Matérias Mais Lidas

Massacration: quando Kiko Loureiro criticou a banda - e supostamente arregou para elesMassacration
Quando Kiko Loureiro criticou a banda - e supostamente arregou para eles

Troca-troca: dez músicos que mudaram de instrumento ao longo da carreiraTroca-troca
Dez músicos que mudaram de instrumento ao longo da carreira

Ripper Owens: vocalista afirma que foi infectado pela Covid-19 mesmo usando máscaraRipper Owens
Vocalista afirma que foi infectado pela Covid-19 mesmo usando máscara

Led Zeppelin: quanto eles conseguiam arrecadar por show no auge da bandaLed Zeppelin
Quanto eles conseguiam arrecadar por show no auge da banda

Metallica: Ross The Boss se arrepende por não ter aproveitado chance de produzir a bandaMetallica
Ross The Boss se arrepende por não ter aproveitado chance de produzir a banda

Nita Strauss: com background atlético, guitarrista considera carreira na WWENita Strauss
Com background atlético, guitarrista considera carreira na WWE

Helloween: Andi Deris relembra Andre Matos e participação em DVD do ShamanHelloween
Andi Deris relembra Andre Matos e participação em DVD do Shaman

Bruce Dickinson: viralizando ao cantar 4 segundos de Heaven and Hell, do SabbathBruce Dickinson
Viralizando ao cantar 4 segundos de "Heaven and Hell", do Sabbath

Charlie Brown Jr: O Champignon contou que ficou armado na frente do AP do ChorãoCharlie Brown Jr
"O Champignon contou que ficou armado na frente do AP do Chorão"

1984: 15 grandes discos lançados em um dos anos mais impressionantes da música pesada1984
15 grandes discos lançados em um dos anos mais impressionantes da música pesada

Psicografia: uma suposta carta do espírito de Cássia EllerPsicografia
Uma suposta carta do espírito de Cássia Eller

Kerrang!: Os 12 álbuns mais subestimados da década de 90Kerrang!
Os 12 álbuns mais subestimados da década de 90

Thrash metal: dez grandes álbuns do estilo que foram lançados em 1990Thrash metal
Dez grandes álbuns do estilo que foram lançados em 1990

Michael Kiske: ouvi The X Factor do Iron Maiden com Adrian Smith e não entendemosMichael Kiske
"ouvi The X Factor do Iron Maiden com Adrian Smith e não entendemos"

Nirvana: Dave Grohl não imaginou que banda fosse alcançar tanto sucesso com NevermindNirvana
Dave Grohl não imaginou que banda fosse alcançar tanto sucesso com "Nevermind"


