Matérias Mais Lidas

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemIggor Cavalera diz que reunião da formação clássica do Sepultura seria incrível, mas...

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"

imagemTravis Barker, do Blink-182, é hospitalizado às pressas e filha pede orações

imagemDave Mustaine cutuca Kiss e bandas "preguiçosas" que usam playbacks

imagemJoão Gordo diz que não torce pela seleção brasileira de futebol

imagemDe Amon Amarth até Scorpions, 22 ótimas músicas lançadas no primeiro semestre de 2022

imagemQuando Jimi Hendrix chamou Eric Clapton para subir no palco e afinar sua guitarra

imagemDave Mustaine, eufórico, compara James LoMenzo com Cliff Burton

imagemQuando Fiuk achou que iria apanhar do Chorão, do Charlie Brown Jr.

imagemCinco nomes do heavy metal que já gravaram músicas do ABBA

imagemNovo clipe do Megadeth foi filmado no litoral de São Paulo, veja fotos


Matanza: uma audição campeã e que dura menos de uma hora

Resenha - Thunder Dope - Matanza

Por Thiago El Cid Cardim
Em 21/02/13

Nos últimos anos, parece que toda boa banda de rock resolveu revirar o seu baú de raridades e dar nova chance àquelas faixas que ficaram ali, perdidas no passado, algumas lançadas em demos obscuras, outras sem nem sequer ter sido formalmente gravadas ou mesmo finalizadas. Foi assim com o Van Halen (em algumas músicas do ótimo "A Different Kind of Truth") e com o Aerosmith (em determinadas passagens do questionável "Music From Another Dimension!"). Aqui no Brasil, quem recorreu a este expediente foram os cariocas do Matanza. Mesmo mantendo uma discografia sólida e madura nos últimos anos, eles tiraram o poeira de canções de seu passado e geraram o poderoso "Thunder Dope", recém-lançado pela gravadora Deck Disc. Definido pelos próprios músicos como uma espécie de apanhado da carreira da banda, "Thunder Dope" é um disco rápido e direto ao ponto, injetando a força de petardos recentes como "Odiosa Natureza Humana" e "A Arte do Insulto" em raridades de seu começo de carreira. O resultado é uma audição campeã - e que dura menos de uma hora.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Não se trata de 'sobra de estúdio', mas de músicas que ficaram incompletas, acabaram esquecidas mas que, de alguma forma, foram importantes pra que viéssemos a entender o nosso próprio som", é o que diz o guitarrista Marco Donida, principal compositor do quarteto e seu músico apenas nas versões em estúdio. Estão presentes em "Thunder Dope" músicas que nunca ganharam registro em disco e boas faixas (como "Terror em Dashville" e "De Volta à Tombstone") que podiam ser ouvidas nas longínquas fitas-demo de 1998 e 1999, quando o Matanza começava a lapidar a sua inusitada mistura de metal, hardcore e country, ainda aprendendo a desenvolver as letras que abordam seus temas favoritos de "vida na estrada", "bebedeira" e "Velho Oeste sangrento".

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Com a tradicional saudação já conhecida de canções como "Bebe, Arrota e Peida", o álbum abre com "Goreddom Jamboree", praticamente um filhote de "Santa Madre Cassino" e um dos muitos sons em inglês que a banda dispara ao longo das treze faixas. Mas, no fim das contas, nada muda. Seja em inglês ou em português, o grandalhão ruivo Jimmy London mantém aquele mesmo estilão próprio na interpretação vocal. Dá para dizer, no entanto, que as músicas com sotaque gringo (a exemplo de "Alabama Death Tenebris") soam exatamente como se o filho de Johnny Cash tivesse crescido ouvindo Motörhead. Ou algo assim. O baixo encorpado a la Lemmy, aliás, abre os trabalhos de "Estrada de Ferro Thunder Dope", um dos momentos que mais têm chance de se tornar hinos, com um refrão potente o suficiente para ser cantado a plenos pulmões pelos fãs nas apresentações ao vivo.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

No entanto, nem tudo, ao longo de "Thunder Dope", é acelerado e porradeiro como a mal-educada (e genial) "Dashville Chainsaw Massacre". É o caso do dançante ode à cachaça "My Old Friend Liver"; do blues-rock "Mulher Diabo", sobre uma mulher maldosa que pode tornar a vida de qualquer bebum ainda pior; e o country demente, quase demoníaco, de "Devil Horse", que transforma as guitarras em banjos para contar a trajetória de um alazão infernal.

"Thunder Dope" é uma adição de responsa a uma coleção de qualidade, que se conecta perfeitamente ao que o quarteto produziu nos últimos anos e mostra que o futuro promete continuar sendo velho, sujo e fedorento. Do jeito que o diabo (ou a Mulher Diabo, no caso) gosta.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Line-up:
Jimmy London (Vocal)
Marco Donida (Guitarra)
China (Baixo)
Jonas (Bateria)

Tracklist:
1. Goreddom Jamboree
2. Matanza em Idaho
3. Mulher Diabo
4. Estrada de Ferro Thunder Dope
5. Devil Horse
6. Dashville Chainsaw Massacre
7. My Old Friend Liver
8. Country Core Funeral
9. Die Hillbilly
10. Alabama Death Tenebris
11. Sunday Morning After
12. She Is Evil But She Is Mine
13. Pane nos Quatro Motores

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Doidon Pixote: "Cantigas Apocalípticas" é o segundo álbum da banda do ex-Matanza China


Matanza: a batera pesada e os pratos raros do Jonas


Death Metal: menina de 6 anos detona no America's Got Talent


Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim.