1349: Black Metal e Ambiente Music intercalados em álbum

Resenha - Demonoir - 1349

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

7


Depois de toda a controvérsia em função dos muitos experimentos que resultaram no interessantíssimo "Revelations Of The Black Flame" (09), eis que o 1349 retorna com seu quinto álbum de estúdio, agora lançado via Prosthetic Records. E "Demonoir" já vem sendo alardeado por aí como uma obra que visa resgatar a velocidade pustulenta oferecida no passado, tão apreciada pelos blackbangers. Uhn... Bom, quase isso.

Black Sabbath - Perguntas e RespostasFrases de bandas: o que eles realmente querem dizer?

A realidade é que "Demonoir" é dividido em duas entidades bem distintas: Black Metal de um lado e Ambient Music do outro. Ou melhor, ambas estão intercaladas. Analisando a faceta metálica em si, fatalmente o 1349 voltou à rapidez apocalíptica, com riffs hipnóticos e por vezes com influências Thrash, muitos blast beats de um Frost obcecado pela velocidade, além das vocalizações tão demoníacas do sempre competente Ravn.

Os noruegueses trabalham bem, pois "When I Was Flesh" e "Psalm 7:77" são retornos óbvios aos primórdios do 1349. Mas quando a dinâmica aumenta é que aparecem os melhores resultados, como é o caso de "The Devil Of The Deserts", que se mantém muito veloz, mas com várias mudanças de tempo, alguns riffs Thrash e até breves pianos injetando uma tônica matadora nessa ótima composição.

Ainda que a qualidade da maioria das faixas Black Metal seja inquestionável, muitos sentirão nas passagens ambientais um verdadeiro obstáculo para a fluidez da audição... Batizadas como "Tunnel Of Set", elas estão divididas em sete partes e utilizadas como introdução em cada uma das canções propriamente ditas, verdadeiros delírios lúgubres que até se assemelham ao que a horda fez no último álbum.

E, mesmo que algumas destas espessas atmosferas se revelem interessantes - em especial a terceira e sétima partes -, o fato de elas serem tão pontuais e não mescladas às estruturas metálicas, esses túneis, muitas vezes, não levam a lugar nenhum. Em suma, ao se tratar do tradicional Black Metal escandinavo, "Demonoir" se mantém apenas como um bom álbum, mostrando que a peste norueguesa ainda não deu sinais de abrandar. Bem, talvez um pouquinho...

Contato:
http://www.legion1349.com
http://www.myspace.com/1349official

Formação:
Olav 'Ravn' Bergene - voz
Idar 'Archaon' Burheim - guitarra
Tor Risdal 'Seidemann' Stavenes - baixo
Kjetil Vidar 'Frost' Haraldstad - bateria

1349 - Demonoir
(2010 / Prosthetic Records - importado)

01. Tunnel Of Set - I
02. Atomic Chapel
03. Tunnel II
04. When I Was Flesh
05. Tunnel III
06. Psalm 7:77
07. Tunnel IV
08. Pandemonium War Bells
09. Tunnel V
10. The Devil Of The Deserts
11. Tunnel VI
12. Demonoir
13. Tunnel VII




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metal Injection: os cinco bateristas mais insanos do Black MetalMetal Injection
Os cinco bateristas mais insanos do Black Metal


Black Sabbath - Perguntas e RespostasBlack Sabbath - Perguntas e Respostas

Frases de bandas: o que eles realmente querem dizer?Frases de bandas
O que eles realmente querem dizer?


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin