Gestos Grosseiros: evolução sobre Death do primeiro disco

Resenha - Satanchandising - Gestos Grosseiros

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Ultrapassando os 15 anos de existência, o Gestos Grosseiros é mais um dos guerreiros do underground brasileiro, cujas particularidades sempre proporcionam batalhas tão desiguais... De qualquer forma, ainda que assolado pelas mudanças de formação, esses paulistas de Guarulhos já tocaram por várias regiões do Brasil e ainda no Chile, dividindo os palcos com nomes como Krisiun, Torture Squad, além dos gringos Iconoclasm, Dark Funeral, Incantation, Vader e Marduk.
5000 acessosCristina Scabbia: "Símbolo sexual? Fico surpresa com isto!"5000 acessosFilhos de Rockstars: qualquer coincidência é semelhança

Após todo o trabalho para divulgar o debut “Countdown To Kill” (08), o Gestos Grosseiros retorna com mais mudanças em sua formação, com o baterista Andy Souza assumindo o microfone e recrutando o baixista Danilo Dill. Seu mais novo disco tem como título “Satanchandising” (bem sacado, hein?), que mostra considerável evolução em relação ao Death Metal oferecido no passado, em especial no quesito solos e trabalho com a voz principal e as de fundo.

Completamente focado na linha old school do gênero, os 50 minutos de audição são uma verdadeira exibição de linearidade em prol da violência típica do estilo, tendo como destaques a excelente e longa abertura “Humanity Victory (Kill By Power)”, com algumas inserções acústicas; a própria faixa-título, que deverá funcionar muito bem ao vivo, além da curiosa “Evil Witness”, com algumas inesperadas melodias e andamentos mais grudentos, ainda que permaneça devidamente inacessível.

O único ponto passível de real crítica negativa recai sobre a montagem de imagens que ilustra a capa do CD, tão tosca que consegue comprometer “Satanchandising” enquanto produto final. Enfim, agruras do underground... Com um áudio muito bom – foi gravado, mixado e masterizado no estúdio Masterpiece (SP) por Pedro Esteves (Liar Symphony) – este segundo disco convence e tem potencial de sobra para que o Gestos Grosseiros tenha maior reconhecimento, tanto que já tem em sua agenda datas confirmadas para tocar no Uruguai e Chile. Boa sorte ao pessoal!

Contato:
http://www.myspace.com/gestosgrosseiros

Formação:
Andy Souza - voz e bateria
Kleber - guitarra
Danilo Dill - baixo

Gestos Grosseiros – Satanchandising
(2012 / Rapture Records / Tornhate Records / Underground Distro Brasil / Fly Kintal – nacional)

01. Humanity Victory (Kill By Power)
02. Slaves Of Imagination
03. Mirror Of Death
04. Satanchandising
05. Evil Witness
06. Predator Of Soul
07. Attack
08. Brutality Century
09. Religious Plague
10. Stronger Than Never
11. Extreme Aggression (Kreator)

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Satanchandising - Gestos Grosseiros

775 acessosGestos Grosseiros: incrível a pancadaria que o trio executa971 acessosGestos Grosseiros: O lado mais tradicional do Death Metal

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Gestos Grosseiros"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Gestos Grosseiros"

Cristina ScabbiaCristina Scabbia
"Símbolo sexual? fico surpresa com isto!"

Filhos de RockstarsFilhos de Rockstars
Qualquer coincidência é mera semelhança

RodolfoRodolfo
"O rock brasileiro entrou numa crise desde o começo dos anos 2000"

5000 acessosRoqueiros conservadores: a direita do rock na revista Veja5000 acessosTradução - Dark Side Of The Moon - Pink Floyd5000 acessosMetallica: Lars sabe que os fãs não gostam do St. Anger5000 acessosJanick Gers: "Nunca pensei no Iron Maiden como Heavy Metal"5000 acessosPaul McCartney: feliz por ter feito pazes com John Lennon5000 acessosHalloween: dez clássicos do Heavy Metal para curtir a data

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online