Grave: Banda continua seguindo seu caminho em linha reta

Resenha - Burial Ground - Grave

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Christiano K.O.D.A., Fonte: Som Extremo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Direto ao ponto: os suecos executam um thrash/death (mais para esse último) com um pé na velocidade (não extrema). Já começa com a porrada “Liberation”, com potentes vocais de Lindgren, que continuam afiados e assustadores. Novamente é o elemento mais impactante no Grave.
5000 acessosRed Hot Chili Peppers: as melhores músicas segundo o Loudwire5000 acessosTico Santa Cruz: um comovente texto sobre suicídio de Champignon

Na sequência, “Semblance in Black” é ainda mais agressiva e rápida, mas lá pelo meio, cai para um ritmo cadenciado, mostrando que nem só de velocidade vive o som extremo. Depois de 2/3, voltam com a porradaria, uma das marcas registradas do conjunto. Também temos a lenta (ou menos veloz?)

“Dismembered Mind”, que mostra um lado mais técnico da banda. “Sexual Mutilation”, uma regravação da demo de 1989 que leva o mesmo nome, é a mais violenta do disco. A melhor do CD. A penúltima faixa, “Bloodtrail”, conta com uma participação mais do que especial de Karl Sanders (Nile). Já vale a pena dar uma conferida só pelo cara.

E o álbum fecha com a faixa-título que, em seus mais de 7 minutos, inicia-se lenta para depois... bom... continuar arrastada. Sinceramente? A mais sem sal do CD. Uma pena, pois começaram bem na citada ”Liberation”, e foram esfriando ao longo do play.

O encarte apresenta uma bonita e detalhada arte, mas nada de extraordinário. Detalhe: não tem o line up da banda! As letras figuram em temas pessimistas, densos e obscuros. A gravação é boa e suja, dando aquela cara underground que uma banda de death metal deve ter.

Mas no aspecto geral, nenhum grande destaque. A Grave segue seu caminho em linha reta. Não se arrisca a sair do arroz com feijão. “Burial Ground” acabou parecido com o anterior, “Dominion VIII”, apesar da produção superior. Até a música que fecha esse último tem mais do que 7 minutos! É talvez um pouco (bem pouquinho) mais agressivo e só. O material soa um pouco repetitivo. Não deixa de ser empolgante, mas dá a impressão de que falta alguma coisa. Quem sabe, o receio de “desengessar” seu estilo.

Grave – Burial Ground
Shinigami Records – 2010 – Suécia

http://www.grave.se
http://www.myspace.com/gravespace

Tracklist
1. Liberation
2. Semblance in Black
3. Dismembered Mind
4. Ridden With Belief
5. Conquerer
6. Outcast
7. Sexual Mutilation
8. Bloodtrail
9. Burial Ground

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Burial Ground - Grave

818 acessosGrave: ótimo álbum death de banda pioneira do estilo

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Grave"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Grave"

Red Hot Chili PeppersRed Hot Chili Peppers
As melhores músicas segundo o Loudwire

Tico Santa CruzTico Santa Cruz
Um comovente texto sobre suicídio de Champignon

Globo ReprterGlobo Reprter
De onde surgiu a instigante música da abertura?

5000 acessosGaleria - Tatuagens em homenagem ao Iron Maiden (I)5000 acessosMustaine: por que ele perdeu seu emprego no Metallica?5000 acessosHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 19825000 acessosDeicide: vocalista chama Mustaine de "prolapso retal"5000 acessosHeavy Metal: como é o som das grandes bandas sem distorção?2252 acessosUltimate Classic Rock: os 40 maiores discos dos anos setenta

Sobre Christiano K.O.D.A.

Um cara diretamente ligado ao Som Extremo, fã de livros e filmes, formado em Imagem e Som, Publicidade e Propaganda e Jornalismo. Faz parte da banda de grindcore Prey of Chaos e tem um blog dedicado à música barulhenta. Enfim, alguém que faz da música sua vida.

Mais matérias de Christiano K.O.D.A. no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online