Stamp
Pentral

Vanden Plas: "Colour Temple" é um álbum deslocado no tempo

Resenha - Colour Temple - Vanden Plas

Por MATHEUS BERNARDES FERREIRA
Em 15/11/13

Vanden Plas é uma banda de prog metal de Kaiserslautern, Alemanha, formada em meados da década de 80 e que só veio a lançar seu primeiro álbum, Colour Temple, em 1994. Por mais que a sonoridade da banda possa ser primeiramente comparada a do Dream Theater, neste álbum de estréia as influências dos alemães são bem mais abrangentes.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Uma orquestração com clima de agradável apreensão abre Father. De súbito surge um ótimo riff de guitarra que soa clássico logo na primeira ouvida. A influência do hard rock oitentista é óbvia logo na primeira batida triggada da bateria, na forma básica de composição e nos singelos efeitos de teclado durante os refrãos. A guitarra de Stephen Lill está pesada e atribui à música um aspecto metálico autêntico. A voz nasalada de Andy Kuntz é original e, se é que possível compará-la, seria com a voz de Dave Mustaine nos graves e de Kai Hansen nos agudos. É de fato um timbre um tanto estranho à primeira ouvida, mas é uma questão de tempo para se acostumar, já que o rapaz possui ótimo alcance, domínio da voz e ousadia para cantar ao estilo dos ícones do Hard Rock. Bela abertura.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Após sinistros efeitos de teclado, um riff de speed metal à la seus conterrâneos Helloween soma-se à batida triggada da bateria. A diferença entre Push e Father é apenas no tom, pois a pegada é a mesma. Os versos são excelentes, os refrãos contagiantes muito lembram os tipicamente cantados pelos também alemães Scorpions. A faixa agrada em sua fórmula direta e acessível. O ritmo esfria em When the Wind Blows com guitarras acústicas e versos suaves, mas não se trata de uma balada. A faixa é longa e muito técnica, e possui diversas mudanças de ritmo e melodias, porém, em nenhum momento chega a empolgar. O destaque fica por conta da boa performance de Andy Kuntz e pelo ambiente nostálgico que os teclados imporam durante vários trechos da faixa e que lembram passagens do mítico Operation Mindcrime do Queensryche.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Impressiona como My Crying abre com um riff muito parecido com o da música Angels Cry do Angra. A faixa alterna versos lentos e refrãos melódicos grudento. Música eficiente e acessível, o single do álbum. Já Soul Survives é o oposto. Música longa e técnica que possui total influência do Images and Words do Dream Theater. A introdução em piano remete a Wait for Sleep, a primeira linha de teclado que se ouve é quase um plágio de Learning to Live, o riff dos versos é pouco menos que idêntico ao de Under a Glass Moon. Enfim, a música toda soa Images And Words. Neste caso a similaridade sonora não é creditada a uma mera questão de influência, mas sim de cópia descarada de uma fórmula vencedora. De qualquer forma, a música agrada e tem um dos melhores refrãos do álbum.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Mesmo para uma balada, Anytime soa letárgica demais, de melodias sem inspiração e pecando por ser excessivamente longa. Até metade da música só ouvimos simplórios dedilhados de guitarra acústica e o romântico vocal de Andy. Na segunda metade a música agita um pouco com a distorção das guitarras, com a adição de melodramáticas camadas de teclado e de solos que não levam a lugar nenhum, o que de modo algum redime esta fraca música. Judas já é uma música de batida forte e riffs marcantes e faz jus ao seu nome ao vibrar seu heavy metal à la Judas Priest. A pegada da música sugere alguém correndo ou em perseguição, como na faixa The Needle Lies do Queensryche. Destaque para a ótima seção instrumental e novamente para a boa performance de Andy Kuntz, que canta em tons mais altos sem nunca soar enfadonho.

Voltando à forte influência hard rock oitentista, Back to Me caracteriza-se pela simplicidade dos riffs e pelo refrão grudento. A passagem instrumental chega a ser grosseira de tão simples e vaga. Deve agradar apenas aos fãs mais entusiastas do gênero. Quando How Many Tears abre apenas com guitarra acústica e voz, fica a sensação de frustração pelo álbum fechar com outra balada fraca e longa, mas definitivamente não é o que acontece aqui. Temos guitarras sem peso na maior parte do tempo, sim, e por mais que a música seja cadenciada e evolui muito lentamente, todas as suas partes são muito bem executadas e perfeitamente encaixadas entre si. A música é suave, flui maravilhosamente e possui o mais belo refrão do álbum. Andy Kuntz é um show à parte, parece tentar incorporar um mesclado de Ian Gillan com Rober Plant, ao seu modo, é claro. Destaque também para a onírica passagem de piano que finaliza a seção instrumental.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Datado de meados da década de 90, Colour Temple é um álbum deslocado no tempo. Ressentido por ter sido deixado para trás, cada música aqui presente é peça de um mosaico da cultura metálica do final dos anos oitenta. O álbum presta tributo aos grandes ícones daqueles tempos e, em alguns momentos, pode até ser confundido com um álbum de covers tamanho a semelhança musical com as bandas a quem ele se refer. É evidente a crise de identidade do grupo, entretanto, eles não demonstram limitações técnicas graves e de modo algum faltou disposição. A melhor performance individual é sem dúvida alguma de Andy Kuntz por sua criatividade no uso da voz, sendo possivelmente o único elo de ligação entre todas as faixas do álbum. Recomendado para os fãs nostálgicos do metal oitentista, mas que não abrem mão de boa técnica e experimentações.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Vanden Plas
Colour Temple, 1994
Heavy Prog Metal (Alemanha)

Lista de músicas:

Father (5:38)
Push (4:15)
When The Wind Blows (7:10)
My Crying (5:25)
Soul Survives (9:05)
Anytime (7:06)
Judas (6:01)
Back To Me (5:30)
How Many Tears (8:19)

Tempo total: 58:29

Músicos:

Andy Kuntz / vocal
Stephan Lill / guitarra
Andreas Lill / bateria
Torsten Reichert / contrabaixo
Gunter Werno / Teclado

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Arte Musical
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Vanden Plas: Metal Mantra Podcast resenha "The Ghost Xperiment - Illumination"


Metallica, Guns, Slipknot, Kiss: tombos, erros e fatos engraçadosMetallica, Guns, Slipknot, Kiss
Tombos, erros e fatos engraçados

Heavy Metal: os maiores álbuns da história para os gregosHeavy Metal
Os maiores álbuns da história para os gregos