Matérias Mais Lidas

Nicko McBrain: pedal duplo é pra caras como Aquiles PriesterNicko McBrain
Pedal duplo é pra caras como Aquiles Priester

Jon Schaffer: nomes do Iced Earth e Demons & Wizards somem do site da gravadoraJon Schaffer
Nomes do Iced Earth e Demons & Wizards somem do site da gravadora

Greta Van Fleet: Robert Plant odeia aquele vocalistaGreta Van Fleet
Robert Plant "odeia" aquele vocalista

Metallica: veja o primeiro (e curioso) cartão de visitas da bandaMetallica
Veja o primeiro (e curioso) cartão de visitas da banda

Megadeth: Dave Lombardo quase entrou pra banda, mas percebeu a merda que ia darMegadeth
Dave Lombardo quase entrou pra banda, mas percebeu a merda que ia dar

Joe Lynn Turner: detonando gravadora por continuar projeto Sunstorm sem eleJoe Lynn Turner
Detonando gravadora por continuar projeto Sunstorm sem ele

Nervosa: Banda lança videoclipe de Under RuinsNervosa
Banda lança videoclipe de "Under Ruins"

Pantera: as cinco melhores músicas da banda, segundo leitores da RevolverPantera
As cinco melhores músicas da banda, segundo leitores da Revolver

Megadeth: Dave Mustaine, agora, é faixa roxa em jiu-jitsu brasileiroMegadeth
Dave Mustaine, agora, é faixa roxa em jiu-jitsu brasileiro

Iron Maiden: As faixas do clássico The Number Of The Beast, da pior para a melhorIron Maiden
As faixas do clássico "The Number Of The Beast", da pior para a melhor

Pearl Jam: exigindo que banda cover Pearl Jamm mude nome, sob ameaça de processoPearl Jam
Exigindo que banda cover Pearl Jamm mude nome, sob ameaça de processo

Lista: 10 grandes sucessos que farão 30 anos em 2021 e continuam sendo ouvidos até hojeLista
10 grandes sucessos que farão 30 anos em 2021 e continuam sendo ouvidos até hoje

Quiet Riot: quebrando disco de banda brasileira em 1985Quiet Riot
Quebrando disco de banda brasileira em 1985

Loudwire: o melhor álbum de thrash metal de cada ano, de 1983 até 2020Loudwire
O melhor álbum de thrash metal de cada ano, de 1983 até 2020

Dedo x Palheta: Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debateDedo x Palheta
Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debate


Matérias Recomendadas

Metal Brasileiro: 10 bandas recomendáveis fora o SepulturaMetal Brasileiro
10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

Lemmy: Eddie Van Halen nunca chegará aos pés de Hendrix!Lemmy
"Eddie Van Halen nunca chegará aos pés de Hendrix!"

Power Metal: 10 álbuns essenciais do estiloPower Metal
10 álbuns essenciais do estilo

System of a Down: casamento vai abaixo com Toxicity, vídeo viraliza e Serj divulgaSystem of a Down
Casamento vai abaixo com "Toxicity", vídeo viraliza e Serj divulga

Freddie Mercury: 18 fotos espontâneas ao lado do namorado Jim HuttonFreddie Mercury
18 fotos espontâneas ao lado do namorado Jim Hutton

Malvada
Stamp

Symphony X: Um disco vigoroso, forte e agressivo

Resenha - Iconoclast - Symphony X

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Daniel Junior, Fonte: Aliterasom
Enviar Correções  

9


Imagine um disco vigoroso, forte e agressivo; musical, detalhado e preciso. É desta forma que Iconoclast (2011) do Symphony X soa. Pesado, melódico e muito bem produzido. O trabalho da banda é de fazer o queixo cair do mais aficcionado fã de metal. A banda conseguiu algo de muito valor para quem trabalha com esta linguagem: não menozprezar as possibilidades melódicas de uma canção. Há quem pense que para se fazer um disco agressivo é necessário descartar toda e qualquer tentativa de que ele soe bem aos ouvidos de qualquer um e neste quesito SX acerta em cheio.

