Cult: uma ponte entre o indie e o mainstream

Resenha - Love - Cult

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Paulo Severo da Costa
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Um ponte entre o indie e o mainstream, uma mistura inteligível entre a psicodelia dos anos 60, o ambiente etéreo dos anos 70 e as guitarras dos anos 80, um tremendo clássico. Se a discografia do THE CULT rendeu safras tão prolíficas a partir de 1984, grande parte da "culpa" está em seu segundo registro: "Love" prepararia o terreno para os futuros blockbusters 'Electric"(1987) e "Sonic Temple"(1989). Ainda transitando entre o pós-punk, o gótico e o hard da época, a banda conseguiu sintetizar a fúria do DOORS, a obscuridade do SISTERS OF MERCY e a eletricidade do LED e criar uma obra singular nos indecisos anos 80.
1359 acessosPhil Campbell: solo terá Dee Snider e Matt Sorum, além de Halford5000 acessosBruce Dickinson: punks não sabem tocar e tem inveja do metal

Ainda que eternamente reconhecido pelos três singles em destaque, "Love" mostra-se um disco experimental, mas não hesitante, quando se lança em busca do enquadramento perfeito: a sincronia entre as lacunas propositais da guitarra de BILLY DUFFY e a cozinha formam um platô correto para realçar o brilho dos vocais: "Hollow Man" é adornada por violões esporádicos acompanhada de riffs minimalistas e precisos criando a ambiência necessária à teatralidade de ATSBURY; o mesmo pode-se dizer da "U2niana" , "Big Neon Glitter" guiada por um delay ministrado com cuidado cirúrgico. Em um respeito ao "profano de suas raízes góticas a excelente ""Brother Wolf; Sister Moon" faz a alegria (ou, nesse caso, a depressão) dos fãs do gênero com sua condução lenta regada à um solo de poucas notas e um tremendo conteúdo. Alguém falou em DAVID GILMOUR? – então escute e se surpreenda.

"Nirvana", faixa de abertura, antecipa a pegada vindoura de coisas como "Fire Woman"; no entanto aqui cabe um alerta: as guitarras rasgadas e "na cara" da banda ainda não são perceptíveis nesse registro- exceção cabível à pesadona e hendrixiana "The Phoenix". Faixas como as clássicas "Revolution" e "Rain" quando comparadas a fúria de suas execuções nos sets ao vivo, soam menos grandiosas – pelo menos no que se refere a volume; por outro lado, essa audição mais intimista, torna mais notável a beleza das composições. Por último, mas não menos importante é conferir o destaque devido a faixa que alçou o CULT ao grande público: "She Sells Sanctuary" praticamente definiu o formato das canções da banda nos últimos 28 anos, uma equalização saudável entre uma aorta pop, lirirmo e grandeza melódica ímpar.

O maior crítico musical de todos os tempos, o saudoso LESTER BANGS, dizia que o crítico deve ser implacável; por isso nunca me considerei um, e escrevo apenas sobre o que gosto. Assim, com todo respeito LESTER: discaço com D maiúsculo!!

Track List:
1. "Nirvana" – 5:24
2. "Big Neon Glitter" – 4:45
3. "Love" – 5:35
4. "Brother Wolf; Sister Moon" – 6:49
5. "Rain" – 3:55
6. "The Phoenix" – 5:06
7. "Hollow Man" – 4:45
8. "Revolution" – 5:20
9. "She Sells Sanctuary" – 4:23
10. "Black Angel" - 5:22

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Love - Cult

1765 acessosResenha - Love - Cult3459 acessosTradução - Love - Cult

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

1359 acessosPhil Campbell: solo terá Dee Snider e Matt Sorum, além de Halford1955 acessosThe Cult: Divulgadas datas da turnê pelo Brasil724 acessosThe Cult: Ingressos para show em POA já estão em pré-venda0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Cult"

São Paulo TripSão Paulo Trip
As prováveis datas das apresentações...

The DoorsThe Doors
Banda esnobou Ian Astbury por 13 anos

GóticasGóticas
10 grandes bandas do gênero dos anos 80

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Cult"

Bruce DickinsonBruce Dickinson
Punks não sabem tocar e tem inveja do Metal

Guitarras e BaixosGuitarras e Baixos
Perguntas e respostas sobre os instrumentos

Maquiagem, spikes e sorrisosMaquiagem, spikes e sorrisos
Conheça o Happy Black Metal

5000 acessosAnos 90: bandas de hard rock e metal que decepcionaram os fãs5000 acessosLegião Urbana: Eduardo e Mônica, uma análise psico-neurótica5000 acessosO Whiplash.Net protege quem anuncia no site?5000 acessosDee Snider: Kiss se vendeu e não deveríamos tê-los perdoado4780 acessosMetal Underground: 10 Bandas que você precisa ouvir5000 acessosHangar: Pesada troca de críticas entre Aquiles Priester e ex-vocalistas

Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n´roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: joaopsevero@bol.com.br.

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online