Blondie: entrou nas listas dos melhores discos da história.

Resenha - Parallel Lines - Blondie

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Severo da Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O BLONDIE nasceu em 1974 e trazia em sua line-up um ícone à altura da presença da modelo NICO no VELVET UNDERGOUND anos antes: a playmate DEBBIE HARRY, dona de uma beleza ao melhor estilo de MARILYN MONROE, oriunda da obscura WIND IN THE WILLOWS, tinha a companhia de CHRIS STEIN na guitarra, do baterista CLEM BURKE, JIMMY DESTRI no teclado e do baixista GARY VALENTINE. Mixando a pegada power pop de SUZI QUATRO, glam, punk e uma tendência eletrônica aos moldes de KRAFTWERK, a banda gravou um disco homônimo em 1976, seguido de "Plastic Letters " no ano seguinte. O sucesso, no entanto, só viria no ao seguinte.

Blondie: Debbie Harry anuncia livro de memóriasBlack Metal: banda brasileira fez clipe mais bizarro do universo

Lançado naquele ano, "Parallel Lines" se tornou um recordista de vendas (mais de vinte milhões de álbuns vendidos), entrou nas listas da Rolling Stone como um dos melhores discos da história e teve várias de suas faixas no Top 10 inglês e norte-americano. Equilibrando o pop e linhas underground, o disco é constantemente citado como um marco decisivo para o som de bandas como CONCRETE BLONDE e PRETENDERS e afasta, logo de cara, qualquer rastro de suspeição do ar.

"Hanging on The Telephone" é pop de primeira- longe dos esquecíveis "summer hits" é enérgica, e conta com CLEM BURKE- certamente um dos melhores bateristas na categoria subestimados- dando um show a parte. "One Way or Another" recicla a energia da RUNAWAYS e se tornou, junto a "Heart of Glass"- na verdade, a única faixa do álbum com influência da indigesta disco music- o maior clássico da banda. "Picture This" e, sobretudo "Pretty Baby", são tributos declarados a grupos vocais femininos, soando como uma versão setentista de THE SHANGRI-LAS; nessa última, a interpretação de HARRY chega o ponto máximo, rasgando as notas com precisão cirúrgica.

Um dado que impressiona no disco é mudança de nuances inesperadas, alternando colagens experimentais ao estilo de BRIAN ENO, riffs de surf rock e outros elementos tão díspares quanto: se "Fade Away and Radiate" parece uma mistura de LOU REED com vocais quase jazzísticos, "I Know but I don't know" mistura elementos de cacofonia com a pegada abafada dos RAMONES. Na falta de outro termo, dá para afirmar: clássico!!!!!

Track List:
1. "Hanging on the Telephone" (Jack Lee) - 2:17
2. "One Way or Another" (Nigel Harrison, Deborah Harry) - 3:31
3. "Picture This" (Jimmy Destri, Harry, Chris Stein) - 2:53
4. "Fade Away and Radiate" (Stein) - 3:57
5. "Pretty Baby" (Harry, Stein) - 3:16
6. "I Know But I Don't Know" (Frank Infante) - 3:53
7. "11:59" (Destri) - 3:19
8. "Will Anything Happen" (Lee) - 2:55
9. "Sunday Girl" (Stein) - 3:01
10. "Heart of Glass" (Harry, Stein) - 3:45
11. "I'm Gonna Love You Too" (Joe B. Mauldin, Norman Petty, Niki Sullivan) - 2:03
12. "Just Go Away" (Harry) - 3:21




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Blondie"


Blondie: Debbie Harry anuncia livro de memórias

Nirvana, Guns N' Roses, Clash: Marvel homenageará capas clássicasNirvana, Guns N' Roses, Clash
Marvel homenageará capas clássicas


Black Metal: banda brasileira fez clipe mais bizarro do universoBlack Metal
Banda brasileira fez clipe mais bizarro do universo

Megadeth: Pepeu Gomes comenta convite e fala sobre Kiko LoureiroMegadeth
Pepeu Gomes comenta convite e fala sobre Kiko Loureiro

Esquisitices: algumas exigências bizarras para showsEsquisitices
Algumas exigências bizarras para shows

Slash: Saul Hudson explica qual a origem de seu apelidoHelter Skelter: a música que Charles Manson "roubou" dos BeatlesSimone Simmons: "Tenho cérebro, não sou apenas peitos e bunda"Corey Taylor: "Seu nome era Lemmy e ele tocava Rock n Roll"

Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n'roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: joaopsevero@bol.com.br.

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.