Matérias Mais Lidas

imagemRock in Rio 1991, Maracanã lotado, e o Guns N' Roses ameaçou não subir ao palco...

imagemO álbum do Kiss que infelizmente é ignorado pela banda, segundo Andreas Kisser

imagemBaixista do Faith No More diz que integrantes odiavam músicas do "The Real Thing"

imagemSupla explica por que fala sempre misturando português com inglês

imagemSem ter o que fazer, guitarrista do Journey comprou 150 guitarras durante a pandemia

imagemA história da capa de "Christ Illusion", que fez o Slayer ter problemas

imagemOzzy acha que suas novas músicas deveriam ter sido gravadas pelo Black Sabbath

imagemAntes mesmo do fim do primeiro semestre, Mike Portnoy escolhe seu "Álbum do ano"

imagemRevista Veja diz que Rock in Rio virou "túmulo do rock" e explica motivo

imagemCinco músicas que são covers, mas você certamente acha que são as versões originais

imagemO baterista que não tinha técnica alguma e é um dos favoritos do Regis Tadeu

imagemO álbum de David Bowie que Mick Jagger disse que achou "horrível"

imagemOs únicos quatro assuntos das conversas nos EUA que enchiam saco de Fabio Lione

imagemJohn Frusciante responde qual foi o motivo de seu retorno ao Red Hot Chili Peppers

imagemAndreas Kisser pede doação de sangue para sua esposa Patricia


Stamp

Gestos Grosseiros: evolução sobre Death do primeiro disco

Resenha - Satanchandising - Gestos Grosseiros

Por Ben Ami Scopinho
Em 15/07/12

Nota: 7

Ultrapassando os 15 anos de existência, o Gestos Grosseiros é mais um dos guerreiros do underground brasileiro, cujas particularidades sempre proporcionam batalhas tão desiguais... De qualquer forma, ainda que assolado pelas mudanças de formação, esses paulistas de Guarulhos já tocaram por várias regiões do Brasil e ainda no Chile, dividindo os palcos com nomes como Krisiun, Torture Squad, além dos gringos Iconoclasm, Dark Funeral, Incantation, Vader e Marduk.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Após todo o trabalho para divulgar o debut "Countdown To Kill" (08), o Gestos Grosseiros retorna com mais mudanças em sua formação, com o baterista Andy Souza assumindo o microfone e recrutando o baixista Danilo Dill. Seu mais novo disco tem como título "Satanchandising" (bem sacado, hein?), que mostra considerável evolução em relação ao Death Metal oferecido no passado, em especial no quesito solos e trabalho com a voz principal e as de fundo.

Completamente focado na linha old school do gênero, os 50 minutos de audição são uma verdadeira exibição de linearidade em prol da violência típica do estilo, tendo como destaques a excelente e longa abertura "Humanity Victory (Kill By Power)", com algumas inserções acústicas; a própria faixa-título, que deverá funcionar muito bem ao vivo, além da curiosa "Evil Witness", com algumas inesperadas melodias e andamentos mais grudentos, ainda que permaneça devidamente inacessível.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O único ponto passível de real crítica negativa recai sobre a montagem de imagens que ilustra a capa do CD, tão tosca que consegue comprometer "Satanchandising" enquanto produto final. Enfim, agruras do underground... Com um áudio muito bom – foi gravado, mixado e masterizado no estúdio Masterpiece (SP) por Pedro Esteves (Liar Symphony) – este segundo disco convence e tem potencial de sobra para que o Gestos Grosseiros tenha maior reconhecimento, tanto que já tem em sua agenda datas confirmadas para tocar no Uruguai e Chile. Boa sorte ao pessoal!

Contato:
http://www.myspace.com/gestosgrosseiros

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Formação:
Andy Souza - voz e bateria
Kleber - guitarra
Danilo Dill - baixo

Gestos Grosseiros – Satanchandising
(2012 / Rapture Records / Tornhate Records / Underground Distro Brasil / Fly Kintal – nacional)

01. Humanity Victory (Kill By Power)
02. Slaves Of Imagination
03. Mirror Of Death
04. Satanchandising
05. Evil Witness
06. Predator Of Soul
07. Attack
08. Brutality Century
09. Religious Plague
10. Stronger Than Never
11. Extreme Aggression (Kreator)


Outras resenhas de Satanchandising - Gestos Grosseiros

Resenha - Satanchandising - Gestos Grosseiros

Resenha - Satanchandising - Gestos Grosseiros

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

In-Edit
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Câncer na língua: entenda a doença de Bruce Dickinson


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre

Mais matérias de Ben Ami Scopinho.