Candlemass: a essência da banda com o vocalista Robert Lowe

Resenha - Death Magic Doom - Candlemass

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar Correções  

publicidade

8


Os suecos do Candlemass dispensam apresentações, pois se trata de um dos maiores nomes do Heavy/Doom Metal mundial. Com quase 30 anos de carreira, o grupo possui uma discografia invejável e dezenas de clássicos.

Axl Rose: Texto analisa rivalidade com Kurt CobainGuitar World: os 100 piores solos de guitarra da história

A Laser Company (http://www.lasercompanymusicstore.com.br/) traz para o mercado nacional este belíssimo disco, que é o segundo com o vocalista Robert Lowe (Solitude Aeternus), portanto conta com uma participação mais sólida do vocalista, que ainda se adaptava à banda em "King Of The Grey Islands" (2007).

O disco conta com toda a essência do Candlemass agregado ao talento de Lowe. Apesar de seu timbre ser bem diferente ao do ex-vocalista Messiah Marcolin, o atual vocalista da banda já consegue impor sua marca, com ótimas interpretações. Seu vocal possui feeling, e uma variação que transita entre o dramático e o odioso.

Comparações de lado, "Death Magic Doom" começa bombástico com a primeira faixa If I Ever Die botando tudo abaixo em um ritmo veloz que não é muito comum na banda. Logo em seguida, Hand Of Doom demonstra toda a soturnidade típica da banda em um som arrastado em um clima sorumbático. A faixa ainda possui um refrão pegajoso e um final onde muda seu ritmo, causando euforia no ouvinte.

The Bleeding Baroness não é tão cadenciada como a anterior, porém é tão pesada e Doom quanto ela. A quebrada de ritmo para a entrada do pegajoso refrão (aliás, essa é uma das características do disco) ficou excelente, confirmando que a trinca inicial do trabalho beirou a perfeição.

Outros destaques vão para a sabbathica (não podia faltar) House Of Thousand Voices e seus belos riffs e solos, Dead Angel e mais um refrão marcante, além de My Funeral Dreams que conta com um show de Lowe.

Vale também destacar o trabalho de guitarras a cargo de Lars Johansson e Mappe Bjorkman. Ambos continuam afiadíssimos em solos e riffs magistrais. O baixo de Leif Edling (um dos fundadores da banda) continua dando o tom do peso e a bateria de Jan Lindh, ora da o ritmo brutal das composições ora entoa a cadência necessária.

Há rumores de que o Candlemass lançará seu último trabalho em estúdio ainda este ano, portanto aproveite bem "Death Magic Doom", pois o álbum possui todas as características da banda e mais um pouco.


Outras resenhas de Death Magic Doom - Candlemass

Resenha - Death Magic Doom - Candlemass



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Heavy Metal: as melhores músicas para meditarHeavy Metal
As melhores músicas para meditar

Doom Metal: os dez trabalhos essenciais do estiloDoom Metal
Os dez trabalhos essenciais do estilo


Axl Rose: Texto analisa rivalidade com Kurt CobainAxl Rose
Texto analisa rivalidade com Kurt Cobain

Guitar World: os 100 piores solos de guitarra da históriaGuitar World
Os 100 piores solos de guitarra da história


Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin