1349: Black Metal e Ambiente Music intercalados em álbum

Resenha - Demonoir - 1349

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Depois de toda a controvérsia em função dos muitos experimentos que resultaram no interessantíssimo "Revelations Of The Black Flame" (09), eis que o 1349 retorna com seu quinto álbum de estúdio, agora lançado via Prosthetic Records. E "Demonoir" já vem sendo alardeado por aí como uma obra que visa resgatar a velocidade pustulenta oferecida no passado, tão apreciada pelos blackbangers. Uhn... Bom, quase isso.

1349: ouça Striding The Chasm", nova música da banda norueguesaRockstars: 18 roqueiros que já apareceram em filmes

A realidade é que "Demonoir" é dividido em duas entidades bem distintas: Black Metal de um lado e Ambient Music do outro. Ou melhor, ambas estão intercaladas. Analisando a faceta metálica em si, fatalmente o 1349 voltou à rapidez apocalíptica, com riffs hipnóticos e por vezes com influências Thrash, muitos blast beats de um Frost obcecado pela velocidade, além das vocalizações tão demoníacas do sempre competente Ravn.

Os noruegueses trabalham bem, pois "When I Was Flesh" e "Psalm 7:77" são retornos óbvios aos primórdios do 1349. Mas quando a dinâmica aumenta é que aparecem os melhores resultados, como é o caso de "The Devil Of The Deserts", que se mantém muito veloz, mas com várias mudanças de tempo, alguns riffs Thrash e até breves pianos injetando uma tônica matadora nessa ótima composição.

Ainda que a qualidade da maioria das faixas Black Metal seja inquestionável, muitos sentirão nas passagens ambientais um verdadeiro obstáculo para a fluidez da audição... Batizadas como "Tunnel Of Set", elas estão divididas em sete partes e utilizadas como introdução em cada uma das canções propriamente ditas, verdadeiros delírios lúgubres que até se assemelham ao que a horda fez no último álbum.

E, mesmo que algumas destas espessas atmosferas se revelem interessantes - em especial a terceira e sétima partes -, o fato de elas serem tão pontuais e não mescladas às estruturas metálicas, esses túneis, muitas vezes, não levam a lugar nenhum. Em suma, ao se tratar do tradicional Black Metal escandinavo, "Demonoir" se mantém apenas como um bom álbum, mostrando que a peste norueguesa ainda não deu sinais de abrandar. Bem, talvez um pouquinho...

Contato:
http://www.legion1349.com
http://www.myspace.com/1349official

Formação:
Olav 'Ravn' Bergene - voz
Idar 'Archaon' Burheim - guitarra
Tor Risdal 'Seidemann' Stavenes - baixo
Kjetil Vidar 'Frost' Haraldstad - bateria

1349 - Demonoir
(2010 / Prosthetic Records - importado)

01. Tunnel Of Set - I
02. Atomic Chapel
03. Tunnel II
04. When I Was Flesh
05. Tunnel III
06. Psalm 7:77
07. Tunnel IV
08. Pandemonium War Bells
09. Tunnel V
10. The Devil Of The Deserts
11. Tunnel VI
12. Demonoir
13. Tunnel VII




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "1349"


1349: ouça Striding The Chasm", nova música da banda norueguesa1349: confira capa, tracklist e música do próximo álbum

Metal Injection: os cinco bateristas mais insanos do Black MetalMetal Injection
Os cinco bateristas mais insanos do Black Metal


Rockstars: 18 roqueiros que já apareceram em filmesRockstars
18 roqueiros que já apareceram em filmes

Megadeth: Dave explica por que não tocar The ConjuringMegadeth
Dave explica por que não tocar "The Conjuring"

Bandas Iniciantes: 11 cagadas que vocês NAO podem cometerBandas Iniciantes
11 cagadas que vocês NAO podem cometer

Black Sabbath: "Nos separamos por causa do Live Evil"Rede Globo: em 1985, explicando o que são os metaleirosSlipknot: Mick Thomson esfaqueado em briga com irmãoMetal Injection: Cinco provas de que Lemmy é Deus

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.