Matérias Mais Lidas

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemIggor Cavalera diz que reunião da formação clássica do Sepultura seria incrível, mas...

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"

imagemQuando Jimi Hendrix chamou Eric Clapton para subir no palco e afinar sua guitarra

imagemJoão Gordo diz que não torce pela seleção brasileira de futebol

imagemTravis Barker, do Blink-182, é hospitalizado às pressas e filha pede orações

imagemNovo clipe do Megadeth foi filmado no litoral de São Paulo, veja fotos

imagemCinco nomes do heavy metal que já gravaram músicas do ABBA

imagemO clássico dos Paralamas que Gilberto Gil escreveu a letra e ditou pelo telefone

imagemAvenged Sevenfold e o álbum do Guns N' Roses que deveria ser mais valorizado

imagemMike Portnoy e a música do Rush que virou um grande sucesso do Guns N' Roses

imagemKerry King explica por que não assumiu o posto de guitarrista do Megadeth

imagemCuecão de couro: Rob Halford posa com suas "great balls of fire" em camarim

imagemVeja diz que David Coverdale só passa vergonha nas redes sociais


Marilyn Manson: álbum é um clássico moderno segundo Metal Hammer

Resenha - Holy Wood (In the Shadow of the Valley of Death) - Marilyn Manson

Por Narcissus Narcosis
Fonte: Metal Hammer
Em 17/08/14

Entre o lançamento de "Antichrist Superstar" (1996) e o ano 2000, MARILYN MANSON criou um nome para si mesmo muito além dos parâmetros do mundo do rock e do metal, em quatro anos de terror religioso, expressão sexual (aquela capa do "Mechanical Animals" me apavorou quando era garoto) e nudez do traseiro toda vez que foi possível. MANSON não apenas se tornou o maior nome do metal como também um dos mais quentes em Hollywood, além de um vilão de renome mundial. Esse não é o cara que nos fazia escalar em nossas TVs porque os deuses no programa "Later...With Jools Holland" não o consideraram digno de um slot ou todo mundo assistindo ao METALLICA encabeçando o Glastonbury. Esse cara foi além disso ou de ser um fenômeno cultural de boa fé. Ele foi ao Letterman, foi fotografado nos tablóides com uma série de belas mulheres do cinema e da TV e, francamente, ele horrorizou a merda sempre amorosa no meio da América e fora dela. Vocês todos devem saber da controvérsia que cercou MANSON e a censura estúpida à sua arte e persona pela tragédia sem sentido que ocorreu em Columbine, mas que fez MANSON se tornar uma relutante figura odiada mundialmente (até o The Sun publicou um artigo de ódio ao MANSON). Em consequência, e com os olhos do mundo sobre ele, o cantor devolveu essa obra de arte com 19 canções.

Retornando aos solos mais industriais e metálicos após o flerte com o glam rock e o eletrônico dos anos 90 (que não envelheceram bem, de fato), "Holy Wood" foi um álbum sombrio e compreensivelmente colérico, mas a sua força pode ser encontrada em suas camadas. Musicalmente, é um disco complexo que vai dos tiros na cabeça de fora-a-fora em "The Fight Song" e "Disposable Teens" ao balanço da sedução autoritária em "GodEatGod" e a ultrassinistra "Cruci-Fiction in Space".

"Antichrist Superstar" pode ser anárquico e voltado à selvageria, mas "Holy Wood" é um exercício psicológico perturbador que canaliza as profundezas da música. Se você quer ler mais sobre o assunto e ver o quanto de pensamento e empenho foi aplicado na criação de "Holy Wood..(In the Valley of the Shadow of Death)", reserve um par de horas e confira o website The Nachtkabarett para detalhes no simbolismo usado em toda a artwork do álbum e dos temas, e para ganhar um conhecimento maior nesse álbum conceitual sobre a cultura americana.

Trazendo as coisas de volta ao básico, tudo em "Holy Wood" é muito legal. A capa que traz o MANSON sem mandíbula em uma pose de crucificação é tão má quanto a cobertura difamatória retratada na mídia sobre ele naquele momento. O vídeo que acompanhou "Disposable Teens" - com o MANSON em uma variedade de disfarces, incluindo um Papa diabólico e um monstro de 40 metros - foi grotesto e teatral de uma forma que só o metal pode ser, mas o clipe de "The Nobodies" pareceu encapsular toda a escuridão do MANSON perfeitamente e, música e visualmente, é um dos melhores vídeos já feitos. Luz estranha, roupas fantásticas e técnicas de câmera e uma inesquecível performance do MANSON emergindo da neve com chifres de veado e antebraços feitos com galhos e gritando na cara de um cachorro que rosna. Todo esse conjunto para a trilha sonora do que é um dos maiores hinos do MARILYN MANSON e que concentra tudo o que de melhor ele tinha naquela época.


MARILYN MANSON sempre será um fenômeno pelo seu trabalho em "Holy Wood" e para a virada do século, com uma série de três álbuns. Os temas de cólera, desprezo e ódio de "Antichrist Superstar" deu lugar à droga propelida elegantemente ao sabor de "Mechanical Animals" antes de atingir o seu zênite criativo em "Holy Wood". Depois de ser submetido a julgamento, se não literalmente, então certamente por caça às bruxas da mídia, MANSON estufou o peito e revelou um álbum que resiste ao teste do tempo depois de quase 15 anos do seu lançamento original. Descasque as camadas, mergulhe nos temas e ideologias do álbum e nessa jornada sinistra novamente. É realmente um presente que ele continua a nos dar.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

imagemOs dois rockstars que mais perderam fãs em 2021, segundo pesquisa




Sobre Narcissus Narcosis

Narcissus Narcosis é fã de Marilyn Manson desde o final dos anos 90 e tirou o seu nome de uma música do cantor. Além do roqueiro, também é apreciador de literatura, cinema, filosofia, psicologia, teatro, shows, etc.

Mais matérias de Narcissus Narcosis.