Living Sacrifice: incapaz de injetar frescor na cena atual

Resenha - Infinite Order - Living Sacrifice

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

7


Famoso entre o público cristão, o Living Sacrifice mudou consideravelmente sua sonoridade desde que iniciou sua trajetória em 1989, quando executava uma mescla de Thrash e Death Metal até se estabilizar posteriormente com o chamado Metalcore, orientação que inclusive gerou "Conceived In Fire" em 2002. Porém, mesmo este sendo reconhecido por muitos como seu melhor trabalho, a banda deu uma parada em suas atividades no ano seguinte, inclusive cancelando parte da turnê que divulgava este disco.

A frustração dos tantos admiradores conquistados pelo planeta durou até 2008, quando os norte-americanos anunciaram um retorno, agora com o baterista Lance Garvin. O fruto está chegando agora às prateleiras – do mercado externo, naturalmente – sob o título "The Infinite Order". E, dadas as circunstâncias, este sétimo álbum pode ser encarado como uma óbvia continuação do já mencionado antecessor.

publicidade

Tudo oscila entre a velocidade e o groovy, com vibrações Thrash mescladas às melodias carismáticas, elementos que são a base para os rosnados que tanto se aproximam do Heavy Metal extremo, além de esporádicas linhas vocais mais limpas. Todo esse barulho, como não poderia deixar de ser, está incumbido de proclamar furiosamente a existência de Deus e contestar os não crentes ou os que não se encaixam nos organizados padrões do cristianismo.

publicidade

Ainda que vários arranjos soem similares entre si, o repertório se garante com o impacto de composições como "Overkill Exposure" e "Nietzsche's Madness", com um diferenciado trabalho de bateria, além de a longa "Apostasy", cuja introdução acústica à base de violinos que vão crescendo para explodir em distorção galopante mostra a vontade da banda em fazer algo diferente.

publicidade

A fechada cena cristã terá maiores chances de realmente aprovar este disco, mas, em se tratando de um público mais amplo, a situação poderá ser outra. Afinal, o Living Sacrifice permaneceu em silêncio por cerca de oito anos, período em que tantos jovens passaram a abusar da técnica e feeling, alcançando resultados muitas vezes impressionantes – o que não é o caso de "The Infinite Order", que infelizmente não será capaz de injetar um frescor na cena Metalcore atual.

publicidade

Contato: www.myspace.com/livingsacrifice

Formação:
Bruce Fitzhugh - voz e guitarra
Rocky Gray - guitarra
Arthur Green - baixo e voz
Lance Garvin - bateria

Living Sacrifice - The Infinite Order
(2010 / Solid State Records - importado)

01. Overkill Exposure
02. Rules Of Engagement
03. Nietzsche's Madness
04. Unfit To Live
05. The Training
06. Organized Lie
07. The Reckoning
08. Love Forgives
09. They Were One
10. God Is My Home
11. Apostasy

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Os Trapalhões: uma homenagem ao Heavy Metal em 1985Os Trapalhões
Uma homenagem ao Heavy Metal em 1985

Cinco contra um?: Roqueiros comentam como a revista Playboy os marcouCinco contra um?
Roqueiros comentam como a revista Playboy os marcou


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin