Circus Maximus: metal progressivo vindo da terra do Black

Resenha - Nine - Circus Maximus

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Junior Frascá
Enviar Correções  

9


Não, a Noruega não é um país conhecido por suas bandas de metal progressivo. Mas, mesmo assim, uma das bandas mais legais da atualidade, o CIRCUS MAXIMUS, vem da terra do Black Metal. A banda, que já conta com mais de 10 anos de estrada, chega apenas a seu terceiro disco, o melhor de sua carreira até o momento, e sem dúvida, um dos melhores do estilo em 2012.

Linkin Park: 20 coisas que você não sabe sobre a bandaLoudwire: as 10 melhores músicas do Nirvana

A banda pode ser desconhecida no Brasil, mas a cada novo lançamento vem conseguindo mais e mais reconhecimento na Europa, com ótimas tours e uma vendagem de álbuns razoável para os padrões atuais da industria fonográfica.

O estilo praticado pelos caras, como dito, é o metal progressivo, repleto de momentos pesados, e até algo de AOR, que tornam as músicas bem interessantes e prazerosas de se ouvir. Os riff do guitarrista Mats Haugen são muito legais, ora repletos de brutalidade, ora prezando pela melodia, muito bem acompanhados da cozinha precisa e técnica formada por Truls Haugen (bateria) e Glen Mollen (baixo). O tecladista Lasse Finbraeten também chama a atenção, pois consegue encaixar bem seu instrumento, sem soar forçado, com arranjos de muito bom gosto. Mas o grande destaque do material é o vocalista Michael Eriksen, com um timbre muito agradável e emocional, daqueles fáceis de se gostar desde o primeiro contato.

E o que torna "Nine" um disco tão legal é o fato de que a banda primou pela vitalidade e harmonia na criação das faixas, deixando de lado os excessos de virtuosismo. Todos são excelentes músicos, mais deixaram de buscar os destaques individuais em prol do todo. Além disso, o trabalho de produção de Christian Wibe fez toda a diferença, pois o som ficou bem orgânico e equilibrado.

Assim, temos aqui 10 petardos do metal progressivo, sempre com muito peso, ótimas melodias, diversas quebras de andamento e momentos mais viajados. Todas as faixas são bem legais e merecem ser ouvida com atenção, mas caso queira ter uma ideia geral da qualidade do material, escute "Game of Life" e "Used", que demonstram bem o que é o som do CIRCUS MAXIMUS.

Um grande trabalho, daqueles que teimam em não querer sair do nosso player, e que fatalmente fará com que o CIRCUS MAXIMUS galgue degraus mais altos em sua carreira, sendo reconhecida como uma das grandes bandas de metal progressivo da atualidade. Se curte o estilo, nem pense em não escutar!

Nine – Circus Maximus
(2012- Frontiers - Importado)

Formação:

Michael Eriksen: Vocais
Truls Haugen: Bateria
Mats Haugen: Guitarras
Glen Møllen: Baixo
Lasse Finbråten: Teclados

Track List:

1. Forging
2. Architect of Fortune
3. Namaste
4. Game of Life
5. Reach Within
6. I Am
7. Used
8. The One
9. Burn After Reading
10. Last Goodbye


Outras resenhas de Nine - Circus Maximus

Resenha - Nine - Circus Maximus



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Linkin Park: 20 coisas que você não sabe sobre a bandaLinkin Park
20 coisas que você não sabe sobre a banda

Loudwire: as 10 melhores músicas do NirvanaLoudwire
As 10 melhores músicas do Nirvana


Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin