Deventter: não mais como uma promessa, mas como uma realidade

Resenha - Empty Set - Deventter

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Junior Frascá
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Com dois discos já lançados (os excelentes "The 7th Dimension" e "Lead... On") o DEVENTTER se mostrou uma das bandas mais promissoras do cenário do metal progressivo nacional, conseguindo ótimas críticas na imprensa especializada, e boa aceitação entre os fãs. E nesse mês de maio a banda acaba de soltar seu 3º disco (disponível para download integral no site oficial da banda), para consolidar de vez seu nome na cena, não mais como uma promessa, mas como uma realidade.

Curiosidade: artistas que odeiam suas próprias músicasHall Of Fame: 500 Músicas Que Marcaram o Rock and Roll

"Empty Set" foi produzido pela dupla Adriano Daga e Brendan Duffey, que soube captar a essência da banda de forma fantástica, e mostra uma diversidade de elementos discrepantes unidos de forma tão homogênea que fica até difícil entender como a banda consegue deixar tudo tão cativante e agradável aos ouvidos.

Para se ter uma ideia, é possível perceber durante a audição do material claras influências que vão do metal ao grunge, passando pelo rock alternativo, hard rock setentista e até algo de eletrônico. Mas não pense que as influências param por ai, pois a banda não se prende a rótulo ou a títulos, e não tem medo de ousar.

Algumas faixas são mais simples, como "Popenstein", com um refrão mais acessível, e ótimas linhas vocais; e "Blank Death", com uma melodia de fácil assimilação, e teclados muito bem encaixados.

Mas são nos momentos mais complexos e introspectivos que a banda realmente se destaca, , com arranjos ricos e muito bem estruturados, e que a cada nova audição surpreendem o ouvinte por encontrar neles novos elementos.

Escutem, por exemplo, as faixa "Yellow Paper" (repleta de elementos psicodélicos), "Progressive Disorder", "Some River" e "Wallow in Nostalgia" (a mais viajada do disco) para se ter uma ideia da competência criativa e técnica da banda, e do grau de evolução que os músicos conseguiram atingir aqui.

As baixas ficam para as estranhas "I330" (esta ainda possui um final mais interessante) e "In Limbo", cujos experimentalismos não convencem, mas que não comprometem o resultado final excelente do material.

Um trabalho altamente indicado para quem curte um som ousado e que abrangente, que não se prende ao óbvio e busca surpreender o ouvinte a cada nova audição, e que consolida o DEVENTTER como uma das bandas mais interessantes e criativas da atualidade.

Empty Set - Deventter
(2013 - Nacional)

Hugo Bertolaccini - teclado
Danilo Pilla - guitarra
Felipe Schäffer - vocal
Leonardo Milani - baixo
Caio Teixeira - bateria

1. Old Major (3:48)
2. Popenstein (5:38)
3. Blank Death (4:24)
4. I330(4:25)
5. Stains (4:56)
6. Yellow Paper (4:07)
7. In Limbo (4:04)
8. No...Deal (4:29)
9. 3 Bullets Left, 4 Enemies (5:19)
10. Blank Label (4:57)
11. Same River (6:25)
12. Progressive Disorder (5:26)
13. Wallow In Nostalgia (8:39)
14. Curtains Will Retreat (6:00)

deventter@deventter.com.br
http://www.deventter.com.br
http://www.facebook.com/deventter
http://www.youtube.com/deventter
http://www.twitter.com/deventter


Outras resenhas de Empty Set - Deventter

Deventter: Agradará em cheio apreciadores da nova safra do Metal




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Deventter"


Curiosidade: artistas que odeiam suas próprias músicasCuriosidade
Artistas que odeiam suas próprias músicas

Hall Of Fame: 500 Músicas Que Marcaram o Rock and RollHall Of Fame
500 Músicas Que Marcaram o Rock and Roll

Iron Maiden: o passado vergonhoso registrado em fotosIron Maiden
O passado vergonhoso registrado em fotos

Dave Mustaine: 10 coisas que você não sabia sobre eleDoom Metal: os dez trabalhos essenciais do estiloMetallica: Exemplo a ser seguidoSlipknot: Corey Taylor conta qual foi a máscara mais difícil de usar

Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.