Rotting Christ: beleza mórbida que cativa na primeira audição

Resenha - Kata Ton Daimona Eaytoy - Rotting Christ

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Junior Frascá
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Todos que acompanham a fase mais recente do ROTTING CHRIST sabem que a banda, há muito tempo, deixou de praticar simplesmente Black Metal, criando uma sonoridade muito mais ampla e diversificada, que até então não se enquadra em nenhum dos rótulos criados pela mídia. Mas, independente disso, é fato que, a cada lançamento, a banda consegue surpreender o ouvinte, desafiando limites e sempre extrapolando no quesito qualidade.
341 acessosRotting Christ: lançando duas histórias em quadrinhos5000 acessosEm 11/10/1996: Morre Renato Russo, da banda Legião Urbana

Se desde o começo de sua carreira a banda já se mostrava inquieta quanto a novos experimentos, embora optasse por algo mais voltado às raízes da música negra, desde o disco “Theogonia” a banda resolveu escancarar essa tendência, que chegou ao auge com o magistral “Aealo”, uma das obras mais instigantes dos últimos tempos no metal extremo. Mas, mesmo assim, a banda não deixou de evoluir ainda mais.

E nesse novo disco a coisa não é diferente, pois temos aqui uma verdadeira aula de musicalidade. A dupla Sakis e Themis Tolis realmente estava inspirada, criando faixas altamente complexas, mas ao mesmo tempo de fácil assimilação, com uma riqueza de arranjos impressionantes, e estruturas rítmicas que fazem até mesmo os mais leigos tirarem o chapéu. Além disso, as melodias criadas são fantásticas, seja nos momentos mais épicos e grandiosos, seja nos mais voltados ao metal, em que as guitarras de Sakis se destacam, com solos marcantes e riffs variados e cativantes.

Há também que se mencionar o excelente trabalho de vozes em todo o material, principalmente nos excelentes coros, que criam uma aura macabra e melancólica que chega a assustar.

Todas as 10 faixas criadas (11 na versão especial do disco) possuem uma beleza mórbida que cativa o ouvinte logo na primeira audição, trazendo enraizados diversos elementos da música grega, com um tom introspectivo que chama a atenção. Mas cumpre salientar que a banda não deixou de lado o peso, pois o disco é um dos mais agressivos e brutais de sua carreira, embora, como dito, fuja dos padrões do Black Metal tradicional.

Logo na abertura do material, com “In Yumen – Xibalba”, os gregos já demonstram que se trata de um material diferenciado e que foge do lugar comum, levando o ouvinte por uma viagem sombria e devastadora. Na sequência,” P'unchaw Kachun - Tuta Kachun” e “Grandis Spiritus Diavolos” mantém o clima épico e brutal do material, com uma aura de ritual sombrio e macabro, embora repletas de melodias acessíveis.

E o disco segue nessa sequência destruidora até o final, destacando-se ainda as faixas , “Cine Iubeste Si Lasa” (com os melhores riffs de guitarra do disco), “Gilgameš” e “Ahura Mazda-Azra Mainiuu”, que fazem desse disco uma das obras mais marcantes do metal contemporâneo.

Uma curiosidade acerca do nome do álbum, que apesar de estranho, significa "Kata Ton Daimona Eaytoy", uma releitura da frase “do what thou wilt” (“faço o que tu queres”), do mestre do ocultismo, Aleister Crowley, e retrata com maestria a proposta lírica da banda.

Destaque também para a excelente produção do material, que ficou a cargo de Sakis e Jens Bogren, com uma excelência que contribuiu muito para o maravilhoso resultado final da sonoridade de “Κατά τον Δαίμονον Εαυτού”.

Vale citar ainda que o disco possui uma belíssima versão deluxe, que além do disco em digipack, com uma faixa bônus, ainda traz uma medalha de prata e um banner da banda, tudo isso embalado em um lindo box.

Assim, fica claro que o ROTTING CHRIST está em sua fase mais criativa, diversificando sua sonoridade como poucas bandas conseguem, o que fatalmente afastará diversos de seus antigos fãs (em especial os apreciadores do Black metal mais tradicional), mas que por outro lado lhe angariará ainda mais admiradores. Ainda é cedo para afirmar com certeza, mas temos aqui um forte candidato a melhor disco de 2013, indicado não apenas para os fãs de black metal, mas para todos os amantes da música extrema de qualidade. Brilhante!

Κατά τον Δαίμονον Εαυτού – Rotting Christ
(2013 – Season of Mist – Importado)

Formação:
Sakis Tolis - Guitarras, baixo, vocais, teclados, letras
Themis Tolis - Bateria
George Emmanuel - Guitarra solo (músico de estúdio)

Tracklist:
01. In Yumen - Xibalba
02. P'unchaw Kachun - Tuta Kachun
03. Grandis Spiritus Diavolos
04. Κατά τον δαίμονα του εαυτού (Kata Ton Daimona Eaytoy)
05. Cine Iubeste Si Lasa
06. Iwa Voodoo
07. Gilgameš
08. Русалка
09. Ahura Mazda-Azra Mainiuu
10. Χ ξ ς (666)
11. Welcome To Hell (Bonus Track)

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Kata Ton Daimona Eaytoy - Rotting Christ

1250 acessosRotting Christ: o novo capítulo da reinvenção da banda2235 acessosRotting Christ: o Culto das Sombras ateniense continua vivo!

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 19 de março de 2013

341 acessosRotting Christ: lançando duas histórias em quadrinhos694 acessosRotting Christ: civilizações antigas e seus rituais246 acessosRotting Christ e Necromantia: lançando EP juntos0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Rotting Christ"

Rotting ChristRotting Christ
Polêmicas com Mustaine e político norte-americano

IdiomaIdioma
Bandas que já cantaram em sua língua natal

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Rotting Christ"

Em 11/10/1996Em 11/10/1996
Morre Renato Russo, da banda Legião Urbana

Chris CornellChris Cornell
Relatório policial descreve últimas horas e morte

IndústriaIndústria
17 coisas que as bandas novas não entendem

5000 acessosJohnny Ramone: "Não era bom abrir o show do Black Sabbath"5000 acessosFreddy Frenzzy: O vocal que trocou Hard Rock por forró ostentação5000 acessosMetallica: Bob Rock revela segredos do "Black Album"5000 acessosLobão: show mais curto da história do Rock não pertence a ele5000 acessosBullet For My Valentine: Baterista conta o inferno que é abrir para o Iron Maiden3114 acessosUltraje a Rigor: Pastor Adelio entrevista Roger

Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online