Mourning Lenore: Doom & Death da nova safra de Portugal

Resenha - Loosely Bounded Infinities - Mourning Lenore

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

7


Certamente Portugal não possui tradição em exportar muitos nomes ligados ao Heavy Metal, mas sua cena underground parece estar em efervescência, tal o número de grupos e dos mais variados subgêneros que tem surgido nos últimos anos. Nativo de Lisboa e na ativa desde 2008, o Mourning Lenore figura nesta nova safra, se caracterizando pela presença constante nos palcos de sua região e tendo como registro inicial apenas um split com o francês Daemonium, liberado em 2009.

Pois bem, as duas faixas presentes no citado split não apresentavam absolutamente nada de novo em se tratando de Doom / Death Metal oferecido lá pelos anos 1990, mas sua repercussão abriu as portas para que assinassem com o selo Major Label Industries. O fruto desta parceria chama-se "Loosely Bounded Infinities", uma estreia que mostra o Mourning Lenore dando um considerável salto na qualidade de sua proposta - mesmo que ainda não se observe nenhum tipo de inovação.

publicidade

Suas canções não chegam ao extremo daquela controversa e arrastada sonoridade suicida do chamado Funeral Doom, mas certamente tudo flui de forma lenta, com melodias intensas, depressivas e combinando ainda vocalizações agressivas com esporádicas linhas limpas. As influências, como não poderia deixar de ser, são claras e remetem diretamente a veteranos como Paradise Lost, Anathema, Katatonia e My Dying Bride.

publicidade

Tendo como bônus "Rain's Seduction" e "Patterns Of Emptiness" (do split de 2009), cada uma das seis composições não cronometram nada menos do que oito minutos, mas o repertório funciona muito bem. Nestes casos, o principal é tornar tudo diversificado e em constante movimento, características que os portugueses dominam com folgas e explícitas logo na respeitosa abertura "Contours Of A Dream" e "Unchained".

publicidade

Aliado à simplicidade desoladora do projeto gráfico – a fotografia da capa é belíssima, não? – temos a competente produção de Fernando Matias (f.e.v.e.r., Moonspell), que enfatiza toda a atmosfera sombria e sorumbática que exala de cada nota. Um primeiro disco que mostra o Mourning Lenore trabalhando com aquela energia que parece ser inesgotável nos novatos, que, como dito, nada é novo, mas possui muita maturidade e merece uma atenta audição por parte dos admiradores do gênero. Doom on!

publicidade

Contato: www.myspace.com/mourninglenoredoom

Formação:
João Galrito - voz e guitarra
João Arruda - guitarra
Joana Messias - baixo
Emanuel Henriques - bateria

Mourning Lenore - Loosely Bounded Infinities
(2010 / Major Label Industries - importado)

01. Contours Of A Dream
02. Reminiscence
03. Everlasting
04. Unchained
05. Rain's Seduction (bonus)
06. Patterns Of Emptiness (bonus)

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


David Lee Roth: o vergonhoso teste de Matt Sorum para a bandaDavid Lee Roth
O vergonhoso teste de Matt Sorum para a banda

Rita Lee: Ela participou de suruba com o Yes e furtou a cobra de Alice CooperRita Lee
Ela participou de suruba com o Yes e furtou a cobra de Alice Cooper


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin