Queen: um álbum execrado até mesmo pelos fãs

Resenha - Hot Space - Queen

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Doctor Robert
Enviar correções  |  Ver Acessos


Há muito tempo atrás, recordo-me de uma seção em uma revista especializada em rock (se não me falha a memória, a grande "Roadie Crew") onde nomes famosos do gênero eram perguntados sobre seus álbuns favoritos. Em uma das perguntas, muito peculiar por sinal, o entrevistado tinha que responder qual disco daria de presente ao seu pior inimigo. Andreas Kisser, do Sepultura, em sua participação, decretou: "Hot Space", do Queen - banda da qual, aliás, ele é fã. E durante anos a fio, desde o seu lançamento em 1982, o "álbum da capa colorida" do quarteto britânico sempre foi execrado, até mesmo pelos seus mais fiéis seguidores. Afinal, seria "Hot Space" realmente tão ruim assim?

Curiosidade: 5 músicos mais novos que as bandas em que tocamAngra: versões bizarras de músicas da banda

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Grande parte do impacto negativo causado pelo álbum se deve ao fato de que, até então, o Queen não tinha nenhuma mancha muito grave em sua discografia. A maioria de seus lançamentos eram unanimidades entre seus fãs, mesmo quando não agradavam aos críticos, e seu sucesso de vendas era indiscutível. Se eles já haviam flertado com a discoteca no álbum "Jazz" (na faixa "Fun It", de Roger Taylor) e com a black music em "Another One Bites The Dust", de "The Game", desta vez eles resolveram escancarar de vez a veia dançante. Primeiro erro: a disco music já estava dando seus últimos suspiros. Segundo erro: o disco foi lançado sucedendo o estrondoso sucesso do já citado álbum "The Game", o inesperado êxito da infame trilha sonora de "Flash Gordon", a grande vendagem da coletânea "Greatest Hits" e do single "Under Pressure", gravado junto a David Bowie - o que, obviamente, gerou muita expectativa. Resumo da ópera: a banda tentou, em vão, nadar contra a corrente, na esperança de que pudessem surpreender a todos, lançando algo diferente, inesperado... E se deram muito mal...

A mudança de ares musicais havia funcionado bem no trabalho anterior, onde a banda deixa para trás o som esmerado e super-produzido (exagerado para alguns) dos anos 1970, abandonando as sobreposições de vocais e guitarras e apostando em uma sonoridade mais simples e direta. Chega a ser incrível, porém, pensar hoje em dia em como é que o quarteto não conseguiu perceber que uma mudança tão radical, para um tipo de sonoridade tão distante e tão mais pobre, acabaria sendo, no mínimo, prejudicial. Ouvindo-se cuidadosamente o disco, o que dá para se notar é uma banda que perdeu o foco.

As duas faixas que abrem o trabalho, "Stayin' Power" e "Dancer", já são de desencorajar até o mais fanático seguidor de Freddie Mercury e cia. Se você duvida, tente ouvir as duas, seguidinhas, como aparecem no álbum, sem tentar pular para a próxima. E olha que naqueles tempos de vinil não tínhamos a facilidade de apertar uma tecla para fazer isso, tinha-se o trabalho de retirar a agulha e procurar a música seguinte... Pois bem... A terceira faixa, "Back Chat", do baixista John Deacon, continua apostando na disco, e embora tenha um bom solo e alguns acordes de guitarra distorcidos de Brian May, não consegue convencer ninguém. O ridículo chega ao seu ápice em "Body Language", com sua letra e video clipe, no mínimo, estapafúrdios. Encerrando o lado A do vinil, vinha "Action This Day", que chegou a fazer parte do repertório ao vivo, assim como "Stayin' Power" e "Back Chat", em versões onde a banda tentava soar um pouco mais rocker, mas não adiantava... Era caso perdido mesmo, como pode ser conferido no CD/DVD "Queen On Fire - Live At The Bowl".

Se o ouvinte por engano começasse a ouvir a bolacha pelo lado B, talvez a reação fosse diferente. Abrindo a outra metade, temos nada menos que "Put Out The Fire", um baita hard rock rasgadão e pesado de Brian May, seguido de uma bela homenagem de Freddie Mercury a John Lennon em "Life Is Real". Mas a peteca começa a cair de novo com "Calling All Girls", faixa pop totalmente desnecessária do baterista Roger Taylor. Bom, paciência tem limite, e o vinil só não era quebrado depois de mais esta faixa horrorosa porque vinha mais uma boa balada (boa, mas bem açucarada, é verdade), onde o Queen homenageia os fãs da América Latina que os receberam tão calorosamente no ano anterior: "Las Palabras de Amor".

Animos mais calmos e o flerte agora era com a soul music, em outra composição de John Deacon (notório fã da black music dos tempos da Motown), agora em parceria com Freddie Mercury, "Cool Cat", cantada por este quase toda num falsete que, a certa altura, vai cansando. Encerrando o disco, e evitando o fiasco total, a banda resolveu inserir a ótima "Under Pressure", composta, gravada e lançada junto a David Bowie no ano anterior, e que acabou resultando na época em seu segundo single de maior sucesso, perdendo apenas para "Bohemian Rhapsody" - afinal, desta vez contavam com as vendas direcionadas não apenas para seus fãs, mas também para os do "camaleão do rock".

Enfim, realmente "Hot Space" é um disco com muito mais erros do que acertos. Não é de todo mal, mas o pouco de bom que tem não faz jus a toda a grandeza do nome da banda. Ao lado da trilha sonora do péssimo filme "Flash Gordon", talvez seja realmente o pior momento de toda sua história, em termos de criação musical. Era o começo de uma crise interna que quase decretaria o final da banda anos depois, quando do lançamento de "The Works" (outro disco irregular, mas já bem melhor do que "Hot Space"). A situação era tão delicada que à época, para driblar o choque de egos, foram lançados como singles de "The Works" quatro faixas, uma composta por cada membro: "Radio Ga Ga", "I Want To Break Free", "It's a Hard Life" e "Hammer To Fall".

Para sorte dos fãs, as intrigas foram superadas pelo profissionalismo. Voltando a trabalhar em conjunto, o grupo lançaria como composição de todos os membros em 1985 o single "One Vision", e posteriormente os álbuns "The Miracle" e "Innuendo" - o álbum "A Kind Of Magic" trazia ainda as faixas assinada individualmente pelos membros. A união da banda ficou ainda mais forte após a confirmação de que Freddie era soropositivo e durou até a sua morte em 1991, rendendo ao mundo ainda mais algumas grandes canções...

1. Staying Power
2. Dancer
3. Back Chat
4. Body Language
5. Action This Day
6. Put Out The Fire
7. Life Is Real (Song For Lennon)
8. Calling All Girls
9. Las Palabras De Amor (The Words Of Love)
10. Cool Cat
11. Under Pressure (with David Bowie)




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Queen"


Curiosidade: 5 músicos mais novos que as bandas em que tocamCuriosidade
5 músicos mais novos que as bandas em que tocam

Clube da Música: 10 bandas de Rock/Metal mais acessadas do YouTube (vídeo)

Foo Fighters: Taylor Hawkins cita os discos favoritos de quando era criançaFoo Fighters
Taylor Hawkins cita os discos favoritos de quando era criança

Bee Gees: grupo ganhará cinebiografia com produtor de Bohemian Rhapsody

Queen: banda nunca tocará no Glastonbury por causa do ativismo animal de Brian MayQueen
Banda nunca tocará no Glastonbury por causa do ativismo animal de Brian May

Lucy Boynton: depois de Mary Austin, ela fará Marianne Faithfull no cinema

Freddie Mercury: ele parou com remédios duas semanas antes de morrer, diz assistenteFreddie Mercury
Ele parou com remédios duas semanas antes de morrer, diz assistente

Queen: Brian May mostra curiosa coleção de guitarras iguais em vídeoQueen
Brian May mostra curiosa coleção de guitarras iguais em vídeo

Queen + Adam Lambert: vídeos profissionais de performance em Nova Iorque

Bohemian Rhapsody: a primeira música do século 20 a ter 1 bilhão de streams no SpotifyBohemian Rhapsody
A primeira música do século 20 a ter 1 bilhão de streams no Spotify

Hit Parader: Os maiores vocais do Heavy Metal segundo a revistaHit Parader
Os maiores vocais do Heavy Metal segundo a revista

Freddie Mercury: censura de grupos muçulmanosFreddie Mercury
Censura de grupos muçulmanos


Angra: versões bizarras de músicas da bandaAngra
Versões bizarras de músicas da banda

Postura: 12 coisas que você nunca deve dizer a um músicoPostura
12 coisas que você nunca deve dizer a um músico


Sobre Doctor Robert

Conheceu o rock and roll ao ouvir pela primeira vez Bohemian Rhapsody, lá pelos idos de 1981/82, quando ainda pegava os discos de suas irmãs para ouvir escondido em uma vitrolinha monofônica azul. Quando o Kiss veio ao Brasil em 1983, queria ser Gene Simmons e, algum depois, ao ver o clipe de Jump na TV, queria ser Eddie Van Halen. Hoje é apenas um bom fã de rock, que ouve qualquer coisa que se encaixe entre Beatles e Sepultura, ama sua esposa e juntos têm um cãozinho chamado Bono.

Mais matérias de Doctor Robert no Whiplash.Net.

adGoo336