Silas Fernandes: CD de regravações e remasterizações

Resenha - 14 Years - Silas Fernandes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Embora não seja popular no Brasil, a música instrumental possui excelentes representantes em nosso território. Com vinte e cinco anos de carreira, o guitarrista SILAS FERNANDES lançou em 2010 o seu quarto álbum em formato independente, intitulado “14 Years”, uma compilação de regravações e remasterizações.

5000 acessosMorbid Angel: "banda satânica, eu jamais voltaria", diz Sandoval5000 acessosBatman: 10 razões pelas quais ele é Metal pra caramba

SILAS FERNANDES, que além de instrumentista é produtor musical e instrutor de guitarra do IG&T, iniciou a sua trajetória ainda na adolescência. Com Andreas Kisser – que anos mais tarde iria integrar o SEPULTURA –, Silas participou da banda ESFINGE. Depois da sua primeira experiência com a música pesada, o guitarrista ainda contribuiu com os grupos SMOKING GUNS, de hard rock; KATZBARNEA, de rock gospel; e, mais recentemente, com a banda S.T.A.B. No entanto, nos últimos quatorze anos SILAS FERNANDES trabalhou intensamente em composições instrumentais, que acabaram divididas em três discos, que chegaram às lojas entre 1995 e 2008.

O álbum “14 Years” é, justamente, um apanhado das melhores composições instrumentais de SILAS FERNDANDES nos últimos quatorze anos, com o nome do disco indica. Entre regravações e remasterizações, o novo CD recupera as principais músicas que uniram a música eletrônica à guitarra pesada, de forma pioneira no Brasil nos anos noventa. Em quase uma hora de duração, o álbum destaca as maiores qualidades do artista: a execução de bases sólidas de guitarra, a construção de músicas repletas de variações de ritmo e nenhum abuso de solos extremamente virtuosos.

Diferente de outros artistas solo – sobretudo de guitarristas estrangeiros –, SILAS FERNANDES está muito mais interessado em criar composições bem estruturadas do que apenas esbanjar solos à velocidade da luz. “Metal of Deafness”, “Guitar Bites” e “Seeds of Corn”, as três primeiras músicas do álbum, comprovam essa teoria. Os arranjos são consistentes e, apesar de o músico não ser acompanhado por uma banda – mas por programação eletrônica – o resultado final não é comprometido. As músicas são pesadas, os riffs são sujos e os solos enriquecem as ótimas composições.

Entretanto, a coletânea mostra também faixas diferenciadas. Em comparação com as primeiras músicas, “Tears of the 80’s” é mais cadenciada, possui influências da música pop oitentista (obviamente) e um apelo mais rock n’ roll. Certamente, esse estilo – presente também em “Somebody Stop Me” – enriquece o álbum com características bastante variadas. De um lado, o peso próximo ao thrash metal. De outro, uma vertente que lembra a carreira mais rock/pop de JOE SATRIANI.

Considerado um dos primeiros a misturar arranjos eletrônicos à música pesada, SILAS FERNANDES mostra que é capaz de construir, dessa forma, composições interessantes. “Rabbits” se encaixa bem nesse rótulo, com variações e quebras de ritmo, além, é claro, das passagens eletrônicas encaixadas com naturalidade ao estilo mais próximo ao hard rock. Da mesma forma, “Flying Sharks” impressiona. Nessa composição, o instrumental agressivo e os arranjos modernos aproximam a música ao metal progressivo e ao industrial de bandas como o RAMMSTEIN. O resultado final é muito satisfatório.

“Return of Shreder” – a composição que encerra o disco – é o último destaque do repertório de SILAS FERNANDES. Com influências mais próximas ao power metal, a música possui uma clara referência ao trabalho do HELLOWEEN da fase “The Time of the Oath”. No entanto, o disco só não vai figurar entre os principais lançamentos nacionais do ano porque conta com faixas de pouco brilho, como “Freakstein” e “Giants Attitude”. De qualquer forma, “14 Years” é um bom caminho para quem quiser conhecer a carreira de SILAS FERNANDES e, por que não, o que o Brasil tem de bacana no quesito música instrumental.

Track-list:
01. Metal of Deafness
02. Guitar Bites
03. Seeds of Corn
04. Borg Tunes
05. Tears of the 80’s
06. Somebody Stop Me
07. Rabbits
08. We Need Jesus
09. Flying Sharks
10. Freakstein
11. Giants Attitude
12. Smoking Guns
13. Return of Shreder

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Silas Fernandes"


Morbid AngelMorbid Angel
"Banda satânica, eu jamais voltaria", diz Sandoval

BatmanBatman
10 razões pelas quais ele é Metal pra caramba

Dave MustaineDave Mustaine
"Joguei dois feitiços em pessoas, ambos funcionaram!"

5000 acessosGaleria - Musas do Rock N' Roll e Heavy Metal5000 acessosKiss: vídeo com Gene Simmons em cena de sexo?5000 acessosIron Maiden: Perguntas e respostas e curiosidades diversas5000 acessosNirvana e Iron Maiden: Kurt Cobain era fã da Donzela de Ferro5000 acessosQueen: A genialidade de Brian May5000 acessosRock e Metal: Algumas das melhores duplas de guitarristas

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online