Rob Zombie: seu melhor disco desde "Hellbilly Deluxe"

Resenha - Venomous Rat Regeneration Vendor - Rob Zombie

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A agenda de Rob Zombie tem andado bastante atribulada nos últimos anos. Afinal, desde que o sujeito se tornou ator, roteirista, diretor de cinema, produtor e mesmo quadrinista eventual, imagino que esteja cada vez mais difícil encontrar um espaço para a sua atividade inicial, aquela que o tornou de fato reconhecido: a de músico. Três anos depois de seu último álbum de inéditas, Zombie aproveita o seu próprio selo musical, o Zodiac Swan, e faz uma dobradinha: apenas quatro dias depois do lançamento de seu novo filme, “The Lords of Salem”, eis que ele coloca nas lojas o delicioso “Venomous Rat Regeneration Vendor”. O resultado musical é uma pérola que está muito mais próxima, em termos de estilo e originalidade, de seu “Hellbilly Deluxe”, o principal álbum de sua carreira solo, do que efetivamente a sua continuação oficial, lançada em 2008. Dá até para arriscar dizer que “Venomous Rat Regeneration Vendor” finca ainda mais os pés na sonoridade do White Zombie, banda que Rob liderou com sucesso na década de 90.
1964 acessosGhost: banda lança roupas em parceria com a Fright-Rags5000 acessosMemoráveis como a música: os 25 melhores logos de bandas

A fórmula de Zombie é um caldeirão alucinado de heavy metal, rock industrial, uma pitada de funk, remixes e música eletrônica. As letras revisitam a típica obsessão do cantor com os filmes de terror B, falando sobre monstros, celebrações macabras e sexo satânico sempre com uma pitada daquele humor negro típico das produções dos anos 70/80. Para entender o conceito, nada melhor do que prestar atenção ao primeiro single, a faixa de título intricado “Dead City Radio and the New Gods of Supertown” (que, aliás, gerou um delirante videoclipe, um dos melhores do ano). Enquanto o vocalista coloca sua voz grave para cantar de maneira quase falada, narrada, daquele mesmo jeitão no qual começou a apostar ainda na época do Withe Zombie, a canção oferece uma viagem metálica quase anos 70, alucinada e alucinante. Outro destaque é a festiva (e de título igualmente indecifrável) “Ging Gang Gong De Do Gong De Laga Raga”, loucura contagiante que imediatamente dá vontade de cantar e dançar junto, numa pista de dança escura e com luzes estroboscópicas bombando a todo vapor. O verso “High on the fumes and high on the gas” é a indicação mais clara: estamos diante de uma espécie de Cheech & Chong com esteroides.

A formação de sua banda de apoio parece ser, de longe, a mais azeitada de sua carreira: além dos riffs repletos de efeitos de John 5 (basta ouvir a piração de barulhinhos que abre “Behold the Pretty Filthy Creatures!”), Zombie recrutou outro egresso do grupo que acompanhava Marilyn Manson, o talentoso Ginger Fish, para assumir as baquetas. Ele soube incorporar com perfeição os grooves ao mesmo tempo bombásticos e praticamente dançáveis que sempre caracterizaram o trabalho de Rob Zombie. A combinação potente que ele faz com o baixo de Piggy D. em “Revelation Revolution”, por exemplo, chega a ser quase essencialmente música eletrônica, um house pesado apoiado em uma batida única e repetitiva.

Destaque ainda para o cover, selecionado a dedo, do clássico do Grand Funk Railroad, “We’re An American Band”. Quem soube da escolha, torceu o nariz à primeira vista. Bobagem. O resultado é gostoso demais de se ouvir – Zombie diminui o andamento, deixa as guitarras obviamente mais pesadas, capricha no vozeirão monstruoso e até insere uns efeitos sonoros para dar a impressão de que é uma faixa gravada ao vivo. E um detalhe curioso, para aqueles mais minuciosos: no verso “Up all night with Freddie King I got to tell you, poker's his thing”, em que é mencionado o guitarrista de blues, Zombie faz uma troca sutil, colocando o nome de Kerry King, do Slayer, no lugar. Sintomático.

Para você entender, em resumo: “Hellbilly Deluxe” é a grande obra-prima da carreira de Rob Zombie pós-White Zombie. “Venomous Rat Regeneration Vendor” é, pelo menos até o momento, o seu melhor disco desde “Hellbilly Deluxe”. Diversão furiosa, na melhor acepção da expressão.

Tracklist:
Teenage Nosferatu Pussy
Dead City Radio and the New Gods of Supertown
Revelation Revolution
Theme for the Rat Vendor (Instrumental)
Ging Gang Gong De Do Gong De Laga Raga
Rock and Roll (In a Black Hole)
Behold, the Pretty Filthy Creatures!
White Trash Freaks
We're An American Band (Grand Funk Railroad cover)
Lucifer Rising
The Girl Who Loved The Monsters
Trade in Your Guns for a Coffin

Line-up:
Rob Zombie – Vocal
John 5 – Guitarra
Piggy D. – Baixo
Ginger Fish – Bateria

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

1964 acessosGhost: banda lança roupas em parceria com a Fright-Rags0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Rob Zombie"

Judas PriestJudas Priest
John 5: "Rob Halford mudou o visual e o som do Heavy Metal!"

Rob ZombieRob Zombie
Vovô de 82 anos agora manda "Dragula" na TV

Fascínio pelo terrorFascínio pelo terror
Cinco bandas que dão medo

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Rob Zombie"

Bandas de rockBandas de rock
O logo pode ser tão memorável quanto o maior hit

Guns e SabbathGuns e Sabbath
Semelhanças entre faixas clássicas das bandas

Collectors RoomCollectors Room
Uma das mais invejáveis coleções de metal do Brasil

5000 acessosSlipknot: Qual é o significado e a tradução do nome da banda?5000 acessosHard Rock: as 100 maiores bandas do estilo segundo a VH15000 acessosAC/DC: setlist, fotos e vídeos do show arrasador com Axl Rose5000 acessosLinkin Park: "Perdemos fãs ao longo do caminho intencionalmente"2282 acessosCompact Disc: como e por qual motivo nasceu o revolucionário formato4174 acessosPower Ballads: as 10 maiores de todos os tempos

Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online