Master: obrigatório para fãs de estilos mais extremos

Resenha - Human Machine - Master

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Ver Acessos


Após lançarem o CD "Slaves to Society" em 2007, e de uma meteórica passagem pelo Brasil em fevereiro deste ano(onde infelizmente dois membros da banda de abertura AFTER DEATH vieram a morrer afogados), o trio de death metal radicado na República TchecaMASTER volta a carga com seu mais novo CD, 'The Human Machine', que foi lançado em Abril deste ano, mostrando a mesma receita de sempre: O bom e velho Floridian Death Metal que a banda faz desde 1983, já que seu mentor, o baixista e vocalista Paul Speckmann, ao lado de Chuck Schuldiner do DEATH e do POSSESSED, é um dos fundadores do estilo.

Dave Mustaine: "Kiko é o primeiro que me intimida desde Friedman"Slayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff Hanneman

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A arte primorosa do CD ajuda a criar a atmosfera necessária para cada faixa e letra, um cuidado tomado para que as pessoas possam entender cada contexto sem grandes problemas, e a forma com as quais as letras são dispostas lembra as bandas de Hardcore/Punk, mas de uma forma mais estilizada e bem acabada, sem descaracterizar o contexto sócio/político das letras, do qual Paul não abre mão desde o início da banda.

O CD abre com a faixa título "The Human Machine", rápida na dose certa, onde Ales Nejezchleba inicia com um riff de guitarra daqueles que se ouve e não mais se esquece, e Paul vocifera no melhor estilo, embora o ritmo se alterne bastante. "It's What Your Country Can Do For You" é a próxima, seguindo o estilão da primeira, com a bateria de Zdenek Pradlovsky esbanjando peso e técnica tanto nos momentos mais rápidos quanto nos mais cadenciados. O detalhe interessante da faixa é que o título é uma piada com a frase nacionalista do presidente norte-americano John Kennedy ("Não é o que seu país pode fazer por você, mas o que você pode fazer pelo seu país"). Já a faixa "Twisted Truth" é mais cadenciada que as anteriores, inclusive com partes bem Hardcore e um solo de guitarra bem 'motorhediano'. Logo após, vem uma música mais no estilão tradicional da banda, que é "True Color", uma tijolada Death Metal onde Zdenek mostra domínio completo da bateria, executando viradas técnicas e conduções rápidas sem perder o pique, e a Paul canta explendorosamente, fora as famosas partes de guitarras 'enxame de vespas' na melhor escola do Slayer, inclusive nos solos, se vê a presença de Kerry King. Uma introdução de bateria bem nervosa inicia "Suppress Free Thinking", uma música bem bruta, com um show à parte de Zdenek mais uma vez e Ales mostrando ótimo serviço nas bases e solos. Realmente, os ares da República Tcheca fizeram bem ao MASTER.

"A Replica of Invention" é mais reta e seca que as anteriores, onde o jeitão de cantar de Paul se destaca segurando a base, e em certos momentos onde só ficam baixo e bateria, mostra serviço em seu instrumento, e mesmo um pouco de groove, algo quase que impensável de se encontrar em um CD da banda. Seguindo a mesma linha, "Faceless Victims Expelled" e "Worship the Sun" passam ríspidas, mas mais técnicas que a primeira, sendo que na última, encontram-se algumas guitarras que lembram levadas árabes (pois já que a letra fala de uma guerra final, seu contexto está ligado aos conflitos no Oriente Médio). Fazendo reverência ao primeiro disco da banda, vem "The Lack of Space", que nos leva a mesma atmosfera do debut deles, lá em 1989.

Fechando o CD com chave de ouro, uma faixa mais cadenciada depois de tanta pancada, que é "Impale to Kill", urrada e novamente com solos que lembram o bom e velho Motorhead, com os vocais extremamente vomitados em uma pregação de um dos mais míticos vocalistas do Death Metal.

É um CD obrigatório para os fãs de estilos mais extremados de Metal, uma aula de Old School Death Metal atualizado, ou seja, o bom e velho estilo mas com o frescor da atualidade, sem ser datado em momento algum, e as letras, como sempre, miram e acertam o American Way de ser.

Faixas:
01. The Human Machine
02. It's What Your Country Can Do For You
03. Twisted Truth
04. True Color
05. Suppress Free Thinking
06. A Replica of Invention
07. Faceless Victims Expelled
08. Worship the Sun
09. The Lack of Space
10. Impale to Kill




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Master"


Dave Mustaine: Kiko é o primeiro que me intimida desde FriedmanDave Mustaine
"Kiko é o primeiro que me intimida desde Friedman"

Slayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff HannemanSlayer
A trágica e não revelada história do fim de Jeff Hanneman


Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336