Matérias Mais Lidas

Mamonas Assassinas: a história por trás do enigmático CreuzebekMamonas Assassinas
A história por trás do enigmático "Creuzebek"

Robert Fripp: veja cover de Welcome to the Jungle com esposa segurando halteresRobert Fripp
Veja cover de "Welcome to the Jungle" com esposa segurando halteres

Guns N' Roses: Axl entendia que as coisas mudaram, mas Slash tinha virado um personagemGuns N' Roses
Axl entendia que as coisas mudaram, mas Slash tinha virado um personagem

Slayer: Faca feita com cordas de guitarra gera imagens que ninguém esperavaSlayer
Faca feita com cordas de guitarra gera imagens que ninguém esperava

AC/DC: a resposta inusitada de Supla quando perguntam se ele gosta da bandaAC/DC
A resposta inusitada de Supla quando perguntam se ele gosta da banda

Iced Earth: Jon Schaffer será extraditado para Washington; não há decisão sobre fiançaIced Earth
Jon Schaffer será extraditado para Washington; não há decisão sobre fiança

Nirvana: músico canadense muito parecido com Kurt Cobain faz sucesso no TikTokNirvana
Músico canadense muito parecido com Kurt Cobain faz sucesso no TikTok

Kiss: Gene Simmons diz que passou dos 70 anos por nunca ter bebido ou usado drogasKiss
Gene Simmons diz que passou dos 70 anos por nunca ter bebido ou usado drogas

Megadeth: quando a MTV ferrou a banda ao rejeitar clipe de A Tout Le MondeMegadeth
Quando a MTV ferrou a banda ao rejeitar clipe de "A Tout Le Monde"

Alexi Laiho: A banda de metal do céu agora tem um guitarrista solo, afirma MustaineAlexi Laiho
"A banda de metal do céu agora tem um guitarrista solo", afirma Mustaine

Enjaulados: Os crimes mais chocantes da história do rockEnjaulados
Os crimes mais chocantes da história do rock

Faith No More: todas as faixas do magnífico The Real Thing, da pior para a melhorFaith No More
Todas as faixas do magnífico "The Real Thing", da pior para a melhor

Shaman: quando Andre Matos desmaiou durante show em Belo Horizonte, em 2018Shaman
Quando Andre Matos desmaiou durante show em Belo Horizonte, em 2018

Slash: por que ele usa óculos escuros o tempo todo?Slash
Por que ele usa óculos escuros o tempo todo?

Rock in Rio: Produção afirma que datas estão mantidasRock in Rio
Produção afirma que datas estão mantidas


Matérias Recomendadas

Gibson: os 10 maiores bateristas de todos os temposGibson
Os 10 maiores bateristas de todos os tempos

Max Cavalera: Deveríamos ter demitido aqueles dois e mantido o nomeMax Cavalera
"Deveríamos ter demitido aqueles dois e mantido o nome"

Pink Floyd: dupla sertaneja desvirtua clássico da bandaPink Floyd
Dupla sertaneja desvirtua clássico da banda

As regras do New Metal/Nu-metal
As regras do New Metal/Nu-metal

As tatuagens de Rob Halford
As tatuagens de Rob Halford

Stamp
Tunecore

Skinflint: Não-masterizado, atípico e fiel ao metal tradicional

Resenha - Nyemba - Skinflint

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Willba Dissidente
Enviar Correções  

9


Desde que o JUDAS PRIEST lançou seu petardo "Sad Wings Of Destiny", em 1976, que temos todos os alicerces do Heavy Metal tradicional e com eles as limitações do estilo. Quase quatro décadas passadas, e muitos milhares de discos e músicas lançadas, poderia uma banda inovar respeitando as restrições do gênero? Em pouco menos de 33 minutos de seu mais novo disco, o quarto full-length, "Nyemba", o grupo botsuanês SKINFLINT esmerou seu "African Metal" ao máximo, com vias a definir-se mais enquanto grupo, sem perder de vista o peso, a magia e a intensidade do Heavy Metal. Em sua: características distintas do SKINFLINT foram potencializadas, mesmo aquelas bem diferenciadas, tornando "Nyemba" único e desafiador, mas nem nunca sair da esfera mais crua do Heavy Metal.