A quantidade de riffs bonitos que Michael Romeo escalou para o repertório é de impressionar. Sim, existe um "q" de sinfônico em todo o disco mas isto não desclassifica-o, pelo contrário, este equilíbrio entre frases elaboradíssimas e toda aquela grandiloquência que o power (embora eles assim não se definam) sugere acabou transformando Iconoclast em uma referência para toda banda que quer fazer um disco com categoria, velocidade e riqueza.

Os timbres estão todos colocados com grandeza e a faixa título associada ao punch vocal de Russel Allen (que está MUITO bem diga-se de passagem) nos convida a todos os clichês, quando encontramos pela frente um disco de muita qualidade e que está na lista de melhores do ano de maneira muito fácil.

A canção título do disco (que tem duas versões, uma em Deluxe Edition) é destas preciosidades que realçam as qualidades que citei no primeiro parágrafo: muito peso e melodia, sem que fique chato e repetitivo como algumas bandas de power metal. Sei que alguns leitores irão torcer o nariz ao fazermos citação ao power mas o Symphony X se não é uma banda do estilo tem pegadas que lembram. De fato não podemos classificar o Symphony X nem puramente como uma banda de prog metal. Enfim, o que menos importa aqui (e em outros casos) é como colocar na bandeja um disco que tem canções muito bacanas como "The End of Innocence" e "Dehumanized".

O que dizer de uma faixa como "Light Up The Night" que é de uma sonzeira atropeladora, com aqueles elementos que fazem bater a cabeça do headbanger em altíssima velocidade: paletadas em sequência avassaladora, teclados viajantes e quebradas para mudança de clima.

Ah e como é bom ouvir solo! O rock de uns tempos pra cá perdeu uma das suas principais características: o solo de guitarra. A presepada que faz milhões de pessoas no mundo utilizarem seu próprio instrumento imaginário que se convencionou chamar de air guitar. Talvez eu nem precisasse dizer isso mas como imaginar uma banda que faz rock – seja de que vertente ele pertencer – sem pensar que em alguma faixa de um lançamento desta mesma banda não há um solo de guitarra! Em "Light Up The Night" tem um monte para se esbaldar!

"Bastards of The Machine" tem um riff de teclado, muito rápido, seguido de uma base igualmente veloz. A voz de Russel Allen está melhor do que nunca. O desempenho do vocalista no disco é um parágrafo separado. A paixão com a qual o vocalista se entregou em cada canção não pode ser desprezada. Sem que fosse necessário nenhum outro tipo de recurso que expusesse o seu talento. É violência na hora do refrão (da canção citada) e muito peso em todo o disco. Se poucas vezes usa de versatilidade, não é possível culpá-lo, porque o disco todo é nervoso. Bastards of The Machine tem um solo limpo de guitarra e teclado. Aliás, o disco todo não tem um som muito sujo. Os puristas podem querer condená-lo pela limpeza na mixagem. Eu gostei.

"Heretic" tem aquelas cavaladas riffeiras que Michael Romeo sabe fazer muito bem. E volto a dizer o que disse nos parágrafos anteriores: fica o mérito da banda de ter feito um trabalho com linhas muito difíceis (que incluem todos os instrumentos) e não ter perdido o senso melódico. Não perdeu peso, agressividade e mesmo assim soa muito bem. O casamento entre teclado e guitarra está muito bem feito e cada um sabe seu lugar. Na boa mixagem é possível escutar inclusive o trabalho do baixo, instrumento quase sempre desprezado nos trabalhos de masterização, porque geralmente fica escondido na avalanche de pedal duplo dos bateristas que se utilizam desta forma de acompanhar os tempos de maiores velocidades.

"Children of a Faceless God", faixa de título curioso, tem momentos incríveis. A frase criada por Mike é muito bonita e de bastante técnica. Chover no molhado falar sobre Romeo desde há muito tempo. A música que é uma fusão de intervenções eletrônicas, batidas semi-tribais e teclados que lembram computadores, é uma das melhores do disco.

Falando um pouco dos temas. É muito interessante este desejo de mesclar assuntos religiosos x tecnologia porque no mundo moderno as duas coisas acabaram se fundindo, de forma que a abrangência do mote é grande. De fato a banda jamais foi conhecida por abordar temas banais mas isso não deixa de ser positivo para você que hoje não encontra boas letras que levantam debates interessantes de serem estudados e percebidos. É um ponto de vista de uma banda sobre temas como Deus e máquinas, a velha discussão do homem, sobre a evolução (e regressão) que ambas trazem para sua própria vida.

Em "When All is Lost" temos um vocal mais delicado para um tão suave teclado introdutório. Nove minutos de muito clima. Aos 4:40 minutos de música temos um Hammond (ou algo muito próximo disso) com frases infindas de Romeo, seguidos de outras frases agora ao violão (ou também algo muito próximo disso) com algumas cordas, baixo e bateria. A ideia da música é muito viajante e com certeza fará muito sucesso ao vivo. Perto do final da canção temos o retorno da velocidade, em passagens que lembram até Iron Maiden, mas nada muito referencial. A canção é realmente uma balada com momentos intensos. Pela interpretação, pelo tema, pela proposta.

Prometheus (I Am Alive) ainda tem essa mescla de teclados bem "eletrônicos" e levadas pesadas e sombrias, que dão lugar a muito peso e velocidade. Assim como as faixas tanto da edição simples, como da edição dupla, na qual as canções são todas costuradas e levadas por convenções entre guitarra e teclado, sem desprezar os solos (de ambos os teclados), lembrando a outra dupla venerada do prog, Petrucci e Rudess, diferenciando-se no quesito "duração das suítes". O S7 é mais objetivo, se podemos assim dizer.

O disco é muito especial e a tendência é que seja um sucesso entre aqueles que são fãs do grupo. Obviamente que não será difícil conquistar tantos outros, uma vez que, não só a popularidade mas a veneração em cima do quinteto americano só cresce.

Versão Simples:

01. Iconoclast
02. The End of Innocence
03. Dehumanized
04. Bastards of the Machine
05. Heretic
06. Children of a Faceless God
07. Electric Messiah
08. Prometheus (I Am Alive)
09. When All is Lost

Edição Dupla

CD 1
01. Iconoclast
02. The End of Innocence
03. Dehumanized
04. Bastards of the Machine
05. Heretic
06. Children of a Faceless God
07. When All is Lost

CD 2
01. Electric Messiah
02. Prometheus (I Am Alive)
03. Light Up the Night
04. The Lords of Chaos
05. Reign in Madness

twitter do autor: @dcostajunior
twitter do blog: @aliterasom


Outras resenhas de Iconoclast - Symphony X

Symphony X: Mantendo som característico dos últimos álbuns

Symphony X: Seu disco mais pesado, dinâmico e impactante

Symphony X: Todas as faixas são agressivas e poderosas


Tunecore
Receba novidades de Rock e Heavy Metal por Whats App
Anunciar no Whiplash.Net


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Symphony X: turnê pela América Latina é adiada para agosto de 2021Symphony X
Turnê pela América Latina é adiada para agosto de 2021

Symphony X: queime suas máscaras, diz baixista de banda que vende máscarasSymphony X
"queime suas máscaras", diz baixista de banda que vende máscaras


Dream Theater: Jordan Rudess não gosta de ouvir Prog MetalDream Theater
Jordan Rudess não gosta de ouvir Prog Metal

Symphony X: Não soamos como o Dream Theater, mas não há muitas com quem nos compararSymphony X
"Não soamos como o Dream Theater, mas não há muitas com quem nos comparar"


Hard Rock: as 25 melhores músicas acústicas do gêneroHard Rock
As 25 melhores músicas acústicas do gênero

Keith Richards: Metallica e Black Sabbath são grandes piadasKeith Richards
Metallica e Black Sabbath são "grandes piadas"


Sobre Daniel Junior

Daniel Junior era blogueiro do Diário do Pierrot e do site The Crow (especializado em cinema). Colaborava com o site Seriemaníacos (sobre séries de TV) e com o blog Minuto HM. Começou seu amor pelo rock por causa do Kiss e do Black Sabbath até conhecer outras bandas pelas quais nutriria paixão e admiração como Metallica, Rush, Dream Theater, Faith No More e tantas outras. Daniel faleceu em 2017 e definitivamente fará falta.

Mais matérias de Daniel Junior no Whiplash.Net.