RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA atitude ousada da Legião Urbana ao peitar Globo e Faustão no meio de uma grande crise

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemA razão que levou Humberto Gessinger a decidir não usar mais nome "Engenheiros do Hawaii"

imagemPor que Gisele Bündchen e Ivete Sangalo deturparam "Imagine", segundo André Barcinski

imagemDiva Satânica explica qual foi a razão que a fez deixar a banda Nervosa

imagemO último show de Bon Scott com o AC/DC, três semanas antes de sua morte

imagemA hilária reação de Keith Richards ao encontrar músicos do Maneskin

imagemDavid Coverdale relembra parceria com Jimmy Page, e fala sobre relançamento

imagemAs duas razões que levaram RPM a passar por segunda separação em 2003

imagemEm entrevista, Tony Iommi contou como aprendeu a tocar guitarra

imagemAlém do Moonspell, São Paulo Metal Fest anuncia Beyond Creation em seu cast

imagemAngra parabeniza a aniversariante Sandy nas redes sociais

imagemJimmy Page sobre o "Presence": "Não se faz músicas como aquelas caindo de bêbado"

imagemGuitarrista do Offspring continuou em seu emprego normal mesmo depois da fama

imagemPrika explica por que nova vocalista da Nervosa não é brasileira e promete single em março


Summer Breeze

Behemoth: Um de seus discos mais agressivos e sensacionais

Resenha - Evangelion - Behemoth

Por Paulo Finatto Jr.
Postado em 20 de março de 2011

Nota: 9

Com mais de vinte anos de estrada, os poloneses do BEHEMOTH podem ser apontados como uma das maiores referências do black metal moderno. A banda, que une a temática do gênero à sonoridade extrema do death metal, vem conquistando cada vez mais adeptos desde "Demigod" (2004). Na sua empreitada mais recente, o agora quarteto mantém a média de qualidade e constroi um dos discos mais agressivos e sensacionais da sua carreira. "Evangelion".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em atividade desde o início dos anos noventa, o BEHEMOTH em poucos anos ganhou notoriedade suficiente para ser apontado como o maior ícone do metal polonês. Nergal (vocal e guitarra), Seth (guitarra), Orion (baixo) e Inferno (bateria) não podem mais ser considerados como um promissor nome do black metal. Pelo contrário. O sucesso a partir do ótimo "Demigod" (2004) – que passa ainda por "The Apostasy" (2007) – mostra a sua faceta mais clara em "Evangelion". Não é à toa que o álbum venceu o prêmio polonês Fryderyk Award (melhor CD de rock/metal do ano) e conquistou o disco de ouro no seu país (por ultrapassar a marca de cinquenta mil cópias vendidas). O nono registro de Nergal & Cia. transcendeu o underground periférico europeu para se afirmar como uma referência para o gênero no mundo inteiro.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

As particularidades que dão à sonoridade da banda um caráter interessantíssimo se desdobram do início ao fim de "Evangelion". De um lado, o BEHEMOTH mostra qualidade em composições extremas e complexas. De outro, o quarteto polonês comprova a sua desenvoltura também em temas mais ríspidos e diretos. A faixa de abertura, "Daimonos" evidencia um instrumental preciso e técnico, digno dos nomes mais conceituados do death metal brutal. Por outro lado, o ódio que a maioria das bandas de black transpira ganha forma a partir da ótima voz de Nergal, perfeitamente encaixada com o instrumental do grupo. Do mesmo modo, "Ov Fire and the Void" pode ser apontada como outro destaque, sobretudo pela obscuridade das suas melodias e dos seus riffs hipnotizantes de guitarra. Não seria pretensão alguma dizer que "Evangelion" é o ápice da destreza musical de Nergal & Cia.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Para quem não consegue desassociar o black metal à crueza dos seus representantes nórdicos, "Transmigrating Beyong Realms Ov Amenti" é uma faixa interessante de ser acompanhada. A música possui muita velocidade – uma característica que curiosamente não é uma constante no álbum – sem perder o impacto do instrumental extremamente bem elaborado e assinado pelo BEHEMOTH. No entanto, o quarteto polonês mostra um quê diferenciado justamente nas faixas em eles conseguem comprovar toda a sua desenvoltura em uma sonoridade coesa e recheada de variações rítmicas. Nessa perspectiva, "The Seed Ov I" deve atrair muitos dos olhares.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Na sequência de encerramento, a concentração de faixas mais diretas e da composição mais longa do repertório vem aparentemente para agradar a gregos e a troianos. Não há como dizer o contrário. As rápidas "Alas The Lord is Upon Me" e "Defiling Morality Ov Black God" contam com as mesmas referências que contornam "Evangelion" do seu início ao fim. A bateria aparece com a sua velocidade característica e o acompanhamento com os riffs bem definidos nas duas guitarras simboliza o que existe de mais particular na obra do BEHEMOTH. O cuidado em construir um repertório agressivo e muito coeso é evidente em cada um dos quarenta minutos de "Evangelion" – inclusive nos oito em que dura "Lucifer". Os elementos sinfônicos (que de repente até cairiam bem à proposta dos caras) são abdicados para que os poloneses possam ser rotulados como a banda mais agressiva do gênero.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Em agosto passado, Nergal foi hospitalizado em decorrência de uma leucemia. Porém, em janeiro desse ano uma ótima notícia: o vocalista e guitarrista deixou a unidade do Uniwersyteckie Centrum Kliniczne após um bem sucedido transplante de medula. A banda, que abandonou boa parte da turnê de "Evangelion" por causa disso, deve reconquistar a repercussão extremamente positiva que o seu nono registro de estúdio deixou em aberto. O álbum, que entrou na 55ª colocação da conceituada parada US Billboard 200, ainda dá muito pano para a manga. Não será nenhuma surpresa o dia em que o BEHEMOTH assumir o posto de maior referência (em atividade) do black metal mundial.

[an error occurred while processing this directive]

Track-list:

01. Daimonos
02. Shemhamforash
03. Ov Fire and the Void
04. Transmigrating Beyong Realms Ov Amenti
05. He Who Breeds Pestilence
06. The Seed Ov I
07. Alas The Lord is Upon Me
08. Defiling Morality Ov Black God
09. Lucifer


Outras resenhas de Evangelion - Behemoth

Resenha - Evangelion - Behemoth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Metal Hammer: As melhores músicas da história do Death Metal


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.
Mais matérias de Paulo Finatto Jr..