RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemA atitude punk da Legião Urbana que causou irritação e deu trabalho na gravação

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemO conselho realista de John Petrucci para bandas que estão começando agora

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo

imagemO que faltou para o Overkill entrar no "Big Four" do thrash, segundo D. D. Verni

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words


Boris: Concorrendo com um dos melhores discos do ano

Resenha - Noise - Boris

Por Alisson Caetano
Postado em 30 de agosto de 2014

Nota: 9

Noise: n1 alarido, barulho, som. 2 clamor, vozearia. 3 rumor, escândalo vt+vi fazer barulho, alarde. Estilo musical que utiliza majoritariamente sons considerados, em circunstâncias comuns, desconfortáveis ou irritantes.

O nome do décimo nono disco de estúdio dos japoneses do BORIS chega até a ser irônico para quem já o ouviu com calma, pois, definitivamente o que se ouve em seus quase 60 minutos não chega nem perto das definições descritas acima.

Passeando livremente por estruturas psicodélicas, pitadas de stoner e até pop e shoegaze, é um trabalho que se difere por completo de qualquer disco anteriormente gravado pelos japoneses. O drone característico de seus discos mais lembrados quase não dá as caras aqui.

"Melody" é a definição perfeita da música que nomeia: extremamente melódica, de vocais doces e riffs marcantes, mas sem deixar de serem pegajosos, além de um clima space rock para arrematar o conjunto. "Vanilla" segue com uma pegada mais stoner, com os mesmos vocais pops e o clima psicodélico visto anteriormente.

"Ghost of Romance" é uma balada psicodélica de levada tranquila, vocais interpretativos e riffs novamentes remetendo a space rock, com influências diretas de DAVID GILMOUR.

"Heavy Rain" traz o contraste maravilhoso entre os riffs doom metal e o baixo monolítico com a delicada interpretação vocal de Wata, criando uma música com um clima perturbadoramente emocional.

Você pode até se assustar (assim como eu) com a introdução de "Taiyo no Baka", com toda a pinta de música pop da Disney. É só a introdução, pois acaba se convertendo em um bom pop rock suave e, claro, com a onipresente influência psicodélica.

A parte final do disco inicia-se com "Angel", com 16 minutos inspirados em PINK FLOYD, com passagens que inspiram contemplação pelas notas tiradas da guitarra até turbulências em suas partes mais pesadas, finalizando como um ciclo, exatamente de onde começou.

"Quicksilver" junta duas músicas em uma só. A primeira é um hardcore punk de andamentos velozes, vocais furiosos que servem de balanço para vocais melodiosos. A segunda parte é instrumental e apresenta um dos poucos momentos inspirados em drone do disco todo. Boa música que, mesmo destoando completamente do conteúdo anterior, não se mostra desnecessária.

A faixa que serve de encerramento é "Siesta", instrumental que segue os mesmos passos de "Angel", porém, dessa vez, mais soturna, fazendo uso de notas graves e toques sutis de percussão.

Quem conhecia de outras datas o BORIS pode até se surpreender com a sonoridade abordada em Noise, de longe um dos discos mais comerciais do grupo. Inegável é a sua qualidade, independente do gênero que ele se enquadre. Sentimental, psicodélico e repleto de passagens reflexivas, transformam esse disco, desde já, em um dos discos que terão presença quase certa em listas de melhores do ano.

Tracklist:

1. Melody
2. Vanilla
3. Ghost of Romance
4. Heavy Rain
5. Taiyo no Baka
6. Angel
7. Quicksilver
8. Siesta

Lineup:

Takeshi: baixo / guitarra / vocal
Atsuo: bateria / vocal
Wata: guitarra / vocal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Japão: em vídeo, as dez maiores bandas de Metal do país


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Alisson Caetano

Reside no município de Santo Antônio da Platina, PR. Apreciador de música de qualidade, independente do estilo (com maior ênfase nos sons extremos). Redator no blog iniciante The Freak Zine, além de enviar alguns materiais para o Whiplash.
Mais matérias de Alisson Caetano.