Rainbow: em 1981, abandonando seu refúgio lúdico

Resenha - Difficult to Cure - Rainbow

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Rafael Correa
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


"Difficult to Cure" representa uma espécie de "divisor de águas" na carreira do RAINBOW e, de certo modo, também para o hard rock. Primeiramente (no que diz respeito a Blackmore e sua trupe), porque este álbum de 1981 atesta o distanciamento do grupo de seus trabalhos iniciais, pautados em uma espécie de "contos imaginários e fantasiosos" advindos dos dois primeiros discos da banda: "Ritchie's Blackmore Rainbow" e "Rising".
5000 acessosGillan: não aceita volta de Blackmore porque não toca mais tão bem5000 acessosSteven Tyler: "nunca esquecerei a audição para o Zeppelin"

Parecia, portanto, que o "homem da montanha prateada" havia decidido abandonar seu refúgio lúdico e descer para o "nosso" mundo, partilhando da realidade que nos envolve. Em segundo lugar porque, após a saída de DIO, foi com JOE LYNN TURNER que o RAINBOW insculpiu definitivamente seu nome na história música.

Quanto ao hard rock, o "divisor de águas" surge da primeira premissa acima disposta: com a leve alteração dos temas das letras do grupo e a inclusão cada vez mais marcante de teclados que, gradativamente, pouco lembravam os feitos de Jon Lord no DEEP PURPLE, o RAINBOW aproximou-se do que seria depois batizado de AOR (Adult Oriented Rock), e possibilitou que, depois de si, bandas como MÖTLEY CRÜE, POISON e EUROPE apostassem nesta mesma receita, acrescida de elementos mais exagerados, e guiassem os rumos do hard rock até a proximidade do fim da década de 80, quando cinco sujeitos encharcados em drogas foram considerados como a "banda mais perigosa do mundo" (apesar de ter rosas em seu nome) e fizeram o hard rock regressar às suas origens. Por isso, "Difficult to Cure", além de ser considerado como um excelente álbum, é igualmente um dos responsáveis pela guinada do estilo musical dos anos 80, dando o ponta pé inicial para a criação de diversos subgêneros atinentes ao hard rock.

Tão isso é verdade que se confirma já na segunda faixa do álbum, "Spotlight Kid", que conseguiu reunir elementos das raízes do DEEP PURPLE(como os riffs de Blackmore) com o novo som proposto pelo RAINBOW, alçado principalmente pelos teclados de Don Airey e seguido a galope pelas quatro cordas de Roger Glover, que há pouco tinha deixado o PURPLE para se juntar ao grupo de Blackus. "I Surrender", composição originalmente assinada por Russ Ballard e que abre o disco, também dá sinais ao ouvinte do que ele pode aguardar durante o desenvolvimento do disco.

JOE LYNN TURNER, apesar de contido, concretiza uma performance de respeito, ainda que distante da metodologia anteriormente utilizada por RONNIE JAMES DIO. Turner foi aguerrido ao manter o pé firme e apresentar seu próprio estilo, percebido em sua primeira banda, "Fandango", e assinalar a ascensão de um novo período no RAINBOW. Tal fato confirma-se em "Can't Happen Here", onde Turner cadencia sua voz para acolchetar todos os elementos da canção, aparando algumas arestas que, sem ela, haveriam permanecido.

Musicalmente, "Difficult to Cure" é uma constante a descobrir, mesmo que os seus sucessores denotem uma maior concreção sonora, talvez pelo fato do disco ainda "balançar" entre o passado e o futuro do grupo. Fora as canções já mencionadas, o destaque final vai para a faixa título, adaptação singela da "9º Sinfonia" de Beethoven, releitura esta feita por Blackmore e Glover e que provê ao ouvinte uma intrigante audição e garante nota 7 ao disco. Sem mais demoras, é momento de deixar o álbum falar por si mesmo, e anunciar a chegada de uma nova era ao RAINBOW e ao hard rock.

1. I Surrender
2. Spotlight Kid
3. No Release
4. Magic
5. Vielleight Das Naechst Mal (Maybe Next Day)
6. Can't Happen Here
7. Freedom Fighter
8. Midtown Tunnel Vision
9. Difficult to Cure

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Deep PurpleDeep Purple
Gillan não aceita volta de Blackmore porque ele não toca mais tão bem

1012 acessosRainbow: outra música inédita vai ser lançada em breve0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Rainbow"

Rock e MetalRock e Metal
Os dez maiores Deuses dos Riffs

Jimmy BainJimmy Bain
Morre ex-baixista do Rainbow e da banda de Dio

Heavy MetalHeavy Metal
Dez discos essenciais dos anos setenta

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Rainbow"

Steven TylerSteven Tyler
"Nunca esquecerei a audição para o Led Zeppelin!"

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1989

Dave MustaineDave Mustaine
Kiko é o primeiro que me intimida desde Friedman

5000 acessosDeuses do Rock: o tempo passa para (quase) todos eles5000 acessosSeparados no nascimento: Ozzy Osbourne e Jim Carrey5000 acessosMetallica: NME elege as 10 melhores músicas do grupo5000 acessosFoo Fighters: Dave Grohl ataca criador de Glee5000 acessosBruce Dickinson: câncer pode ter sido causado por sexo oral?4382 acessosPaul Stanley: "guitarristas não aprendem a fazer base"

Sobre Rafael Correa

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online