Running Wild: Em 1992, dando continuidade à sólida carreira

Resenha - Pile Of Skulls - Running Wild

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Gabriel Ramos Paschoaletto
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Ah, o Running Wild... Uma das bandas mais queridas e respeitadas de Heavy Metal, que construiu sua reputação na base de muito trabalho (leia-se: um grande álbum seguido de outro grande álbum, seguido de outro grande álbum, e etc); dona de um catálogo invejável e de uma regularidade incrível ao longo de quase três décadas de carreira.
5000 acessosMetallica: ouça "Nothing Else Matters" em escala maior5000 acessosSlipknot: Demissão de Joey Jordison foi a decisão mais difícil da carreira

Após o início totalmente Speed Metal com os maravilhosos 3 primeiros álbuns, a partir de "Port Royal" a banda apresentou algumas mudanças em seu som, que foi ficando mais elaborado e melódico (nada a ver com o chamado "metal melódico", por favor); se aproximando do que seus conterrâneos do Helloween - entre várias outras bandas - também faziam na época. Esse foi o caminho que o Running Wild trilhou na década de 90, e é o contexto em que Pile Of Skulls se insere.

Lançado em 1992, o álbum tinha a missão de manter o altíssimo nível de seus antecessores, afinal, já se passavam quase dez anos desde sua estréia (em 1984, com "Gates to Purgatory") e a banda ainda não tinha lançado um único disco ruim. Mas, se isso gerou algum tipo de pressão interna, foi algo positivo, pois Pile Of Skulls é um belíssimo trabalho!

A formação que gravou o álbum contava com, além do óbvio Rolf Kasparek na guitarra e vocal; Axel Morgan na segunda guitarra, Thomas Smuszynski no baixo e Stefan Schwarzmann (atualmente tocando no Accept) na bateria.

Após uma introdução muito legal (Chamber Of Lies), um riffinho bem sacado dá início à Whirlwind, que representa perfeitamente o estilo tocado na época pela banda: ótimas (frise-se: ÓTIMAS) guitarras, bateria e baixo incessantes e o vocal de Rock 'n' Rolf, que estava cantando como nunca.

Por falar em Rock 'n' Rolf, é claro que ele rouba a cena, tocando, cantando e compondo muito - e pra quem quiser conferir como ele era um "monstro" no palco, é só assitir o vídeo "Death Or Glory Live", de 1990 - uma verdadeira lenda metálica, enfim.

Voltando ao play, Sinister Eyes e Black Wings of Death são bem mais cadenciadas que a abertura, com um maior destaque aos vocais, refrões marcantes e, é claro, belos riffs e solos de guitarra; Roaring Thunder (faixa nº 6) também segue essa mesma fórmula.

Já na música título não há nada cadenciado! Trata-se de uma porrada a 200 km/h (ou seria a 200 bpm?), um Metalzão nervoso e "na cara", claramente inspirado no então recém lançado "Painkiller" do Judas Priest, com uma letra de "revolta contra o poder" bem legal, inclusive, este sempre foi um tema recorrente nas letras do Running Wild, mais até do que os piratas que acabaram se tornando símbolo da banda.

Quanto às músicas ainda não mencionadas, todas são muito boas (bem, Fistful Of Dynamite nem tanto), seguindo a filosofia de "jogar fácil", ou seja, sem nada de experimental, apenas o som que os fãs já esperavam ouvir, o que é ótimo, claro.

Mas o melhor ficou pro final: Treasure Island!

O som das ondas do mar e uma pequena narração já mostram que estamos diante de um épico, e após pouco mais de 1 minuto de introdução começa o desfile de riffs. RIFFS! Um melhor que o outro! A música flui perfeitamente e não soa cansativa em nenhum momento, apesar da longa duração (mais de 11 minutos); seguindo a receita de "Rime Of The Ancient Mariner", do Iron Maiden, a música é dividida por uma parte mais calma, em seguida voltando com uma seção de solos fantástica, e fechando o círculo com a volta do riff inicial, nota 10!

A letra de "Treasure Island" é baseada na famosa história "A Ilha do Tesouro", de Robert Louis Stevenson (não, não sou tão culto, há uma nota no encarte do cd com a referência ao livro e ao autor), uma história muito legal de piratas, que vale a pena ser lida.

Enfim, Pile Of Skulls é um excelente álbum, com várias músicas legais e com 3 destaques absolutos: Whirlwind, Pile Of Skulls e Treasure Island, estrategicamente colocadas no começo, no meio e no fim do play. Apenas por essas três músicas o preço pago pelo cd já é compensado!

Obs: a versão resenhada vem com 04 músicas bônus, que não vou comentar porque confesso que não tenho muito saco para ficar ouvindo regravações e esse tipo de coisa que normalmente as gravadoras colocam como "bônus".

"Lightning strikes when the youth stands tight"

Tracklist:
1. Chamber of Lies
2. Whirlwind
3. Sinister Eyes
4. Black Wings of Death
5. Fistful of Dynamite
6. Roaring Thunder
7. Pile of Skulls
8. Lead or Gold
9. White Buffalo
10. Jennings' Revenge
11. Treasure Island

Gravadora: Dynamo
Nacional.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 01 de julho de 2012


0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Running Wild"

Metal AlemãoMetal Alemão
About.com elege as melhores bandas

Top 10Top 10
Os mais influentes álbuns de Metal Tradicional

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Running Wild"


MetallicaMetallica
Ouça "Nothing Else Matters" em escala maior

SlipknotSlipknot
Demissão de Joey foi a decisão mais difícil da carreira

Os 11 mais (ou menos)Os 11 mais (ou menos)
O Suprassumo do Superestimado

5000 acessosFotos de Infância: Lemmy Kilmister, do Motorhead5000 acessosEm 07/07/1990: Morre Cazuza, por complicações decorrentes da AIDS5000 acessosJared Leto: a reação ao se ver no papel do Coringa5000 acessosManowar: assista discurso épico de DeMaio no Monsters Of Rock 20155000 acessosSlipknot: pai famoso elogia baterista pelo excelente trabalho com a banda3169 acessosBrian May: "não descarto a possibilidade que Deus exista"

Sobre Gabriel Ramos Paschoaletto

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online