Brendan Benson: na briga pelo posto de melhor do ano

Resenha - What Kind of World - Brendan Benson

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar Correções  

publicidade

8


Quinto álbum solo de Brendan Benson, "What Kind of World" é uma grata surpresa. O cantor e guitarrista norte-americano, que a maioria conhece por ter sido parceiro de Jack White no Raconteurs, é responsável por um disco sólido e coeso, que entra forte na briga pelo posto de melhor do ano.

Bandas Novas: 10 coisas que vocês jamais devem dizer no palcoGigwise: as capas mais polêmicas dos anos 2000

Produzido pelo próprio Benson, "What Kind of World" traz doze faixas que variam entre o rock e o pop, com toques de country em alguns momentos e ecos dos trabalhos solos dos Beatles em outros. Grande compositor, Brendan explora uma ampla gama de sonoridades, dando o seu toque pessoal em cada uma delas. Com melodias bem construídas, arranjos econômicos e refrões certeiros e prontos para conquistar, Benson construiu um disco excelente, que cresce a cada audição.

A referência mais adequada para a sonoridade de "What Kind of World" é o Big Star, pilar do power pop setentista. Benson é uma espécie de Alex Chilton contemporâneo, com a mesma capacidade de esculpir pequenas jóias pops. E é justamente o brilho reluzente dessas jóias que faz de "What Kind of World" um álbum especial. Há também uma certa influência de Todd Rundgren e até mesmo do Cheap Trick em certos momentos, tornando as músicas agradáveis já de saída.

Destaque para a faixa-título, a baladaça "Bad For Me", o balanço de "Keep Me", a sombria "Pretty Baby", "Thru the Ceiling" e o country meio Gram Parsons "On the Fence", que fecha o disco em grande estilo.

Mesmo sem o brilhantismo de "Blunderbuss", estreia solo do chapa Jack White, Brendan Benson fez um trabalho excelente. Com um ar meio nostálgico e grandes composições, "What Kind of World" é daqueles tipos de discos que, quanto mais ouvimos, mais gostamos.

Basta apertar o play para descobrir um trabalho que irá estar ao seu lado por um longo tempo. Experimente!

Faixas:

What Kind of World
Bad For Me
Light of Day
Happy Most of the Time
Keep Me
Pretty Baby
Here in the Deadlights
Met Your Match
Thru the Ceiling
No One Else But You
Come On
On the Fence




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Bandas Novas: 10 coisas que vocês jamais devem dizer no palcoBandas Novas
10 coisas que vocês jamais devem dizer no palco

Gigwise: as capas mais polêmicas dos anos 2000Gigwise
As capas mais polêmicas dos anos 2000


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin