Blue Mammoth: Metal nacional com valor artístico elevado.

Resenha - Blue Mammoth - Blue Mammoth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Imaginem uma banda que é capaz de mesclar o que o Metal tem de melhor com elementos do Rock Progressivo, mais virtuosismo, mas sem ser enfadonhos, ou seja, o som que se ouve é pesado, denso, com fortes toques de emoção, bem tocado, elegante e nada convencional.

Slipknot: Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saídaQueen: ouça a voz isolada de Freddie Mercury em clássicos

Não, não pensem mais, pois esta banda existe, é brasileira e se chama BLUE MAMMOTH, que lançou seu primeiro CD no final de 2011, e leva o nome da banda.

Temos, antes de tudo, uma banda que não se limita aos padrões já existentes, pois é bastante ousada, logo, não tentem nem por um momento que seja rotulá-los, pois é perda de tempo, e que apresenta um trabalho artístico muito rico, pois o disco é conceitual, com três histórias diferentes, e o quarteto se preocupa, antes de tudo, em fazer algo com valor artístico elevado.

A produção sonora é cristalina, mostrando toda a riqueza musical deste quarteto, expondo cada elemento e nuance de sua essência sem nenhum tipo de problema, e vejam que cada faixa em si é um momento de extremo prazer aos ouvidos, especialmente os daqueles que buscam sempre por sonoridades novas e cheias de vida.

Analisar o trabalho dos rapazes necessita, antes de tudo, de muita paciência e atenção, para que nenhum mínimo elemento de sua música seja desprezado, mas o esforço é compensador, pois há tesouros maravilhosos em forma de música no disco, como na instrumental 'Overture', uma autêntica viagem progressiva bem feita e sólida, com teclados 'wakemanianos' e baixo abusando do virtuosismo e técnica; 'The King of Power' mostra um lado um pouco mais pesado, com ótimas guitarras nas bases e solo, e vocais soberbos, em um festival de mudanças de andamentos e técnica refinada; a climática e trabalhada 'Winter Winds', com o baixo mais uma vez se sobressaindo bastante, fechando a primeira parte conceitual. 'Metamorphosis', que está desvinculada das histórias contadas, e é uma canção com um toque de Rock'n'Roll/Hard bem evidente, mas com as influências de Música Clássica claras em vários momentos, e novamente os teclados aparecem de forma magistral. A segunda parte conceitual se inicial em 'Growing', uma das maiores faixas do CD, com variações de momentos requeridos em uma música dessas dimensões, mas que de forma alguma cansa o ouvinte, muito pelo contrário, pois é tão rica em termos de qualidade que o tempo passa sem vermos, com belo solo de guitarra, presença de pianos, e uma bateria bastante técnica; a bela 'Who We Are', onde novamente os pianos aparecem, rica em arranjos de cordas e belas orquestrações; 'The Sun's Face Through Dark Clouds' já é uma típica canção progressiva, mas guitarras mais pesadas em riffs elegantes, com muito de YES e GENESIS, sem ser uma cópia, que encerra a história. 'Same Old Sad Tale' é outra canção sem conexão com as histórias, mas de beleza ímpar. A terceira história, enfocando o célebre personagem 'Dom Quixote', do escritor espanhol Miguel de Cervantes, começa com 'Farewell My Lady', um início bem épico e forte, para logo entrar a forte e densa 'Hero', com belas guitarras limpas, inclusive o solo de guitarra é assim, em uma autêntica viagem densa e cheia de emoção; a bela, emotiva e curta 'Solitude', onde vemos o uso de flautas (duas, para ser exato), clavicórdio e celo, em uma faixa mais lenta, fechando o terceiro ato. 'Resurrection Day', outra balada, é forte e melodiosa, com muita elegância e merecedora de muitos elogios graças aos teclados, às guitarras dobradas em solos bem harmoniosos e pluralidade do vocalista André. Encerrando a obra, temos 'Infinite Strangers', uma canção um pouquinho menos complexa, usando muitos toques de Hard Rock e Folk Music, finalizando com um solo de tímpano.

Meus caros, depois disso tudo, o que podemos dizer desse CD que não seja Bravo!, e consta na lista dos 10 melhores de 2012 de muitos, sem sombra de dúvidas.

Blue Mammoth - Blue Mammoth
(2011 - Masque Records - Nacional)

Tracklist:

01. Overture
02. The King of Power
03. Winter Winds
04. Coda
05. Metamorphosis
06. Growin'
07. Who We Are
08. The Sun's Face Through Dark Clouds
09. Same Old Sad Tale
10. Farewell my Lady
11. Hero
12. Solitude
13. Resurrection Day
14. Infinite Strangers

Formação:

Andre Micheli - Teclados, vocal.
Cesar Aires - Guitarras, Coro.
Julian Quilodran - Baixo, violoncelo, flauta, coro.
Thiago Meyer - Bateria, coro.

Contatos:

http://www.bluemammothband.com
http://soundcloud.com/bluemammoth
http://www.youtube.com/VideoMammoth
http://soundcloud.com/bluemammoth




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Blue Mammoth"


Slipknot: Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saídaSlipknot
Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saída

Queen: ouça a voz isolada de Freddie Mercury em clássicosQueen
Ouça a voz isolada de Freddie Mercury em clássicos

Há quem goste: As 10 bandas mais odiadas do universoHá quem goste
As 10 bandas mais odiadas do universo

Curiosidade: artistas que odeiam suas próprias músicasHall Of Fame: 500 Músicas Que Marcaram o Rock and RollAccept: banda não precisa mais tocar "Balls To The Wall", diz Wolf HoffmannThe Beatles: uma foto rara de John Lennon cheirando coca

Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.