Iron Maiden: X-Factor, um verdadeiro clássico, porém injustiçado!

Resenha - X-Factor - Iron Maiden

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Edilson Luiz Piassentini
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Fico imaginando se o álbum X-Factor de 1995 fosse lançado com Bruce Dickinson ainda nos vocais do Iron Maiden naquela época. Com certeza seria tratado como mais um grande clássico, incomparável, ou coisas a mais. Só que não foi o que aconteceu, e esse álbum se tornou um dos mais injustiçados da banda!

Iron Maiden em Campinas: O dia em que o Brinco de Ouro virou campo de guerraMr Catra: Uma lista das suas maiores influências no rock (vídeo)

O que se pode dizer é que X-Factor é muito diferente dos demais álbuns do Iron Maiden, mas isso não significa que seja ruim, muito pelo contrário, é um excelente álbum, e mais um grande clássico da banda.

Após passar por problemas pessoais, e por estar chateado com a saída de Bruce Dickinson da banda, veio a tona o lado mais obscuro da criatividade de Steve Harris. O álbum aborda temas sobre medo, guerra e depressão, mesclando com a atmosfera obscura e com passagens progressivas, e com uma grande técnica por parte dos integrantes.

A épica Sign Of The Cross abre o álbum com seus mais de 11 minutos, com belas passagens e solos. Uma música de abertura muito diferente que estamos acostumados a ouvir nos álbuns do Iron Maiden.

Na sequencia, Lord of The Flies, apresenta uma grande performance vocal de Blaze Bayley, e possui um refrão poderoso e grandes solos da dupla Dave Murray e Janick Gers.

Man on the Edge é o grande single do álbum. Uma música rápida, com solos rápidos, um excelente trabalho do baterista Nicko McBrain, um forte refrão e como de costume, o baixo pulsante de Steve Harris.

A quarta faixa Fortunes of War tem um introdução lenta, com violões e uma voz suave de Blaze Bayley, que logo depois dá lugar a um som pesado e um ritmo bem cadenciado. Outra grande performance de Blaze Bayley.

Look for the Truth também possui um pequena introdução lenta, mas logo depois da lugar a um instrumental empolgante e com belas melodias.

A seguir, The Aftermath é cadenciada, pesada, com um bonito refrão, e que vai aumentando seu ritmo gradativamente com o decorrer do tempo e possui solos avassaladores.

Mais um grande destaque vem com Judgement of Heaven, com uma atmosfera menos obscura que as demais, com um instrumental mais rápido e alegre, e com grandes duetos dos guitarristas Dave Murray e Janick Gers. O baterista Nicko McBrain mostra também um grande nível técnico nessa faixa.

Blood on The World's Hands abre com um dos melhores solos de baixo já feito por Steve Harris. É pesada e obscura, com passagens de teclados muito bem elaboradas.

As pegadas típicas do Iron Maiden aparece em The Edge of Darkness. Após um pequeno começo lento, a música da lugar as típicas cavalgadas, guitarras em duetos, e solos extremamente técnicos!

2 A.M é a música mais depressiva do álbum tanto pela sua letra quanto pelo instrumental. A mesma segue arrastada durante toda sua duração, com belas melodias e solos bem encaixados, e arranjos de teclados que dão todo o clima melancólico da música.

Para fechar o álbum, The Unbeliever, com boas pitadas progressivas, com arranjos de violões que combinam perfeitamente, e um refrão muito bem elaborado. Na metade da, uma caída seguida maravilhosa com o baixo de Steve Harris pulsante como de costume e solos com as assinaturas de Murray e Gers!

X-Factor mostra o lado sombrio do Iron Maiden, influenciado pelos problemas que seu lider Steve Harris passou em sua vida, que conseguiu transformar em músicas sensacionais. Um álbum que o próprio Steve Harris admitiu ter sido o melhor que ele já compôs, ao lado de Seventh Son of A Seventh Son e The Number of the Beast.

Também vale destacar que X-Factor foi um dos melhores trabalhos de Blaze Bayley em sua carreira. Um álbum que foge dos padrões do Iron Maiden, com pitadas progressivas, que atualmente são usadas nos mais recentes álbuns da banda, e que de forma injusta foi "desconsiderado" por muitos, porém, como dito no começo desse texto, se fosse com Bruce Dickinson, seria exaltado de outra forma!

Com certeza um dos grandes álbuns da história do Iron Maiden e também do heavy metal!


Outras resenhas de X-Factor - Iron Maiden

null




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Iron Maiden"Todas as matérias sobre "Blaze Bayley"


Iron Maiden em Campinas: O dia em que o Brinco de Ouro virou campo de guerraRock in Rio 2019: apenas 2 dias do festival estão com ingressos esgotadosBruce Dickinson: em vídeo, um review da autobiografiaIron Maiden: Nicko McBrain não usa pedal duplo pois já acha um difícil o bastanteIron Maiden: cinco versões do clássico "Hallowed Be Thy Name"Iron Maiden: Nicko McBrain toca bateria em banda tributo em Nashville; assistaBruce Dickinson: review da autobiografia Pra Que Serve Esse Botão?Iron Maiden: o brilhante e conceitual Seventh Son of a Seventh Son (vídeo)Vlog Rock: A saga de Charlotte, a prostituta do Iron MaidenCollectors Room: a controversa volta às raízes do Iron Maiden (vídeo)Iron Maiden: local do show diz que fã agrediu segurança antes de ser espancado

Iron Maiden: Dickinson relata em show que seguranças agrediram fã na plateia; vídeoIron Maiden
Dickinson relata em show que seguranças agrediram fã na plateia; vídeo

Iron Maiden: banda fecha parceria com cervejaria curitibana BodebrownIron Maiden
Banda fecha parceria com cervejaria curitibana Bodebrown

Rock in Rio 2019: Iron Maiden prefere tocar mais cedo, diz guitarrista do ScorpionsRock in Rio 2019
Iron Maiden prefere tocar mais cedo, diz guitarrista do Scorpions

Rock in Rio: festival explica por que o Iron Maiden toca antes do ScorpionsRock in Rio
Festival explica por que o Iron Maiden toca antes do Scorpions

Iron Maiden: Gastão Moreira repassa as vindas da banda ao BrasilIron Maiden
Gastão Moreira repassa as vindas da banda ao Brasil

Steve Harris: Cresci amando o som do rock progressivo!Steve Harris
"Cresci amando o som do rock progressivo!"

Iron Maiden: treze integrantes quase desconhecidosIron Maiden
Treze integrantes quase desconhecidos


Mr Catra: Uma lista das suas maiores influências no rock (vídeo)Mr Catra
Uma lista das suas maiores influências no rock (vídeo)

Dream Theater: os segredos do álbum OctavariumDream Theater
Os segredos do álbum Octavarium

Kiss x Secos & Molhados: o fim da polêmicaKiss x Secos & Molhados
O fim da polêmica

Guitarristas: os sete mais influentes de todos os temposSeparados no nascimento: James Hetfield e Mano MenezesIron Maiden: turnê foi arranjada conforme o mundial de SnookerTony Iommi: "não sei como criei aqueles riffs"

Sobre Edilson Luiz Piassentini

Amante do metal desde os 13 anos de idade, fã indiscutível de King Diamond e Mercyful Fate, e também um grande apreciador das cervejas estilo Weiss e um dos editores do site Rock N'Breja! Rock e Cerveja, a combinação perfeita.

Mais matérias de Edilson Luiz Piassentini no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336