveis e uma dose muito bem vinda de um groove arrebatador.

Explodindo cabeças Bleeding Pride é um tapa na orelha. O disco fecha com espetacular Legion, uma música grandiosa, com grandes melodias, Pompeu soa muito bem com vocais agressivos e melodiosos, Trench, Araújo e Sibert criam paredes sonoras intensas e Rodrigo implode tudo com uma levada arrasadora, uma música ambiciosa, um épico que encerra o disco de maneira sensacional.

É impressionante e surpreendente como o Korzus mesmo após tantos anos continua melhorando sua sonoridade, compondo de maneira certeira e excetuando tudo com maestria.

Compre e divirta-se!

Legion (2014)

Lifeline
Lamb
Six Seconds
Broken
Vampiro
Die Alone
Aparatus Belli
Time Has Come
Purgatory
Self Hate
Belleding Pride
Devil's Head
Legion

A Banda

Marcelo Pompeu (Vocais)
Heros Trench (Guitarra)
Antônio Araújo (Guitarra)
Dick Sibert (Baixo)
Rodrigo Oliveira (Bateria)

Fonte Blog Its Electric
http://itselektric.blogspot.com.br/2014/11/korzus-legion.htm...


Outras resenhas de Legion - Korzus

Korzus: Não existem momentos ruins ou medianos no álbumKorzus: O Heavy Metal brasileiro é uma realidadeKorzus: Entre os melhores álbuns de Thrash Metal do ano




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Korzus"


Rodrigo Oliveira: Não temos só vermes que vivem o rock/metal!Rodrigo Oliveira
"Não temos só vermes que vivem o rock/metal!"

Café com Ócio: 15 melhores discos do Metal Nacional - 2000 a 2010Café com Ócio
15 melhores discos do Metal Nacional - 2000 a 2010


Motorhead: a gafe nazista de Lemmy em NurembergMotorhead
A gafe nazista de Lemmy em Nuremberg

50 a menos: Cientistas descobrem que o Número da Besta é 61650 a menos
Cientistas descobrem que o Número da Besta é 616


Sobre Júlio César Tortoro Ribeiro

Paulistano fanático por música e lutas, não sou jornalista, mas sempre gostei de escrever como Hobby, e por isso mantenho um blog totalmente amador chamado Its Electric no qual discorro sobre esses assuntos. Sou contra o radicalismo e apóio quem como eu ainda compra material das bandas e escreve sobre as mesmas por puro gosto.

Mais matérias de Júlio César Tortoro Ribeiro no Whiplash.Net.

adGoo336