Dark Moor: poder de colocar emoções nas músicas

Resenha - Autumnal - Dark Moor

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Após o lançamento e as novas técnicas implementadas em “Tarot”, se criou uma grande motivação de boa parte dos fãs do metal sinfônico para saber qual caminho tomaria o Dark Moor. As respostas vieram com “Autumnal”, sétimo álbum de estúdio da banda, lançado no início deste ano.
5000 acessosAC/DC: 10 músicas de outros artistas que parecem da banda5000 acessosFotos de Infância: Janis Joplin

“Swan Lake” abre o álbum. Baseada no balé do compositor Tchaikovsky, é uma música poderosa e bastante épica, com acordes rápidos explorando bastante o uso do coral e do ritmo da música do compositor, marca registrada do Dark Moor. Novamente a banda se notabiliza pela ótima composição, que se encaixa como uma luva na sinfonia.

Se no álbum anterior, “Tarot”, a banda somente se utilizou de uma obra reconhecida como tema de suas músicas, em “Autumnal” diversas músicas são baseadas em conhecidas obras, tanto da literatura quanto da música.

Nesta linha de músicas baseadas em obras, temos também a ótima “Faustus”, baseada no drama de Goethe. O Dark Moor consegue com primazia colocar o drama e a angústia necessários nesta canção, mostrando bem o ambiente no qual Fausto se encontra. O forte uso dos backing vocals ajuda a realçar ainda mais esse sentimento. Juntamente com “Swan Lake”, são os pontos altos do álbum.

Seguindo ela vem “Don’t Look Back”, uma música emocionante sobre a história de Orfeu e Eurídice, com riffs pesados e rápidos e cheia de reviravoltas e mudanças de som. Outra adaptação é a música “For Her”, baseada na história de Odisseu, com uma abertura e solos marcantes, onde Odisseu conta sobre o amor por sua esposa e tudo o que fez por ela.

Esse poder do Dark Moor, de colocar emoções na música, é um dos pontos que mais marca em “Autumnal” e que ficou um pouco escondido nos últimos álbuns. Cada música do álbum se apresenta de uma maneira diferente para quem ouve, e isso é ótimo. A banda fugiu um pouco da mesmice, das faixas muito parecidas que cansam o ouvinte. O som de “Autumnal” é mais atrativo aos ouvidos principalmente pela pluralidade que ele oferece.

Além disso, vale destacar a criatividade dos músicos que conseguem, mais uma vez, compor um álbum bastante consistente cheio de ótimas músicas. “Autumnal” não é o tipo de álbum que atrai qualquer público, mas os fãs de Power, Symphonic e Melodic irão achar um ótimo trabalho neste lançamento dos espanhóis.

Dark Moor é:
Alfred Romero – Vocal
Enrik Garcia – Guitarra
Mario Garcia – Baixo
Roberto Cappa – Bateria

Faixas de “Autumnal”:
1. Swan Lake
2. On the Hill of Dreams
3. Phantom Queen
4. And End So Cold
5. Faustus
6. Don't Look Back
7. When the Sun is Gone
8. For Her
9. The Enchanted Forest
10. The Sphinx
11. Fallen Leaves Waltz

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dark Moor"

IdiomaIdioma
Bandas que já cantaram em sua língua natal

Baladas do MetalBaladas do Metal
Blog elege as mais bonitas de todos os tempos

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Dark Moor"

AC/DCAC/DC
10 músicas de outros artistas que parecem da banda

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Janis Joplin muito antes da fama

SlayerSlayer
A trágica história do fim de Jeff Hanneman

5000 acessosFotos de Infância: Gene Simmons, do Kiss5000 acessosSlipknot: Ana Maria Braga surpreende em abertura do Mais Você5000 acessosSepultura: O solo de Eloy que fez o RIR aplaudir o Gloria5000 acessosVideo: Metallica, Slayer, Slipknot, Pantera e A7X sem distorção5000 acessosKorn: banda celebra 20 anos do álbum que mudou o Metal pra sempre5000 acessosAndreas Kisser: quem se importa com o que Max pensa?

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online