Destruction: Reforçando seu status de referência musical

Resenha - Day Of Reckoning - Destruction

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Durr Campos
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O Destruction dispensa maiores apresentações por se tratar de um dos maiores nomes do thrash metal mundial e, certamente, um dos pilares do chamado Big 4 alemão ao lado de Sodom, Kreator e Tankard. Sua discografia confunde-se com o próprio estilo que ajudou a propagar e, após quase três anos desde a chegada de D.E.V.O.L.U.T.I.O.N. às lojas, a banda nos apresenta "Day of Reckoning", item bastante aguardado desde a divulgação da capa no final do ano passado.

Destruction: Big Four alemão está "na lista de prioridades"Rock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os tempos

O trio - composto por Schmier no baixo e vocal, Mike na guitarra e o estreante Vaaner na bateria - já estava com crédito junto aos fãs pelo lançamento do incrível DVD "A Savage Symphony - The History of Annihilation", mas a chegada do novo disco só reforçou seu status de referência musical. Como já vem fazendo desde o "All Hell Breaks Loose" (2000), "Day of Reckoning" mescla a sonoridade clássicas dos anos 80 com produção e mixagem moderna e pesadíssima, o que irá agradar saudosistas e novos seguidores.

A voz característica de Schmier continua intacta. Confira a faixa de abertura, a velocíssima "The Price" e o primeiro single, "Hate is My Fuel", com seu refrão grudento e cativante para comprovar. Some a elas mais duas, "Armageddonizer" e a faixa-título, e entendam o porquê da escolha do novo baterista. O polonês simplesmente possui uma das pegadas de bumbo duplo mais impressionante que pude notar recentemente.

O álbum é todo bom, mas ainda gostaria de destacar "Misfit", "The Demon Is God" com sua letra sarcástica, "Church of Disgust", uma de minhas favoritas, e a inspiradíssima "Destroyer or Creator". Se irá sobreviver ou não à prova do tempo isso só o próprio dirá. Entretanto, uma banda que já conseguiu tal feito com, no mínimo, três dos seus discos, pode muito bem ter o mesmo êxito outras vezes. Divirta-se!

Destruction - Day of Reckoning
Nuclear Blast/ Laser Company - 2011

Line-up:
Schmier - vocal e baixo
Mike Sifringer - guitarra
Vaaver (Wawrzyniec Dramowicz) - bacteria

Track-list:
1. The Price
2. Hate Is My Fuel
3. Armageddonizer
4. Devil's Advocate
5. Day of Reckoning
6. Sorcerer of Black Magic
7. Misfit
8. The Demon Is God
9. Church of Disgust
10. Destroyer or Creator
11. Sheep of the Regime
12. Stand up and Shout (Dio cover - Bonus Track)


Outras resenhas de Day Of Reckoning - Destruction

Destruction: O trio se supera com o novo petardoDestruction: Uma banda intensa, que dá o sangue nas músicasDestruction: Um disco rápido e intensamente pesadoDestruction: Permanecendo sinônimo de Thrash Metal vigoroso




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Destruction"


Destruction: Big Four alemão está na lista de prioridades, afirma SchmierDestruction
Big Four alemão está "na lista de prioridades", afirma Schmier

Destruction: estreia do clipe "Betrayal"

Hard & Metal: dez músicas que soam melhor ao vivoHard & Metal
Dez músicas que soam melhor ao vivo

Thrash Metal: Álbuns injustiçados nos anos noventa.Thrash Metal
Álbuns injustiçados nos anos noventa.

Metal Hammer: As 22 melhores músicas old-school do Thrash MetalMetal Hammer
As 22 melhores músicas old-school do Thrash Metal


Rock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os temposRock Progressivo
As 25 melhores músicas de todos os tempos

Separados no nascimento: Ozzy Osbourne e Jim CarreySeparados no nascimento
Ozzy Osbourne e Jim Carrey

Em vídeo: A diferença entre ser músico e ser rockstarEm vídeo
A diferença entre ser músico e ser rockstar

Motley Crue: Vince Neil detona Sharon Osbourne em biografiaR.E.M.: banda é dona da faixa que mais faz o homem chorarEddie Trunk: "os astros do rock não querem te conhecer"Metallica: James conta como a banda se tornou sua família

Sobre Durr Campos

Graduado em Jornalismo, o autor já atuou em diversos segmentos de sua área, mas a paixão pela música que tanto ama sempre falou mais alto e lá foi ele se aventurar pela Europa, onde reside atualmente e possui família. Lendo seus diversos artigos, reviews e traduções publicados aqui no site, pode-se ter uma ideia do leque de estilos que fazem sua cabeça. Como costuma dizer, não vê problema algum em colocar para tocar Napalm Death, seguido de algo do New Order ou Depeche Mode, daí viajar com Deep Purple, bailar com Journey, dar um tapa na Bay Area e finalizar o dia com alguma coisa do ABBA ou Impetigo.

Mais matérias de Durr Campos no Whiplash.Net.