"Nyemba" é sinônimo de magia negra no ocidente, e o disco do SKINFLINT é conceitual (algo que o grupo já havia feito antes em "Ikwla"), centrado no surgimento da magia negra, na África oriental do século XIX. Para acompanhar a temática de clima pesado, o Cd vem com produção crua, não masterizada, o que deixa as canções mais barulhentas, naturais e próximas de uma audição ao vivo. Isso não significa um disco mal gravado ou mal mixado. Muito pelo contrário: todos os instrumentos apresentam timbres fortes, marcantes e explosivos - mas que não se sobrepõem; sendo a primeira vez que o SKINFLINT gravou álbum com duas abas de guitarras abertas (em boas palavras: com uma guitarra base e outra solo tocando ao mesmo tempo).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tendência já apresentada nos trabalhos anteriores, porém levada ao extremo aqui, todas as músicas de "Nyemba" tem construção atípica; fugindo daquele clássico esquema "canto, pré-refrão, refrão, canto, pré-refrão, refrão duas vezes, solo, refrão e fim". Na maioria das oitos músicas, o refrão aparece só final, sem repetição, e há mais de um espaço para solos de guitarra. Notável também é a ausência de músicas instrumentais ou vinhetas no trabalho. Outra recorrência anterior que se torna padrão é que todas as começam com uma introdução que vai se construindo; ora de maneira mais lenta, ora mais cadenciada, gerando passagens instrumentais de grande duração. Falando nisso, é impossível deixar de se notar que em todas as músicas há uma mudança grande na base da melodia das canções, as fazendo sentir como se fossem mais de uma composição no mesmo número.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em geral, os vocais de Giuseppe Sbrana estão se definindo para ríspido que beira o gutural, assim como seu estilo de solar está mais variado, demonstrando mais grooves, feelings e influências outras que não exclusivamente da escola do IRON MAIDEN (que se faz presente). A bateria de Sandra Sbrana aposta em viradas mais demoradas, com batidas mais rápidas que de outrora. O baixo de Kebonye Nkoloso continua um dos mais marcados e altos do Metal atual e é destaque por introduzir todas as músicas do disco e ainda ter paradinhas só suas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Direção em centrar as canções no Heavy Metal dos primórdios para dar peso às músicas é mote de "Nyemba", sendo tão perceptível quanto vela acesa em quarto escuro, despontando logo em "Veya", faixa-abertura. Significando "Fogo", a música sobre "negação de paternidade e maldição" abre o disco com sangue nos olhos e apresenta literalmente a proposta musical do SKINFLINT. Muita bateção de cabeça em partes alternadas, virtuosas e pegajosas. "The Pits of WHydah", sobre o famoso navio para trafico de escravos que naufragou com um tesouro, tem o solo de guitarra mais legal do disco. "Okove", ou "pingento mágico na forma do ser amado conjurado por bruxas" é a mesma do single anteriormente lançado, mas sem truques de pós-gravação (para acompanhar o restante do álbum) se tornando mais visceral. Estrategicamente colocada com terceira canção, ela funciona muito bem, pois sua introdução se desenvolve de maneira mais lenta que as anteriores. "Abiku", a faixa mais curta do disco, conta sobre uma sociedade sobrenatural em que espíritos encarnam para viver pouco no plano terreno (morrem crianças). O riff principal da canção é um dos mais simples e legais do álbum, por ser bem na medida entre peso e uma melodia legal de cantarolar.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A segunda metade do cd abre com "The Wizard and His Hound", a faixa preferida da banda e a mais arriscada do disco. Motivo? Ela começa e tem estrutura de um blues demônico; como "Violation" do THE RODS. Assim como nas anteriores, a estória do mago que enfrenta uma aparição malévola tem uma reviravolta para o Heavy Metal na segunda metade da canção. "Sinkinda", trata de um espírito que vêm assolar uma criança de sua família. "Muti" aborda um grupo de pessoas, que em dança ritual, é assassinado para se produzir um medicamento natural para salvar seu rei de enfermidade sobrenatural. Um ritual de magia negra em "The Witches Dances" encerra muito bem o trabalho. As três músicas começam com partes lentas, semi-baladas (a do meio tem sintetizador), que se desenvolvem por mais de um minuto antes da música ficar pesada e desembocar no Heavy Metal oitentista; sendo que essas partes mais calmas voltam, ou no meio ou no fim da música. Esse é, ao nosso ver, o único ponto negativo do disco, pois as estruturas semelhantes de longos instrumentais dedilhados e contidos podem vir a cansar o ouvinte; ou o atiçar mais para as partes mais pesadas das músicas. Isso depende dos gostos e percepções de cada headbanger. De fato, "Sinkinda" é a mais pesada das três e a última possui as partes Heavy mais proeminentes. "Muti" chama a atenção pelas palhetas rápidas do primeiro solo e o solo dobrado do meio; além do refrão "Muti Killing" - ao final - bem agitado.

A capa de "Nyemba" foi outra vez desenhada pela baterista Sandra Sbrana e mantém o mesmo traçado das anteriores; ao não ser pelo efeito computadorizado ao fundo do desenho. A parte artísitica é a mais rebuscada já produzida pelo SKINFLINT, encarte com oito páginas com letras sobre pedaços recortados da capa em efeito de preto e cinza, facilitando a leitura. A foto de contracapa brinca muito bem com as cores na foto do conjuntp; assim como a traseira do disco reaproveita o heptagrama do single de "Okove".

"Nyemba" não decepciona e agradará em cheio quem já é fã do SKINFLINT. Algumas músicas, como "Veya" e "Abiku", funcionam muito bem sozinhas, porém quem está chegando agora, ou não conhece muito fora das bandas mais famosas de metal pode estranhar as longas passagens instrumentais e pouco refrões que as composições apresentam. A característica de aliar o Heavy Metal tradicional à cultura popular e mitológica africana pode ser vista também no visual da banda: no look tão comum de couro apertado, o arrebites e correntes foram substituídos por "Mathowa", cintos e braceletes como colares usados nas danças rituais para produzir sons ao se bater com os pé no chão os usando. Concluímos que "Nyemba" pode não ser a introdução ideal à banda, mas com certeza é a evolução natural, não forçada, e muito bem vinda do "African Metal".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O Cd "Nyemba" pode ser comprado pelo site oficial do SKINFLINT (link ao final) de três formas: disco físico por U$D 12,00 mais taxas de envio, download legal por U$D 07,92, ou ainda cada música pode ser baixada separadamente por U$D 00,99. Na cotação de 16/09 os valore são, respectivamente: R$ 27,94, R$ 18,44 e R$ 02,31.

SKINFLINT:

Sandra Sbrana - Bateria
Guiseppe Sbrana - guitarra, vocais e sintetizadores
Kebonye Nkoloso - baixo

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Discografia:

Massive Destruction (Cd, 2009)
Ikwla (Cd, 2010)
Gauna (EP, 2011)
Dipoko (Cd, 2012 / 2013)
Okove (Single digital, 2013)
Nyemba (Cd, 2014)

"Nyemba", Importado, Independete, 32:52.

1. Veya (03:45)
2. The Pits of Wydah (03:29)
3. Okove (04:05)
4. Abiku (03:07)
5. The Wizard and His Hound (03:57)
6. Sinkinda (04:45)
7. Muti (05:09)
8. The Witches Dance (04:35)

Sites relacionados:

http://www.skinflintmetal.com/
https://www.facebook.com/SKINFLINTMETAL
https://twitter.com/skinflintmetal
https://itunes.apple.com/us/artist/sk
http://www.amazon.co.uk/Dipoko/dp/B00

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Malvada
Dead Daisies
Como consegui viver de Rock e Heavy Metal
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


África: lá também tem Metal, conheça algumas bandasÁfrica
Lá também tem Metal, conheça algumas bandas


Bullet For My Valentine: vocal detonou Guns em turnêBullet For My Valentine
Vocal detonou Guns em turnê

Humor: as 101 regras do New Metal/Nu-metalHumor
As 101 regras do New Metal/Nu-metal


Sobre Willba Dissidente

Willba Dissidente é fã das bandas de hard rock dos anos 70 e 80 e de metal oitentista dos mais variados países. Quem quiser saber mais deve acessar seu canal no youtube. Obrigado! Stay Hard (True As Steel)!

Mais matérias de Willba Dissidente no Whiplash.Net.