Brutal Truth: Bom álbum, mas aquém do resto da discografia

Resenha - End Time - Brutal Truth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Christiano K.O.D.A.
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A Brutal Truth está de volta com mais um barulho, algo que sempre faz a festa dos fãs. É interessante notar que a banda, após o consagrado álbum “Sounds of the Animal Kingdom”, ápice da carreira, praticamente conseguiu manter a qualidade nos trabalhos posteriores (sempre com exceções). Nesse aqui, a coisa fica só no bom, e não no ótimo.
5000 acessosO Suprassumo do Superestimado: os 11 mais (ou menos) nacionais5000 acessosSpike: os sete piores solos de guitarra

O grupo, que havia abandonado o puro e simples grindcore há tempos, retorna um pouco às raízes, devidamente ensaiado em “Evolution Through Revolution”, com menos experimentalismos e mais porradarias, algo da época do “Need to Control”. Até mesmo a música introdutória – “Malice” – vai na linha da primeira faixa do citado CD – “Collapse”.

Entretanto, Kevin Sharp continua versátil e vai do vocal gutural ao cantado com facilidade impressionante. Se por um lado, ganhou um elemento mais rico na gravação, por outro, perdeu um pouco da brutalidade de outrora, quando apresentava um gutural horríssono alternado com excelentes rasgados. É... existem coisas muito boas que não têm mais volta.

E a sonoridade está mais crua em “End Time”, remetendo ao “Kill Trend Suicide” (perceberam o quanto eles juntaram as características de seus outros trabalhos nesse álbum?), dando mais ênfase a esse resgate (proposital?) do grind mais diretão.

O baixo do lendário e carismático Danny Lilker possui um timbre fantástico, contrapondo à guitarra de Erik Burke, que não apresenta peso à altura do que as músicas pedem. Além disso, seus riffs por vezes se embolam com o restante do instrumental e ficam difíceis de serem decifrados. Quando se tornam inteligíveis, notam-se melodias esquisitas em alguns trechos. Complicado demais até para um grupo como a Brutal Truth.

Pegando o conjunto das músicas em si, claro, pode-se dizer que o álbum é um lançamento considerável na trajetória da banda, mas talvez lhe falte características próprias, que não permita comparações com o restante da discografia.

Bom, quer grind? Toma esse disco, que tem sim muitos méritos, mas não espere nada melhor do que o citado “Sounds of the Animal Kingdom” ou, principalmente, do que o perfeito “Extreme Conditions Demand Extreme Responses”.

Brutal Truth – End Time
Relapse Records – 2011 – Estados Unidos
http://www.myspace.com/brutalfuckingtruth

Tracklist
1. Malice
2. Simple Math
3. End Time
4. Fuck Cancer
5. Celebratory Gunfire
6. Small Talk
7. .58 Caliber
8. Swift and Violent (Swift Version)
9. Crawling Man Blues
10. Lottery
11. Warm Embrace of Poverty
12. Old World Order
13. Butcher
14. Killing Planet Earth
15. Gut-Check
16. All Work and No Play
17. Addicted
18. Sweet Dreams
19. Echo Friendly Discharge
20. Twenty Bag
21. Trash
22. Drink Up
23. Control Room

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Brutal Truth"

Heavy MetalHeavy Metal
Os melhores álbuns de 2009 segundo o About.com

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Brutal Truth"

Os 11 mais (ou menos)Os 11 mais (ou menos)
O Suprassumo do Superestimado

SpikeSpike
Os sete piores solos de guitarra

Heavy MetalHeavy Metal
Cinco discos necessários dos anos setenta

5000 acessosSeparados no nascimento: Bruce Dickinson e Leopoldo Pacheco5000 acessosOs dez maiores picaretas da música internacional5000 acessosFrances Bean Cobain: assustada com tatuagem de fã5000 acessosMegadeth: as 10 melhores músicas com Nick Menza5000 acessosAC/DC: Axl diz que namorada obrigava Slash a ouvir a banda5000 acessosDream Theater: quando um tecladista autografa uma guitarra

Sobre Christiano K.O.D.A.

Um cara diretamente ligado ao Som Extremo, fã de livros e filmes, formado em Imagem e Som, Publicidade e Propaganda e Jornalismo. Faz parte da banda de grindcore Prey of Chaos e tem um blog dedicado à música barulhenta. Enfim, alguém que faz da música sua vida.

Mais matérias de Christiano K.O.D.A. no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online