République du Salém: RocknRoll contagiante e muito bem trabalhado

Resenha - O fim da linha não é o bastante - République du Salém

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Felipe Cipriani Ávila
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


A banda paulistana République du Salém passeia por vários subgêneros do rock'n'roll, focando na sonoridade e visual da prolífica e inspirada década de setenta. As influências da banda são vastas, indo desde nomes como Led Zeppelin, Jimi Hendrix, The Allman Brothers Band, até a banda brasileira Os Mutantes. Lançado em abril de 2013, "O Fim da linha não é o bastante" é um trabalho que possui predicados de sobra.

Pantera: o surreal e constrangedor funeral de Dimebag DarrellMetallica: a habilidade com as baquetas de James Hetfield

Produzido por Brendan Duffey e Adriano Daga no Norcal Studios, localizado em São Paulo, no ano de 2012, "O Fim da linha não é o bastante" é fruto de muito trabalho e comprometimento, e o álbum por si só comprova tal afirmação com folga até mesmo para os mais céticos. A qualidade das composições, que mesclam várias sonoridades, indo do rock clássico, southern rock, folk, hard rock, até elementos de rock mais modernos, é bastante elogiável, fazendo com que esta não pareça ser a estreia em estúdio do conjunto, tamanho entrosamento, profissionalismo e criatividade.

O álbum já se inicia com uma música de alto nível, com uma introdução muito contagiante e repleta de energia. "Cidadão Kane" é magnífica em vários sentidos, seja no andamento e nas linhas vocais inspiradas e fortes, seja na ótima letra ácida, crítica, inteligente e muito bem construída. O ouvinte é brindado com todos os elementos que fazem do rock'n'roll como um todo um gênero apaixonante e singular, já que há ótimos riffs e solos de guitarra, aliados a uma cozinha muito competente e entrosada. E que solo final de guitarra, simplesmente excepcional e muito bem trabalhado! Um dos melhores petardos do trabalho!

Em "Corpo achado, bala perdida" temos um hard rock setentista pesado, que mistura muitas influências musicais, contando com um espetáculo à parte no que diz respeito às linhas vocais, que logo "grudam" na mente, principalmente no refrão vigoroso e marcante. Por outro lado, "Apenas uma canção de amor", como o próprio nome se pode fazer supor, é uma balada que logo chama atenção pela junção de bonitas melodias vocais e instrumentais. Há um solo de guitarra belíssimo e muito melódico, que deixa tudo ainda mais emotivo. Além do ótimo trabalho vocal de Davi Stracci, temos na faixa em questão a participação da cantora americana de gospel/bluegrass Rachael Billman, abrilhantando tudo ainda mais, na parte da letra escrita em inglês. Após uma canção tão apaixonante e delicada, logo somos "sacolejados" de jeito por um blues rock muito animado, com outra letra muito inteligente e atual, que versa sobre a alienação da sociedade moderna, que fica cada vez mais prisioneira do cotidiano e da mesmice. O vocalista Davi Stracci, mais uma vez, mostra o seu talento através de criativas e versáteis linhas vocais. Aliás, todos os músicos merecem menção e elogios, por serem muito habilidosos e dinâmicos. Outro ótimo solo de guitarra, para variar! "Sem hora pra voltar", inclusive, conta com um videoclipe muito bem produzido e interessante, que combina muito bem com a mensagem contida na letra.

As duas últimas faixas do play são repletas de qualidade. Em "Os homens" temos a segunda balada, que cativa prontamente pelas ótimas linhas vocais e pelo bonito e introspectivo solo de guitarra de Guido Lopes, que "toca na alma". Enquanto que "Expresso 212" logo explode após uma introdução mais lenta. Pesada, encorpada, classuda, são muitas formas de descrevê-la! Só ouvindo com atenção mesmo para compreender tantos elogios!

O trabalho foi tão bem recebido pelo público e crítica especializada que oito meses após o seu lançamento oficial já foi indicado para o Grammy latino na categoria de "melhor álbum de rock" do ano passado, ficando entre as cinquenta melhores bandas do país, superando bandas ativas há muito mais tempo.

É gratificante ouvir um trabalho tão bonito, bem trabalhado e com músicos tão talentosos e criativos. Tudo é elogiável, seja a arte de capa a cargo de Tiago Stracci, as belas e memoráveis canções, até a parte lírica muito inteligente e instigante. Permita-se entrar nesse trem, pois, posso te garantir, caro leitor, você não se arrependerá da viagem!

Confira o videoclipe da faixa "Sem hora pra voltar":

Formação da banda:
Davi Stracci - Vocal
Guido Lopes - Guitarra, violão e piano
Marcio Albano - Contrabaixo
Raul Lino - Bateria e Backing vocal

Faixas:
1 - Cidadão Kane
2 - Corpo achado, bala perdida
3 - Apenas uma canção de amor
4 - Sem hora pra voltar
5 - Os homens
6 - Expresso 212




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Republique du Salem"


Pantera: o surreal e constrangedor funeral de Dimebag DarrellPantera
O surreal e constrangedor funeral de Dimebag Darrell

Metallica: a habilidade com as baquetas de James HetfieldMetallica
A habilidade com as baquetas de James Hetfield


Sobre Felipe Cipriani Ávila

Headbanger convicto e fanático, jornalista (graduado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUC Minas), colecionador compulsivo de discos, não vive, de modo algum, sem música. Procura, sempre, se aprofundar no melhor gênero de música do mundo, o Heavy Metal, assim como no Rock'n'Roll, de um modo geral, passando pelo clássico, pelo progressivo, pelo Hard setentista e oitentista, e não se esquecendo do Blues. Play It Loud!

Mais matérias de Felipe Cipriani Ávila no Whiplash.Net.

adGooILQ