Kiss: os trinta anos de "Creatures Of The Night"

Resenha - Creatures Of The Night - Kiss

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Igor Miranda, Fonte: Van do Halen
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O KISS não estava nada bem desde o início da década de 1980. Os álbuns “Unmasked” e “(Music From) The Elder” não corresponderam às expectativas, colaborando para o declínio de popularidade da banda principalmente nos Estados Unidos, terreno mais fértil de seus trabalhos. O quarteto precisava de uma mudança de postura. Mas, antes mesmo de decidirem o que fariam, o guitarrista Ace Frehley abandonou o barco por diversos problemas com os outros integrantes, que se tornaram cada vez mais constantes após a saída do baterista Peter Criss. Por razões contratuais, o Spaceman foi mantido no conjunto, todavia não teve participação no que seria produzido.
3757 acessosPaul Stanley: "guitarristas não aprendem a fazer base"5000 acessosMax Cavalera: triste ver uma banda tão importante virar uma merda

A solução, em termos musicais, era mais simples do que se pensava: o KISS precisava voltar a fazer Rock n’ Roll em sua mais pura essência. Poderia até ousar em alguns pontos, como de fato ousaram por aqui, flertando com o Heavy Metal e o Hard Rock oitentista em vários momentos. Só que sem perder o foco, como nos trabalhos anteriores. Para isso, um novo guitarrista precisava ser efetivado. Ou não.

Creatures Of The Night, décimo álbum do KISS, lançado há exatos 30 anos, representa um momento raro na carreira de uma banda de Rock. O trabalho foi registrado com cinco guitarristas diferentes (incluindo Gene Simmons), além de Paul Stanley; e três outros baixistas (incluindo o próprio Eric Carr), além de Gene Simmons. Não é por isso que se tornou um momento raro, mas sim por soar mais linear que os antecessores, que contaram apenas com Frehley e Stanley nas seis cordas. Nove músicos soaram como quatro em prol daquela coletividade almejada.

O que pode justificar isso? Provavelmente, o foco e o empenho dos três integrantes em fazer um grande trabalho. Paul Stanley, Gene Simmons e Eric Carr, com a ajuda do produtor Michael James Jackson, estavam realmente decididos sobre o que fariam e de que forma fariam. Parece até que um plano de metas, do estilo empresarial, foi traçado. Mas, por se tratar de arte, duvido que tenha sido realmente traçado. Temos Simmons, um dos grandes empresários e marqueteiros do Rock, envolvido aqui. No entanto, a arte lida, especialmente, com a espontaneidade – sentimento notável nos 38 minutos deste play.

A faixa título anuncia, com seu início pesado, o que estaria por vir. A bateria bem reverbeada, as guitarras e o baixo com bastante peso, a lírica tipicamente sobrenatural (criaturas da noite, ora) e os vocais repletos de gana feitos por Paul Stanley constituíram a canção, que é um verdadeiro clássico do KISS. “Saint And Sinner” segue com muita classe. O refrão grudento e a veia visceral intrínseca nos riffs asseguram a faixa como uma das melhores do registro, apesar de não ser uma das mais lembradas. “Keep Me Comin’” tem apresentação de gala de Paul Stanley e Eric Carr. O andamento lembra os momentos mais endiabrados do Led Zeppelin, mas com o peso da ótima produção.

Por falar em peso, “Rock And Roll Hell” vem em seguida com a assinatura de Gene Simmons: baixo em destaque, vocais rasgados e composição tipicamente demoníaca. O personagem The Demon surge em todos os aspectos por aqui, renovado após os momentos polidos dos discos anteriores. “Danger” é um Hard n’ Heavy nervoso, com grande trabalho de Bob Kulick – a única faixa que o careca tocou aqui. Paul Stanley, ainda não dominado pela farofa dos anos 1980, traz vocalizações que são, ao mesmo tempo, exuberantes e ponderados.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

“I Love It Loud” dispensa apresentação. Um verdadeiro clássico do quarteto. A música não tinha sido muito evidenciada à época, mas aos poucos mostrou sua força, se tornando indispensável nos repertórios de várias turnês da banda, com o coro icônico, o refrão cantado a todo pulmão, os riffs marcantes e a bateria pra lá de destacada. “I Still Love You” permanece como uma das power ballads mais incríveis da história do Rock n’ Roll, ao meu ver. A letra é carregada de emoção e a performance de Paul Stanley, mais ainda. As excelentes linhas de guitarra, com direito a bons solos de Robben Ford, também se destacam.

“Killer” é um Rock n’ Roll básico, sem firulas, feito por Gene Simmons e Vinnie Vincent – o guitarrista que ocuparia a vaga de Ace Frehley logo após o lançamento desse álbum. A canção, que é boa mas não se destaca, prepara o terreno para um dos pontos altos. “War Machine” demonstra a inspiração do Demon por aqui. Há muito tempo, o linguarudo não se apresentava tão bem como neste disco, em especial nessa música. O peso dessa canção a torna tipicamente Heavy Metal, além de ter uma incrível participação de Vincent no solo. Para o momento, o Ankh Warrior era a melhor opção para a banda. Isso é inegável e foi melhor apresentado no disco seguinte, Lick It Up.

Apesar de toda a sua qualidade e exuberância, Creatures Of The Night não conseguiu colocar o nome do KISS de volta aos holofotes. As vendas foram tímidas e a banda precisou explorar novos territórios nessa época – incluindo o Brasil, onde fizeram shows apoteóticos com plateias lotadas. A reconstrução do grupo precisou ir além, pois o desgaste da imagem justificava a baixa repercussão dos novos trabalhos. Foi aí que as máscaras finalmente deixaram de ser utilizadas e os integrantes passaram a se apresentar de cara limpa, dando início a um período de altos e baixos.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

KISS – Creatures Of The Night
Lançado em 13 de outubro de 1982

Paul Stanley (vocal, guitarra)
Gene Simmons (vocal, baixo, guitarra em 9)
Eric Carr (bateria, percussão, baixo em 7)

Músicos adicionais:
Vinnie Vincent (guitarra em 2, 3, 6, 8 e 9)
Bob Kulick (guitarra em 5)
Robben Ford (guitarra em 4 e 7)
Steve Farris (guitarra em 1)
Mike Porcaro (baixo em 1)
Jimmy Haslip (baixo em 5)

01. Creatures of the Night
02. Saint and Sinner
03. Keep Me Comin’
04. Rock and Roll Hell
05. Danger
06. I Love It Loud
07. I Still Love You
08. Killer
09. War Machine

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Creatures Of The Night - Kiss

2521 acessosKiss: Um novo início para novos tempos2703 acessosKiss: um clássico analisado pelo Rock Station3184 acessosResenha - Creatures of the Night - Kiss5000 acessosTradução - Creatures Of The Night - Kiss

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 14 de outubro de 2012

Paul StanleyPaul Stanley
"Guitarristas não aprendem a fazer base"

457 acessosAce Frehley: "Anomaly" ganha versão deluxe; ouça música inédita749 acessosKiss: bicicleta de triathlon em edição limitada0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Kiss"

KissKiss
"Gene é viciado em sexo", diz Ace Frehley

KissKiss
Ouça "Detroit Rock City" em uma versão reggae

Hard RockHard Rock
As 100 maiores bandas do estilo segundo a VH1

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Kiss"

Max CavaleraMax Cavalera
Triste ver uma banda tão importante virar uma merda

Ultimate GuitarUltimate Guitar
As 28 canções mais sombrias de todos os tempos

David BowieDavid Bowie
A última foto pública e a última foto privada

5000 acessosCapas de álbuns: as mais obscuras e marcantes da história5000 acessosCuriosidade: artistas que odeiam suas próprias músicas5000 acessosZakk Wylde e Dave Grohl: A treta por causa de canções para Ozzy5000 acessosA Vida Pós-bilau: vocalista do Life of Agony abre o jogo3846 acessosMetaleiro: popularizado no 1º RIR, termo continua polêmico5000 acessosMetallica: o que Andreas Kisser achou do "Hardwired?"

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013 – apesar de ainda manter por lá uma coluna semanal, chamada Cabeçote.

Mais informações sobre Igor Miranda

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online