Matérias Mais Lidas

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemSérgio Moro elege banda clássica de Rock como sua favorita

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemBruce Dickinson revela qual é sua música preferida do Iron Maiden

imagemNova Fã que descobriu Metallica por Stranger Things quer cancelar banda e reúne provas

imagemTommy Lee postou uma foto com o "Dr. Feelgood" de fora

imagemRock in Rio libera ingressos extras e novamente dia do metal é único que não esgota

imagemSteve Perry revela o motivo ter recusado substituir Dave Lee Roth no Van Halen

imagemO hit da Legião que Renato Russo compôs para Cássia Eller e traz coincidência trágica

imagemJoão Gordo se reencontra com o amigo Iggor Cavalera; "Agora falta zerar com o vovô"

imagemA opinião de Brian May sobre Lemmy Kilmister e o Motörhead

imagemA reação de Jimi Hendrix ao assistir King Crimson ao vivo

imagemGordo diz que atualizou termos politicamente incorretos após puxão de orelha de filha

imagemIron Maiden e o Rock in Rio: em detalhes, o que exatamente a banda pediu para o evento

imagemOzzy Osbourne revela de qual de seus álbuns Lemmy Kilmister mais gostava


Stamp

Trick or Treat: banda agora "brinca" com álbum conceitual

Resenha - Rabbits' Hill Pt 1 - Trick or Treat

Por Victor de Andrade Lopes
Fonte: Sinfonia de Ideias
Em 30/11/12

Nota: 8

TRICK OR TREAT, o termo em inglês para "doces ou travessuras". Lembrou de Halloween? Não é por menos: eles começaram justamente como uma banda cover do quinteto alemão HELLOWEEN, mas há alguns anos vêm fazendo álbuns originais, conquistando a crítica e os fãs. Rabbits' Hill Pt. 1 é o terceiro.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com este disco, esta banda italiana conseguiu um trabalho um pouco mais sombrio musicalmente (mas bem pouco mesmo), embora ainda mantendo as letras fantasiosas. Mas não são as fantasias típicas do power metal (ou "melódico"), aquelas que envolvem dragões e cavaleiros. Na verdade, o álbum é conceitual, baseado em "Watership Down", obra do escritor inglês Richard Adams traduzida como "A Longa Jornada" para o português. O livro conta a história de um grupo de coelhinhos que abandona sua toca quando ela é destruída e parte em busca de um novo lar, enfrentando perigos no caminho. Perece uma ideia infantil, mas é bem atual e séria, se analisarmos com cuidado. Na verdade, a temática meio "conto de fadas" combina muito com o grupo, que costuma fazer alusões a brinquedos, contos e outros temas infantis em seus trabalhos – aliás, essa é uma das características que torna o TRICK OR TREAT uma banda muito interessante.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O álbum já abre agradando a nós, brasileiros: a primeira faixa, "Prince with a 1000 Enemies" (descontando a curta introdução "Dawn of Times") conta com ninguém menos que ANDRE MATOS nos vocais, dividindo espaço com o vocalista ALESSANDRO CONTI. Uma faixa extra do álbum traz essa mesma música apenas com ANDRE. E para quem pensa que este será um álbum puramente power metal, abusando de clichês, as exceções começam a surgir logo na terceira faixa, "Spring in the Warren", que serve de introdução para "Premonition" e é bem leve, sem guitarras, lembrando um pouco o som celta dos brasileiros do TUATHA DE DANANN, ainda que sem sopros. Há outras faixas peculiares, como "The Tale of Rowsby Woof", que traz uma gaita de foles (ainda que esse instrumento já seja tão usado no heavy metal atualmente que ninguém mais estranha o seu som agudo irrompendo em meio às guitarras). Já "SassoSpasso", que também faz papel de introdução, desta vez para "I'll Come Back for You", é puro jazz.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

O álbum também está bem diverso em termos de "temperatura" das músicas. Algumas são mais lentas e poderosas, como "Premonition", que é guiada por um riff agressivo, quase progressivo nas guitarras de Guido Benedetti e Luca Cabri; e "Bright Eyes", a balada do disco. Outras são mais rápidas e típicas, como "Prince with a 1000 Enemies", "Wrong Turn" e a faixa-título. E há também as que ficam num meio-termo "morno", como "False Paradise" e "Between Anger and Tears".

Se você é fã de HELLOWEEN e ainda não conhece a banda, ou conhece mas não procurou ouvir este álbum, não deixe de fazê-lo – no mínimo, você enganará o estômago – ou melhor, os ouvidos – até que Straight out of Hell, o novo álbum dos alemães, seja lançado em janeiro.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Tracklist:
01- Dawn of times
02- Prince with a 1000 enemies
03 -Spring in the warren
03- Premonition
05- Wrong turn
06- False paradise
07- Between anger and tears
08- Rabbits' Hill
09- The tale of Rowsby Woof
10- SassoSpasso
11- I'll come back for you
12- Bright Eyes

Abaixo, a faixa-título:

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Ultimate Classic Rock: os 100 maiores clássicos do rock

Supergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes.