Big Phat Mama: para quem curte Blues, eis uma excelente pedida

Resenha - Ao Vivo - Big Phat Mama

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


É incrível como muitas pessoas ainda desconhecem mais profundamente o Blues, estilo que deu origem ao Rock, e por sua vez, ao Metal. Há trabalhos fascinantes que saem tanto no exterior quanto no Brasil, e a lista de artistas que, no Brasil, são adeptos ferrenhos do estilo não é pequena. Nomes como BLUES ETÍLICOS e ANDRÉ CHRISTOVAM são respeitadíssimos, e o público do estilo é bem amplo. E um bom nome que está mostrando seu trabalho no momento é o quinteto carioca BIG PHAT MAMA, que neste CD, 'Ao Vivo', mostra seu potencial.

Fotos de Infância: Jon Bon JoviChester Bennington: a tocante carta que ele escreveu para Chris Cornell

O grupo faz um trabalho bem intimista e que lembra bastante o gênero clássico, aquele mesmo praticado nos pubs americanos, com vocais femininos muito bem postados e com boa dicação, guitarras limpas e bem tocadas, um baixo bem proeminente e técnico, gaita extremamente bem casada ao grupo, e uma bateria bem firme nos andamentos e mostrando uma técnica bem legal.

Apesar de ser gravado ao vivo, o trabalho tem uma sonoridade muito boa e limpa, permitindo que as nuances do instrumental da banda não se embolem ou fiquem 'esfumaçados', e somos capazes de ouvir os aplausos do público, sem nenhum tipo de overdub feito.

O CD é muito bom, contagiante, e cujo único pecado está no repertório, já que o quinteto optou por um trabalho feito quase todo em cima de covers de nomes fortes do estilo, como Big Mama Thornthon, Muddy Waters e B. B. King. Mas mesmo assim, é impossível não babar com as versões personalizadas de 'Hound Dog', bem animada e que incrivelmente ganhou um certo toque de sofisticação quase 'MPB' na interpretação da banda, com ótimos vocais; 'Coffee Blues', de autoria da própria banda, que mostra uma levada deliciosamente cadencaida e crioula, com belíssimo trabalho de baixo e gaita (esta reforçando demais o clima deprê da canção); 'Walk on', um Bluesão com uma levada que mostra explicitamente a vocação de se tornar mais intenso e virar o Rockabilly alguns anos depois, com vocais femininos maravilhosos; a mais cadenciada e com aquele ar de melancolia tão tradicional do Blues Norte-Americano do Mississippi de 'Bala Perdida', outra composição da banda, com o baixo e bateria mostrando boa técnica e dando um show à parte; e a animada e com um toque de Country 'Got My Mojo Working', com ótimos backing vocals.

Para quem curte Blues, eis uma excelente pedida!

Ao Vivo - Big Phat Mama
(2013 - Independente - Nacional)

Tracklist:

01. Hound Dog
02. Coffe Blues
03. Walk on
04. Bala Perdida
05. Before You Accuse Me
06. Got My Mojo Working
07. Thrill is Gone

Formação:

Mariana Benjamin - Vocais
Kevin Shortall - Guitarra e vocais
David Taveira - Gaita
Daniel Taveira - Baixo e vocais
Tiago Zebende - Bateria

Contatos:

http://www.bigphatmama.com.br/
https://www.facebook.com/pages/Big-Phat-Mama/156021771130546...
bigphatmama@gmail.com




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Big Phat Mama"


Fotos de Infância: Jon Bon JoviFotos de Infância
Jon Bon Jovi

Chester Bennington: a tocante carta que ele escreveu para Chris CornellChester Bennington
A tocante carta que ele escreveu para Chris Cornell

Metal Up Your Ass: Os primórdios do MetallicaMetal Up Your Ass
Os primórdios do Metallica

Postura: 12 coisas que você nunca deve dizer a um músicoPor que o Whiplash.Net republica matérias?Megatallica: genial versão de "Welcome My Darkest Hour"Pearl Jam: O autoplágio de Eddie Vedder?

Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.