Rotting Christ: o Culto das Sombras ateniense continua vivo!

Resenha - Kata Ton Daimona Eaytoy - Rotting Christ

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


Tem certas bandas que, quanto mais velhas vão ficando, imitam o vinho, pois ficam melhores e apresentando trabalhos fantásticos. E o ROTTING CHRIST mostra que a experiência só lhes fez bem, já que seu novo trabalho, 'Kata Ton Daimona Eaytoy' é sublime do início ao fim, mostrando que a banda sabe se renovar e evoluir, mas sem abrir mão de sua personalidade forte, se tornando assim, um dos nomes mais fortes do Black Metal atual, e um dos nomes mais criativos do Metal.

Há quem goste: As 10 bandas mais odiadas do universoNew York Times: os 100 melhores covers de todos os tempos

Sakis e Themis Tolis gravaram o CD inteiro, e nem por isso, a criatividade de sua música diminuiu, pelo contrário: o ROTTING CHRIST agora faz um misto de suas fase Black Metal mais clássica (de discos como 'Thy Mighty Contract' e 'Non Serviam') com o que ouvimos em 'Aealo', e vemos a banda ainda mais vigorosa e forte, com peso, agressividade e as melodias bem colocadas e compostas que fizeram do grupo o pai do Black Metal com melodias, mas mantendo um clima épico forte.

Vocais muito firmes e bem trabalhados, inclusive nos corais e refrões, riffs de guitarra e solos que tanto mostram agressividade e melodias, mantendo o clima agressivo e soturno, baixo bem firme na marcação, com alguns momentos brilhantes, e bateria técnica e pesada, com andamentos bem feitos, e teclados com boas intervenções.

Produzido pelo próprio Sakis, que fez a mixagem e masterização (estas duas últimas com a ajuda de Jens Bogren), o trabalho está em um patamar idêntico ao de 'Aealo' neste ponto, ou seja, sabe ser pesado e intenso, mas sem deixar que o som da banda fique embolado ou que cada um dos detalhes fique escondido, já que a música da banda é muito elaborada e forte. A arte do CD é um pouco mais simples, mas mesmo assim, está antenada com o conteúdo lírico da banda, refletindo bem a frase 'Κατά τον δαίμονα του εαυτού', ou seja, 'According to What Conscience Suggests Being Right', o que significa em uma tradução livre, 'Ser fiel às suas convicções', o que retrata bem o conteúdo musical deste CD. Inclusive esta frase se encontra na lápide de Jim Morrison, levando a crer que este preferia ser fiel ao que sua consciência mandava, ao invés de seguir padrões pré estabelecidos.

E quando o CD começa a tocar, é a hora em que temos a consciência que estamos lidando com um disco que se tornará um clássico do gênero, talvez do próprio Metal como um todo.

'Kata Ton Daimona Eaytoy' é um disco perfeito no sentido musical, já que o grupo mais uma vez se supera e se renova, com momentos ótimos como em 'Xibalba', uma faixa rápida e empolgante com momentos de crescendo maravilhosos, com teclados dando um sabor especial às guitarras agressivas e vocais para lá de ótimos, com dicção perfeita; a tétrica e soturna 'P'unchaw Kachun - Tuta Kachun'; 'Grandis Spiritus Diavolos', uma fixa mais cadenciada e pesada, com um clima absurdamente sombrio; a ríspida e grandiosa 'Κατά τον δαίμονα του εαυτού', com teclados pomposos e épicos, e belo trabalho de guitarras; a tenebrosa 'Cine Iubeste Si Lasa', que segue a mesma linha de 'Orders from the Dead', com a participação de vocais femininos, mas com ótimas guitarras; a lenta e intensa 'Iwa Voodoo', com leves toques tribais interessantes no trabalho de bateria, que está fantástica; a épica e agressiva 'Gilgame', com mudanças de andamentos muito boas e melodias maravilhosas nas guitarras; 'Русалка', bem trabalhada e com vocais muito bem colocados; 'Ahura Mazda-Azra Mainiuu', agressiva e com momentos climáticos maravilhosos; e a intensa e mórbida 'Χ ξ ς', com corais tétricos muito bem postados, que casam perfeitamente com as harmonias da música. Mas para quem conseguir a versão especial, temos uma faixa extra, 'Welcome to Hell', que é outra faixa onde a agressividade e morbidez se aliam com elegância, onde belos corais e guitarras se harmonizam.

Pode ser que este autor se engane, mas este é O CD do ano, sem sombra de dúvidas, e irá eclipsar muitos dos gigantes do Metal, pois o ROTTING CHRIST tem muito a dar ao estilo e aos fãs. E nós, brasileiros, teremos a honra de receber a banda e ver sua performance em primeira mão.

O Culto das Sombras ateniense continua vivo!

Kata Ton Daimona Eaytoy - Rotting Christ
(2013 - Seasons of Mist - Importado)

Tracklist:

01. In Yumen - Xibalba
02. P'unchaw Kachun - Tuta Kachun
03. Grandis Spiritus Diavolos
04. Κατά τον δαίμονα του εαυτού (Kata Ton Daimona Eaytoy)
05. Cine Iubeste Si Lasa
06. Iwa Voodoo
07. Gilgame
08. Русалка
09. Ahura Mazda-Azra Mainiuu
10. Χ ξ ς (666)
11. Welcome To Hell (Bonus Track)

Formação:

Sakis Tolis - Guitarras, baixo, vocais, teclados, letras
Themis Tolis - Bateria
George Emmanuel - Guitarra solo (músico de estúdio)

http://2.bp.blogspot.com/-H-M_PrJxe5g/UP8WX_BErxI/AAAAAAAAF-...

Contatos:

http://www.rotting-christ.com/
https://www.facebook.com/rotting.christ.tr
http://www.last.fm/music/Rotting+Christ
http://www.myspace.com/rottingchristabyss
http://soundcloud.com/rotting-christ
https://twitter.com/athanatoieste
http://www.youtube.com/user/RottingChristTUBE
http://e-shop.season-of-mist.com/en/titles/kata-ton-daimona-...


Outras resenhas de Kata Ton Daimona Eaytoy - Rotting Christ

Rotting Christ: beleza mórbida que cativa na primeira audiçãoRotting Christ: o novo capítulo da reinvenção da banda



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Rotting Christ"


Idioma: bandas que já cantaram em sua língua natalIdioma
Bandas que já cantaram em sua língua natal

Grécia: dez das maiores bandas de metal do paísGrécia
Dez das maiores bandas de metal do país


Há quem goste: As 10 bandas mais odiadas do universoHá quem goste
As 10 bandas mais odiadas do universo

New York Times: os 100 melhores covers de todos os temposNew York Times
Os 100 melhores covers de todos os tempos


Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.