Old Grindered Days: 64 faixas e 75 minutos de insanidade

Resenha - Coletânea Vol 1 - Old Grindered Days

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Christiano K.O.D.A.
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Já deu pra notar, pelo nome da coletânea (saindo do forno mais quente do mundo), que o negócio é pura atrocidade, né? São nada menos do que nove bandas que se dedicam sem descanso a tornar o pobre ouvinte um psicopata em “apenas” 64 faixas que totalizam 75 minutos de muita insanidade!
5000 acessosKirk Hammett: "Mustaine toca rápido e eu, melódico"5000 acessosAngra: banda errou na escolha de Fabio Lione?

Abrindo o play, a Necrose fica num Grindcore caprichado, com certas variações de ritmo, mas priorizando aquela pegada seca e direta do estilo. Legal falar que a banda conta com dois caras e duas moças (uma delas – Cynthia – divide os vocais com Jadir de igual para igual) que brilham pela ferocidade. A gravação ajuda e o grupo mostra intimidade na arte de moer. Começou bem!

O próximo grupo, Barulho Ensurdecedor, justifica seu nome: com uma produção inferior, o pessoal manda bronca também no chamado Grind, com dez músicas que passam o recado, mas que ficam um pouco comprometidas pela questão da gravação. O vocal de Alter, por exemplo, parece ter sido registrado de muito longe do microfone. Nesse quesito, uns ajustes aqui e ali (e quem sabe, menos microfonias) deixariam o material mais atrativo, mas calma, que a rapaziada DESTRÓI! Musicalmente competentes!

Já o Pankreatite Necro-Hemorrágica prepara um Goregrind pavoroso (no bom sentido). A banda soube aproveitar o espaço da coletânea com composições bem empolgantes e velocíssimas, com direito a cover da Gut (“Cripple Bitch”). Destaque para os vocais (sempre) incompreensíveis que, em alguns momentos, são tão extremos que se parecem com assobios macabros. E além disso, fizeram uma barulheira muito bem gravada, algo mais admirável por se tratar de Goregrind. Uma das melhores bandas do disco.

É a vez da Sengaya exercer o caos (curto, mas marcante) e, mesmo com uma produção que deixou o volume mais baixo do que outras bandas, fez bonito no quesito bom ruído. O quarteto volta ao lado Grind, mas com toques Gore. A guitarra tem afinação bastante grave e o vocal de Ricardo é bem sufocadão. Resultado positivo! Uma boa surpresa na coletânea.

A Feces on Desplay, que vem em seguida, também apresenta gravação baixa, mas dada a qualidade dessa one-man-band (sim, o senhor Serginho “Corpsegore” comanda tudo!), o inconveniente é parcialmente perdoado (a bateria programada ficou perceptivelmente artificial, especialmente nos ‘blast beats’). Comparando com trabalhos anteriores do músico, o estilão Goregrind continua intacto. E incrível a sua versatilidade nos cantos, cheios de efeitos e alternando com “pig vocals”. Admirável. Apenas permanece a ressalva: Serginho, seus outros plays estão mais bem produzidos, hein? Não deixa a peteca cair não, rapá!

Ataque Cardíaco chegando agora. Grindcore com gravação mediana e vocal meio forçado. Ele não parece combinar com toda a intensidade do instrumental e acaba transparecendo certa insegurança nesse sentido, mas nada que um aprimoramento (leia-se algo mais urrado talvez) não resolva. No restante, deram conta do recado com folga.

E uma das mais tradicionais bandas Grind nacionais dá as caras em “Old Grindered Days”. O jeitão da Subcut é aquele bem característico do quarteto (mas não era um trio?): rolo compressor desenfreado com raros momentos cadenciados. O baterista Afonso Moura (sempre) chama a atenção por, além de espancar seu kit, berrar feito um louco e segurar essa onda com galhardia, alternando os cantos com Gustavo. E a guitarra parecendo um abelhão soma mais agressividade ao som. Estranho somente o fato de a gravação parecer ter sessões de estúdio diferentes.

Outra promessa do nosso underground, a Crunch Delights, que soltou o ótimo CD-r “Under.Grind” (ler resenha) em 2011, retorna com seu Goregrind perturbador. Yákilli, que até então era somente guitarrista, agora divide os vocais com Vúmito. Esse duo afiado (e excelente) dá uma sustância incrível à porrada sonora do conjunto. Já a baixista Monique e o baterista Thiago dominam na cozinha. A verdade é que a produção ficou muito sujona, mas foi proposta dos integrantes. Então, que assim seja! Logo logo já está na hora de um ‘full’, hein?

Fechando esse grande material, a BoneAche envereda pelo Goregrind, quase Noise. Não fosse a bateria programada consideravelmente artificial (que caixa é essa?) e repetitiva, que encobre quase tudo, o resultado certamente seria melhor. Assim como a Feces on Display, esse projeto é formado por um homem só – Glésio Torres. O cara tem uma voz muito poderosa, o ponto mais positivo da BoneAche. A guitarra também é bacana (não há baixo), mas como já mencionado, ela acaba por debaixo da bateria e, portanto, dificulta sua melhor avaliação.

O encarte, todo em preto e branco, apresenta uma arte bem feita e cuidada, da capa às informações (completas) dos grupos. Profissional.

Direto ao ponto: CORRA ATRÁS DISSO AQUI URGENTEMENTE, conheça novas promessas do nosso ruidoso cenário e claro, curta as veteranas participantes do material. Parabéns a todos os selos pela iniciativa e que o volume dois não tarde!

Old Grindered Days – Vol 01 (coletânea)
Old Grindered Days Records/Rotten Foetus Records/Cianeto Discos/Disturbed Mind – 2012 – Brasil

Necrose: www.myspace.com/necrosegrind
Barulho Ensurdecedor: barulhoensurdecedor@gmail.com
Pankreatite Necro-Hemorrágica: www.myspace.com/pnhgoregrind
Sengaya: www.myspace.com/sengaya
Feces on Display: www.myspace.com/fecesondisplay
Ataque Cardíaco: www.myspace.com/ataquecardiacooficial
Subcut: www.myspace.com/subcut
Crunch Delights: www.myspace.com/crunchdelights
BoneAche: www.myspace.com/boneachepathogoregrind

Fonte: Som Extremo
http://somextremo.blogspot.com
@som_extremo

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs

MetallicaMetallica
Kirk Hammet fala sobre Dave Mustaine e solos

AngraAngra
Banda errou na escolha de Fabio Lione?

ShamanShaman
Fernando Quesada desabafa sobre cena brasileira

5000 acessosSlayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido5000 acessosCristina Scabbia: cantora fala sobre seus seios e Playboy5000 acessosFascínio pelo terror: Cinco bandas que dão medo5000 acessosAC/DC: Axl conta por que Angus vive correndo no palco5000 acessosCrítica e representação da Guerra do Vietnã no rock dos anos 19605000 acessosPaul Di'Anno: Convertido ao Islã, vocalista comenta fanatismo

Sobre Christiano K.O.D.A.

Um cara diretamente ligado ao Som Extremo, fã de livros e filmes, formado em Imagem e Som, Publicidade e Propaganda e Jornalismo. Faz parte da banda de grindcore Prey of Chaos e tem um blog dedicado à música barulhenta. Enfim, alguém que faz da música sua vida.

Mais matérias de Christiano K.O.D.A. no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online