Bad Trip: Diversas vertentes do Rock com influência dos 70s

Resenha - Bad Trip - Bad Trip

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Renato Soares
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Com uma forte influência dos anos 70, a banda paulistana de rock experimental Bad Trip tem em suas composições um vasto arsenal capaz de despertar diversas sensações em seus ouvintes.

Megadeth: Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu GomesRolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutos

A banda acaba de lançar o seu primeiro CD com 9 faixas e apesar da forte identidade na sua sonoridade, as músicas da Bad Trip foram compostas sempre com elementos e formas diferentes uma das outras, a cada música surge um novo universo sensorial, tornando assim o álbum, música após música, uma bela caixa de surpresas. A Bad Trip transita por diversas vertentes do rock, uma mistura que vai desde baladas como "All Colors At Once", uma faixa com duração de 2 minutos e 21 segundos e conta com a participação de um vocal feminino na primeira voz, passando pela psicodélica e progressiva "Space Pilot" com duração de 12 minutos e 40 segundos, destacando também "Dawning Heart", um tema instrumental, tendo em uma das partes dessa música um ritmo brasileiro enquanto as guitarras de forma incendiária continuam distorcidas e com uma pegada roqueira em meio a uma bateria cheia de swing brasileiro contrapondo ao grito feroz do rock.

Um riff de guitarra poderoso e um timbre característico do gênero, faz da "The Yellow Tree" a música mais visceral do CD, trazendo a tona a força de um bom riff de guitarra e a energia frenética do mundo do rock.

Uma das principais características da banda é a sua criatividade rítmica e harmônica: na grande maioria das músicas há modulações na harmonia, havendo em uma mesma música harmonia tonal e harmonia modal. Existe também em quase todas as músicas uma grande variação nas fórmulas de compasso, com exceção de apenas duas músicas.

Outro fator muito característico da Bad Trip se refere ao timbre e à maneira de executar as guitarras, que levam a um virtuosismo no uso de efeitos e no uso da mesma como instrumento de ruídos sonoros, dessa forma diferenciando os arranjos e expondo todos os experimentalismos em suas músicas.

São estes elementos distintos e uma sensibilidade musical aguçada dos seus integrantes que faz da banda Bad Trip uma banda peculiar e ousada, que traz em suas composições sons que nos remetem aos anos de outrora sem deixar de lado a sensação de ouvir os nossos tempos.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Bad Trip"


Megadeth: Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu GomesMegadeth
Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu Gomes

Rolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutosRolling Stone
As melhores músicas com mais de sete minutos

Música Brasileira: Quais os discos mais vendidos da história?Música Brasileira
Quais os discos mais vendidos da história?

Megadeth: "Magia negra arruinou minha vida", diz MustaineStairway to Heaven: o maior hit do Led ZeppelinPink Floyd: Nick Mason compara saída de Waters à morte de StalinOriginalidade: 10 Bandas ou Projetos Inusitados

Sobre Renato Soares

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.